L.Romanoff´s interview

 

 

CROATIAN  ENGLISH   ESPAÑOL FRANÇAIS  GREEK  NEDERLANDS  POLSKI  PORTUGUÊS EU   PORTUGUÊS BR  ROMANIAN  РУССКИЙ

What part will your country play in World War III?

By Larry Romanoff, May 27, 2021

The true origins of the two World Wars have been deleted from all our history books and replaced with mythology. Neither War was started (or desired) by Germany, but both at the instigation of a group of European Zionist Jews with the stated intent of the total destruction of Germany. The documentation is overwhelming and the evidence undeniable. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

READ MORE

Wednesday, April 6, 2022

PT -- LARRY ROMANOFF -- Algumas Coisas que Talvez Devessem Saber Sobre a China -- March 28, 2022




 

Algumas Coisas que Talvez Devessem Saber Sobre a China

      por Larry Romanoff, March 28, 2022

 

1960 -- A força de trabalho rural voltou a sua atenção dos campos para as fábricas


Os membros das milícias marcham em formação, passando pela Praça Tiananmen, durante o desfile militar que assinalou o 70º aniversário da fundação da República Popular da China, no seu Dia Nacional, em Pequim, China, em 1 de Outubro de 2019. (Foto: Thomas Peter/Reuters)

CHINESE   ENGLISH   PORTUGUESE

 

Parece que sempre surge o tema da China, somos inundados com as observações, afirmações e conclusões mais espantosas, as quais, quase todas, parecem vir do Espaço Exterior. É óbvio que não pode haver outro assunto, neste planeta, sobre o qual tantas pessoas estão tão surpreendentemente mal informadas e chegam às conclusões mais irrealistas.

 

Temos um ditado que diz, que depois de passar um mês na China, pode-se escrever um livro; depois de um ano na China, pode-se escrever um capítulo; após cinco anos pode-se escrever um parágrafo, e depois de cinco anos pode-se escrever uma nota num cartão postal - sobre a comida. Esse ditado tornou-se quase uma lenda urbana, mas essencialmente, é verdadeiro. Ainda me lembro do dia em que, ao descer uma rua no centro de Shanghai, depois de ter estado no país durante cerca de um mês, experimentei uma ilusão de tal clareza extrema que disse para mim mesmo: "Podia escrever um livro sobre este lugar". Não consigo explicar os processos mentais ou sociológicos que se combinam para causar esta ilusão inicial de compreensão e clareza, nem as forças que tão efectiva e progressivamente a desmontam para uma condição em que, quanto mais tempo passamos na China, menos a compreendemos.

 

E, no entanto, depois de viver na China durante quase 20 anos, vejo-me constantemente desafiado e "corrigido" por pessoas que nunca estiveram na China, que obviamente nunca leram nada de útil sobre o país e que podem nem sequer conhecer realmente uma única pessoa chinesa. No entanto, aparentemente, esta total falta de conhecimento não é um obstáculo à enorme quantidade de pontificações filosóficas sobre "o que realmente se passa na China".

 

Pensei, muitas vezes, que poderia ficar de pé e falar sobre a China durante uma hora e que a minha audiência (de canadianos e americanos) se sentaria de boca aberta e com um semblante ausente, durante toda esse tempo. Não teriam nada a dizer, nem perguntas a fazer, porque não conseguiriam compreender um conjunto de circunstâncias culturais em que os acontecimentos que eu relatasse, poderiam existir no seu mundo. O afastamento seria quase total. Escrevi recentemente um artigo intitulado "Compreender a China"/"Understanding China", que contém alguns elementos culturais do tipo acima referido. (1) Talvez gostasse de o ler; é breve e interessante.

 

Mas para o resto, para uma 'compreensão' da China, estaria tentado a dizer: "Não se preocupe". Não se incomode a tentar compreender a China, porque essa compreensão está provavelmente fora do seu alcance. Lembro-me do inglês que disse que, após 25 anos de casamento, ele estava "apenas a começar" a compreender a sua esposa francesa. É assim mesmo. A China é uma civilização milenar, com as origens das tradições e dos pensamentos perdidos nas brumas do tempo. A Itália e a Grécia têm um toque deste sabor; as outras nações ocidentais nem tanto e os EUA e o Canadá, realmente, não têm nada. Não é fácil de explicar, mas, no entanto, é verdade.

 

Somos fortemente penalizados pelos meios de comunicação social judeus ocidentais em cada um dos seus aspectos, porque os meios de comunicação social emolduram uma imagem da China que é quase 100% falsa ou, pelo menos, muito enganadora, concretizandoeste processo a partir da sua ideologia e agenda pessoal. Não podemos ultrapassar esta circunstância, sem utilizar uma quantidade excessiva de tempo e de esforço.

 

Eu diria que, em geral, há muito pouco sobre a China disponível em língua inglesa, sobre a sua História ou sobre a sua cultura, que seja taxativo ou de muito uso, e as línguas europeias não são muito melhores. Existem algumas excepções - a obra de Anna Louise Strong (2) (3), e os textos de alguns autores, na sua maioria obscuros, que conseguiram transmitir, na sua época, uma representação mais ou menos fiel da China.

 

Tenha em mente que os judeus khazarianos estiveram envolvidos, activamente, na destruição da China (entre outras coisas, o ópio, o roubo levado a cabo pelos bancos, a destruição política e social, as guerras crueis e os genocídios culturais mais desprezíveis) durante cerca de 200 anos e os americanos não ficaram muito atrás deles. Assim, é provável que quase tudo o que seja escrito, quer pelos judeus, quer pelos americanos, seja lixo, porque ambos estavam mais empenhados em evidenciar os pecados da China do que apresentar uma imagem precisa sobre qualquer assunto, ou aspecto da China.

 

As enciclopédias judaicas gabam-se de que o ópio na China era "inteiramente um negócio judeu" e que Sassoon se recusava a deixar participar qualquer não-judeu. Os americanos, para além de meia dúzia de invasões militares, tiveram o seu Departamento do Tesouro, a sua amada FED, o J. P. Morgan e o Citibank (4)(5)e muitos outros, todos a cooperar na pilhagem da carcaça enquanto estavam ocupados a fomentar uma guerra civil inflexível através de Zhang Jie Shi (Chiang Kai-Shek para si) e de T. V. Soong, destruindo energicamente qualquer forma de governo, de economia e de sociedade que ainda restasse. Ambas as partes falharam devido a Mao Tze-Dong e é claro que o odeiam amargamente, até aos dias de hoje.

 

Expulsões Judaicas Recentes Dignas de Nota

 

Todos sabem que os judeus foram expulsos de inúmeros países durante, pelo menos, os últimos 500 ou mesmo 800 anos. O que a maioria das pessoas não sabe é que esse processo realmente nunca parou. Um dos primeiros actos de Castro, após a sua revolução bem sucedida no início dos anos 50, foi expulsar todos os judeus de Cuba, razão pela qual aquele pobre pequeno país tem estado sujeito a sanções bárbaras e quase homicidas, durante os últimos 70 anos. A cidade de Nagasaki e o Japão também expulsaram todos os judeus antes da Segunda Guerra Mundial, razão pela qual foram escolhidos por Bernard Baruch (judeu) como alvos das bombas atómicas (a "bomba infernal judaica", caso não saiba, 99,5% totalmente desenvolvida por judeus). (6) Hitler queria expulsar todos os judeus da Alemanha para Madagáscar (a sua "solução final"), mas falhou porque os judeus conseguiram aliciar os EUA para a guerra.

 

Assim, o primeiro acto de Mao ao tomar o poder após ganhar a chamada "guerra civil" da China (que não foi contra outros chineses mas contra os judeus e americanos) foi expulsar todos os judeus da China, confiscando (tal como Castro) todos os seus haveres mal adquiridos, resultantes da comercialização do ópio, que incluíam todas as filiais do Banco HSBC, em Shanghai e no continente. Mao expulsou, de facto, todos os estrangeiros, mas claro que os judeus eram o alvo. Todas as publicações judaicas que verifiquei, dizem-nos apenas que os judeus deixaram a China "apressadamente" após a guerra, sem especificar exactamente a causa dessa "pressa". Desde então, os judeus têm odiado a China e têm sido a causa de todo o isolamento, dos embargos comerciais, da campanha de ódio continuada dos meios da comunicação social e de muitas outras coisas dirigidas contra a China, desde essa altura.

 

Shanghai acolheu 40.000 judeus de Hitler

 

Shanghai não fez tal coisa. As populações dentro e fora da China (mas especialmente dentro) estão a ser bombardeadas pelos judeus com contos fictícios sobre como os "maravilhosos chineses de bom coração" acolheram todos os judeus que escapavam às perseguições, na Alemanha. Tantos contos de memórias carinhosas dos habitantes de Shanghai que gostam dos judeus. Mas não foi exactamente assim. Shanghai já tinha um grande contingente de judeus enriquecidos com o comércio do ópio e, visto que, na altura, a cidade estava inteiramente sob o controlo do Exército Imperial japonês, foi para lá que os japoneses enviaram todos os judeus aquando da sua expulsão do Japão. Nem Shanghai, nem a "China" tinham nada a dizer sobre o assunto e os "maravilhosos chineses de bom coração" nem sequer sabiam o que tinha acontecido. Havia alguns judeus que podiam ter vindo por terra através da Rússia e da Sibéria, ou de navio, mas eram poucos e os seus passes de trânsito eram para os EUA e não para a China. Vale a pena salientar que os "maravilhosos chineses de bom coração" não se saíram muito bem sob a tutela dos seus novos mestres judeus. As histórias que talvez tenham ouvido sobre as placas em Shanghai, que diziam: "Não são permitidos cães, nem chineses", são verdadeiras e esses avisos foram colocados pelos judeus, não pelos japoneses.

 

Mao Tsé-Tung: Matar chineses e afogar gatinhos

 

Mao Zedong

 

Foi a expulsão dos judeus que estavam na China e o ódio amargo a Mao, que originou 70 anos de História distorcida pelo ódio à China e, em particular, a Mao. Saber que realmente Mao nunca "matou" ninguém, pode ser uma surpresa para alguns. Todas essas histórias são literatura judaica de ódio gerada pelo ressentimento de terem de deixar a China com alguma carne ainda a permanecer nos ossos. Esta foi a causa da grande fome na China, cerca de 1960, quando os judeus europeus utilizaram os serviços da ONU para lançar um embargo alimentar mundial à China, quando aquele país sofreu vários anos de catástrofes naturais e sofreu uma grave escassez alimentar. Usando os americanos como o Exército Privado dos Banqueiros (e o executor do genocídio), o mundo inteiro permaneceu sentado durante três anos e viu cerca de 20 milhões de chineses morrerem à fome. Nenhum país se atreveu a dar comida à China, nem a vender comida à China a qualquer preço. (7)

 

Foram os judeus Khazarianos europeus que mataram todos aqueles milhões de chineses e não o Presidente Mao, e tiveram mesmo o ‘chutzpah’ de sobrestimar progressivamente o seu trabalho até aos 80 milhões de mortes. Esta ocorrência é um indício das tendências naturais selvagens e desumanas dos judeus Khazarianos europeus - os Rothschilds, Sassoons, Kadoories, Sebag-Montefioris, Lehmans, de' Medicis, Mendelssohns, Bleichroeders, Warburgs, Lazars, e uma centena de outros nomes de que nunca ouviram falar.

 

Foram os judeus que criaram todas as histórias de fome na China devido à "má gestão" dos stocks alimentares,executada por Mao e histórias de como o homem matou ou executou milhões de pessoas do seu próprio povo - sem razão visível,  uma  vez que estava no processo de reformar o país e tentar reconstruí-lo, unindo toda a população. E conseguiu. Se não fosse Mao, hoje a China não existiria.

 

O Comunismo Judeu da China

 

Da mesma maneira, todas as histórias que ouviram sobre o comunismo chinês, o Grande Salto em Frente, a Revolução Cultural, a política de um filho único na China e muito mais, são o resultado da tentativa dos judeus de dissertar sobre as suas próprias "contribuições" finais para o "progresso" da China.

 

Caso não se saiba, o comunismo foi um empreendimento 99,985% judeu, a partir de Marx e Engels. Na Rússia, os judeus, à medida que partiam, conseguiram exterminar não só a Família Real Russa, os Romanovs (Romanoffs) e praticamente todo o clero, mas também mais de 30% da população russa total, incluindo toda a classe média e proprietários, para não falar da pilhagem de toda a nação do dinheiro, ouro, arte, ícones e do Tesouro Real.

 

Os judeus khazarianos europeus - a lista habitual dos suspeitos - foram inteiramente responsáveis pela introdução do comunismo na China. Os judeus bolcheviques enviaram um representante - Grigori Naumovich Voitinsky (nome verdadeiro Zarkhin, um judeu russo) na esperança de duplicar, na China, a destruição efectuada na Rússia. Voitinsky falhou na sua missão e foi expulso, pelo que a visão judaica do comunismo nunca se enraizou na China. O plano para a Rússia (e para todos os países europeus) era ter apenas um pequeno punhado de especialistas judeus a controlar toda a nação de camponeses, para os servir. Este foi o cenário apresentado à China, um plano que foi recusado.

 

No entanto, uma parte da filosofia comunista permaneceu na China, a da opressão das classes mais baixas pelos instruídos e ricos e foi este factor que foi quase inteiramente responsável pelos erros cometidos por Mao. Ele recusou-se a considerar a exterminação da classe alta e média, como os judeus recomendavam e como tinham feito na Rússia, mas chegou ao ponto de tentar nivelar todas as classes. Assim, os médicos foram enviados para trabalhar em quintas, e similares, numa tentativa de reduzir as diferenças entre as classes. Essas tentativas falharam, e durante décadas os judeus saquearam Mao de todas as maneiras possíveis, sem revelar que ele estava apenas a seguir o seu padrão de "construção da nação", mas de forma muito mais suave. São os judeus, e não os chineses, que deveriam assumir a responsabilidade pelos fracassos de Mao em matéria de planeamento social.

 

A Política Judaica de um único filho na China

 

Foi, igualmente, outro judeu, um dos cultos malthusianos cujo nome me escapa neste momento, que foi enviado à China com instruções para dizimar a população chinesa - para o bem de toda a Humanidade. Este esforço teve bastante sucesso. O homem conseguiu assustar os chineses sobre as perspectivas de alimentar uma população tão avultada e a adopção da política de um só filho foi o resultado directo deste encontro. De facto, a China não tardou a adoptar a recomendação dos judeus e usaram-na para pilhar a China, mais uma vez como sendo uma nação, " que violava brutalmente os direitos humanos". Mais uma vez, são os judeus que devem assumir plena responsabilidade pelas políticas do planeamento familiar da China, visto que elas foram tomadas inteiramente com base nos seus "conselhos".

 

E assim por diante. Pense em quase tudo de mau que tenha lido sobre a China, ou quase tudo de mau que 'saiba' sobre a China e, se arranhar a superfície, encontrará um judeu. Sei que isso não soa muito bem, mas acontece que é a verdade.

 

A questão de tudo o que foi dito acima é que, quase tudo o que sabe, ou pensa que sabe, ou que acredita ser verdade, sobre a China e sobre a sua História, está errado. A História é escrita pelos vencedores ou, alternativamente, pelos que controlam todos os meios de comunicação social e que são proprietários de praticamente todos os editores de livros. E mentem porque estão ocupados a encobrir a sua cumplicidade na maioria dos crimes que têm sido cometidos contra a Humanidade em qualquer lugar e, de facto, sobre tudo o que envolva a China. Os meus comentários acima não riscaram sequer a superfície dos crimes dos judeus na China e, muito menos, em qualquer outro lugar.

 

Na China Ninguém Tem Imaginação

 

First look at record-breaking glass-bottom bridge | CNN Travel

 

Mais uma vez, escutamos tanto nos meios de comunicação social judeus, sobre como a "China" e os chineses nunca inventaram nada, não têm imaginação e apenas sabem copiar e roubar. Mas a verdade está a 180 graus desta afirmação . Estima-se de forma fiável que, pelo menos, 60% de todo o conhecimento do mundo actual teve origem na China. Sim, isso é realmente verdade e a estimativa não é minha. Na escola, ensinaram-nos que a máquina de impressão com tipo móvel foi inventada por Johannes Gutenberg, na Alemanha, cerca de 1550, mas a China não só inventou o papel como teve máquinas de impressão com tipo móvel (tanto em cima como em baixo) 600 anos antes do nascimento de Gutenberg. Do mesmo modo, todos os estudantes sabem que o inglês James Watt inventou a máquina a vapor, mas a China tinha máquinas a vapor em funcionamento 600 anos antes de James Watt nascer. A verdade é que a invenção chinesa sempre liderou o mundo, tendo a maior parte destas invenções sido copiadas ou roubadas pelo Ocidente e a China, depois apenas escritas a partir da História Mundial pelas mesmas pessoas que roubaram as invenções e que são donas de todas as editoras dos Compêndios de História. Aqui está a História das Invenções Chinesas: Se não a conhecer, é verdadeiramente surpreendente para abrir a mente. (8)

 

Além de que, os americanos e os meios de comunicação social judeus americanos tentaram manchar o sistema ferroviário de alta velocidade da China, inundando as agências de notícias com acusações falsas de roubo de toda a propriedade ferroviária da China. Escrevi um artigo sobre o caminho de ferro de alta velocidade da China; é interessante e não contém mentiras: (9) E aqui está outro coisa que, realmente, poderá gostar de ler: a história de Nüshu, uma das mais antigas e belas e certamente, uma das línguas mais intrigantes do mundo, o único exemplo conhecido de uma língua de pleno direito criada por mulheres e falada e compreendida apenas por mulheres. (10) Faz parte do património da UNESCO. (11)

 

 Os Judeus da Ásia

 

"Os chineses não são designados como ‘Os judeus da Ásia’ sem um motivo". Para vossa informação, os chineses também não são chamados ‘Os Judeus da Ásia’ devido a uma razão. De facto, os chineses não são de maneira nenhuma aplidados como ‘Os Judeus da Ásia’. Essa designação  teve origem num artigo, mais tarde alargado para cerca de 63 páginas, escrito em 1914 pelo Rei Vajiravudh do Sião (Tailândia), intitulado: "Os Judeus do Oriente/Acorde Sião!”

 

Um leitor com o seu estilo "thotmonger" publicou um comentário sobre o artigo de Andrew Anglin no unz.com "I Don't Know Who's Great Resetting Who Anymore", no qual afirmou: "Nele, Vajiravudh faz uma comparação cultural e comportamental muito informada e desapaixonada entre judeus e chineses étnicos. Resiste e foi confirmado". (12)

 

Bem, não é bem assim. O Researchgate escreveu sobre este artigo: "O artigo infame e altamente polémico escrito pelo Rei Vajiravudh Rama VI do Sião e publicado pela primeira vez ... em 1914, foi há muito utilizado como prova fundamental da natureza inata e anti-chinesa da marca particular do nacionalismo realista do Sião". (13) De facto, em vez de ser "muito informado e desapaixonado", era um pedaço de lixo venenoso espantosamente vitrificado que, desde 1914, tem permanecido no caixote do lixo histórico onde pertence. É um aviso para não acreditar em tudo o que se encontra na Internet sobre a China e uma informação ainda mais útil para questionar os motivos daqueles que tão altamente recomendam esta marca de lixo. E, por favor, esqueçam que alguma vez ouviram esta expressão. É ofensiva.

 

Os EUA transferiram a sua base de produção para a China; a China roubou os nossos empregos

 

Bem, não foi assim exactamente. O que aconteceu foi que os banqueiros e os industriais judeus que, mais ou menos, controlam os EUA, forçaram um acordo com o governo dos EUA pelo qual todos os lucros obtidos offshore seriam isentos de impostos (desde que permanecessem offshore). Assim, a Levi's, fazendo calças de ganga azuis nos EUA por $20 e vendendo-as por $40, podia agora ir à China e fazer as calças de ganga por $5 e ainda vender por $40. Assim que a Levi's o fez, os outros fabricantes puderam ver o seu futuro no caixote do lixo porque a Levi's podia vender calças de ganga azuis por muito menos do que o custo de produção das outras empresas. Não tiveram outra alternativa senão segui-los. Assim, despediram todos os seus empregados, fecharam as suas fábricas e mudaram-se para a China. Quando a Mattel se mudou, todos tiveram de se mudar, este processo duplicou em todo o sector da produção. Muitos nem sequer tinham de construir as suas próprias fábricas; podiam encontrar uma fábrica chinesa para fabricar os seus produtos OEM e apenas recolher o dinheiro. Por isso é que a Apple tem algo como 300 biliões de dólares depositados offshore. Agora, todas essas mesmas empresas estão a pressionar o governo dos EUA para repatriar esses lucros isentos de impostos, com o argumento de que irão utilizar o dinheiro para "criar empregos".

 

Lemos tantas histórias diferentes sobre este assunto, avaliando a culpa das políticas industriais mal orientadas da América, ou como os judeus estão a transferir as riquezas do Ocidente para a China, ou como os chineses estão de alguma forma em conluio com alguém na destruição planeada da América. Mas isto não está relacionado com a política industrial; foi simplesmente devido à ganância dos judeus e ao seu desprezo pela América, à sua vontade de sangrar a nação enquanto lucrarem com isso. "Depois de termos espremido tudo o que queremos dos EUA, esse país pode secar e explodir".

 

A China roubou toda a nossa  PI (Propriedade Intelectual)

 

Sim, claro. Enviem-me a lista. Para os que não sabem, os EUA e os judeus khazarianos são os maiores ladrões de Propriedade Intelectual da História. Talvez queiram ler sobre a Operação Paperclip (14) e a vasta rede de roubo de Propriedade Intelectual dos EUA (15), e alguma parte da verdade sobre "Como os EUA se tornaram ricos": (16) (16A) (17)

 

Roubo da Propriedade Intelectual e Transferência da Tecnologia

 

Apesar das acusações dos EUA de que a China copia a tecnologia estrangeira, as conquistas da China em matéria de alta tecnologia foram inteiramente desenvolvidas no país, porque os EUA têm estado tão determinados a impedir a ascensão da China que, em 1950, criaram um embargo internacional a todo o conhecimento científico e a quase todos os produtos e processos úteis à China, incluindo legislação que os cientistas chineses não podem ser convidados para/ou a participar em fóruns científicos americanos, enquanto intimidam outras nações ocidentais a fazer o mesmo. Em Outubro de 2019, a todos os cientistas chineses e empresas de tecnologia espacial foi negado visto para participar no Congresso Internacional de Astronáutica em Washington, longe de ter sido a primeira vez que tal aconteceu.

 

Ouvimos falar muito nos meios de comunicação ocidentais sobre a China exigindo transferências de tecnologia como condição de residência de empresas na China, mas isto é, sobretudo, propaganda. Sem dúvida que as expectativas de transferência de tecnologia e know-how ocorrem, visto que a China não quer passar o resto da sua vida a fazer torradeiras e sapatos de corrida mas, uma vez que a entrada no mercado chinês é um presente de biliões de dólares em lucros, é perfeitamente sensato atribuir-lhe um preço. Contudo, é preciso ter em mente que nenhuma empresa estrangeira está a realizar investigação comercial ou militar sensível de ponta, ou a fabricar computadores quânticos e mísseis hipersónicos na China. Qualquer tecnologia realmente disponível para transferência seria quase inteiramente em bens de consumo e dificilmente constituiria grande valor ou ameaça à "segurança nacional" dos EUA. E, em praticamente todos os campos e indústrias de ponta, tais como computação quântica, telecomunicações 5-G ou energia solar, a China já ultrapassou os EUA. (18)

 

 Se não fossemos nós . . . 

 

Seja como for, esta afirmação tem flutuado por aí durante anos, a alegação de que os EUA merecem todo o crédito pelo ressurgimento da China. AmCham (a Câmara de Comércio Americana) na China, chegou mesmo a afirmar que ela – a AmCham - foi directamente responsável pela saída de 600 milhões de pessoas da pobreza. "Nós demos-lhe a tecnologia, conseguimos a sua entrada na OMC, fizemos tudo isto por eles". James Fallows, na China Airborne, chegou mesmo a afirmar que os chineses estavam pouco cientes de que os seus aviões estavam a despenhar-se, mas não faziam ideia do que fazer, pelo que os americanos vieram e ensinaram a palavra mágica 'manutenção', salvando assim a aviação chinesa. De todas as piadas doentias, essa é provavelmente a mais perversa.

 

Depois de, durante 70 anos, terem feito todo o possível para falir e dividir a China, para descarrilar, para isolar, para roubar, para fazê-la morrer à fome, para derrubar o governo, para provocar revoluções e não tendo conseguido impedir a ascensão da China, agora os americanos e os seus mestres judeus estão a ficar com os louros de terem sido eles a realizá-la. As reivindicações específicas são tão ridículas que não me vou dar ao trabalho de as enumerar e refutar.

 

As Ilhas do Mar do Sul da China

 

A China descobriu e reclamou todas estas ilhas há muitas centenas de anos, muito antes mesmo dos vietnamitas e dos filipinos terem aprendido a nadar. Se os EUA podem reivindicar o Havai, Porto Rico, as Bahamas e as Ilhas Virgens e o Reino Unido pode reivindicar as Malvinas, que estão a cerca de 50.000 milhas das suas costas, porque é que a China não pode ter algumas ilhas que estão perto do seu território? Tinha reclamado esse direito, até há alguns anos, quando os americanos e os seus patrões, sempre à procura de uma oportunidade para criar instabilidade e lançar outra guerra, começaram a instigar o Vietname, as Filipinas, a Tailândia, a "ocupar" essas ilhas. "Afinal, elas também estão perto das vossas costas, então porque haveriam de deixar os chineses possuí-las? E não se preocupem; temos bases militares aqui no vosso país. Os chineses não se atreverão a fazer nada".

 

Assim, estupidamente, três países fizeram precisamente isso; 'ocuparam' (e militarizaram) as três melhores, maiores e mais estratégicas destas ilhas. A China não estava prestes a iniciar uma guerra com os seus vizinhos devido a este acontecimento, mas o governo também não estava cego para o que estava a acontecer, visto que, de facto, os militares chineses confiscaram as três ilhas mais úteis seguintes e fortificaram-nas com instalações militares. Esta acção foi feita em legítima defesa, porque a China não precisa de ogivas nucleares americanas a algumas centenas de milhas da costa, sem ter qualquer tipo de defesa de alerta. Mas o único barulho que se ouve nos meios de comunicação social judaicos e na Casa Branca, é sobre "a militarização efectuada pela China, nos Mares do Sul da China".

 

As Ilhas Diaoyu

 

Sobre este assunto, um comentador escreveu: "Há uma década, a China lançou "um desafio militar agressivo" contra o Japão relativamente a algumas ilhas. A China "não tinha base legal para se impor", mas esta acção deu origem a "ataques mafiosos induzidos pelo Estado" às empresas japonesas na China".

 

"Lixo" é uma palavra demasiado suave para ser desperdiçada em tretas como esta. As Ilhas Diaoyu pertencem à China mesmo antes da China existir. O Japão ocupou-as. Os EUA conquistaram o Japão na Segunda Guerra Mundial e a ONU permitiu aos militares americanos a tarefa de repor as coisas como estavam no Pacífico, neste caso, devolver as Ilhas Diaoyu à China. Mas os Americanos, aconselhados mais uma vez pelos seus mestres judeus que parecem saber sempre como preparar o cenário para futuras guerras, ignoraram o mandato da ONU, em vez disso, entregaram as ilhas ao Japão para "fins administrativos". E claro, os americanos e os judeus (pode desconhecer, mas o Japão é uma colónia judaico-americana sem vontade ou política externa própria) induzem os japoneses a povoar estas pequenas ilhas ou a fazer algo igualmente provocador, para ver se podem iniciar outra guerra entre a China e o Japão. E, para que conste, o governo chinês desencorajou fortemente os ataques às empresas japonesas na China. Mas na China, o ressentimento em relação ao Japão é profundo e por uma razão muito forte.

 

O Problema com Taiwan

 

Se quiser iniciar uma guerra com a China, este é o local exacto para fazê-lo. Os americanos sabem-no, os seus mestres judeus sabem-no e ambos estão a fazer o seu melhor para que tal aconteça. Tudo o que ouvimos nos meios de comunicação ocidentais é que a China, sem nenhuma boa razão, considera Taiwan "uma província regeitada" que resolve trazer de novo para casa um dia - pela força, se for necessário. Mas isto é mau porque, como nos diz solenemente a BBC, Taiwan é "... um Estado soberano. Tem a sua própria constituição, líderes democraticamente corrompidos (embora não tão democraticamente corrompidos como nos EUA) e um exército permanente", para não falar nos biliões de dólares em armas, bem como mísseis dos EUA e provocações militares frequentes.

 

Mas como é que Taiwan se tornou uma província "rejeitada"? Simples. A China passou por uma guerra civil, com Mao de um lado e os judeus e os americanos do outro, protegendo o seu fantoche Zhang Jie Shi. Mao ganhou. O último acto de Zhang, sob o apoio militar americano, foi saquear totalmente o banco central da China e todos os outros bancos ao seu alcance e fugir para Taiwan. Isto não o teria ajudado muito, mas os EUA encheram o Estreito de Taiwan com todo o músculo militar naval que podiam reunir, para evitar que Mao resolvesse esta ponta solta. A China não tinha poder naval para desafiar a frota dos EUA e não podia fazer mais do que disparar ocasionalmente peças de artilharia em Taipé. Mais uma vez, os judeus e os americanos estavam a preparar uma bela guerra futura.

 

Os media judeus dizem-nos que Taiwan "nunca esteve sequer sob o controlo do Partido Comunista da China", uma afirmação que é factualmente verdadeira mas irrelevante. Taiwan tinha sempre feito parte da China até que os japoneses a ocuparam e depois os americanos a assumiram e impediram a sua unificação com a China Continental. Em relação ao governo, o Partido Comunista da China é um recém-chegado e foi, apenas, devido à formação desse governo que a reunificação foi impedida. Mentiras e mais mentiras.

 

O Problema com o Tibete

 

O Tibete fazia parte da China muito antes de George Washington cortar a sua cerejeira fictícia, muito antes de Benjamin Franklin efectuar a sua experiência fictícia do Kite (papagaio de papel) e mesmo muito antes de Cristóvão Colombo abrir o seu primeiro bordel aborígene no Novo Mundo. (19)

 

Os meios de comunicação ocidentais impuseram à nossa imaginação uma imagem de uma teocracia lendária onde um deus reencarnado governa sobre um povo pacífico girando rodas de oração num idílio pastoral. O fascínio do Ocidente pelo Tibete transformou-o num lugar mítico sobre o qual projectamos os nossos sonhos e as nossas próprias fantasias espirituais. O resultado é o que eu chamo o síndroma de Shangri-La (20), milhões de ocidentais que optam por acreditar numa fantasia atraente mas totalmente mitológica, romântica, que nunca existiu.

 

De um modo geral, o Tibete foi autogerido, embora tenha sofrido muitas interferências britânicas e americanas e massacres até meados do século passado. A imprensa ocidental refere-se eufemisticamente à estrutura social do Tibete antes de 1950 como um "sistema feudal" benigno, mas não era assim. Quando Mao entrou para o limpar, o Tibete era uma colónia de escravos. Praticamente todo o povo era literalmente propriedade do Dalai e de outros lamas, o povo estava proibido de possuir terras e trabalhava toda a vida sem remuneração. Os monges de posição mais elevada possuíam cada um, 35.000 a 40.000 escravos.

 

O nível de pobreza no Tibete (fora dos mosteiros) até à década de 1950 não podia ser imaginado pelos ocidentais; teria de ser visto para ser acreditado. Os tibetanos não podiam comprar roupas de tecido, ainda usavam peles de ovelha, como faziam séculos antes. A vida era brutal, dura, e corrupta. A esperança de vida mal chegava aos 30 anos. As raparigas e os rapazes mais bonitos eram confiscados pelos mosteiros para sexo. A educação era proibida a todos menos aos monges, porque a educação era cara e os camponeses educados eram considerados perigosos para o sistema. O Dalai Lama proibiu qualquer desenvolvimento da indústria porque a riqueza da população trazia a independência da religião. Os Lamas, contudo, enviavam os seus filhos para escolas britânicas na Índia, e transferiam livremente os bens financeiros da província para bancos britânicos. (21) (22) Depois de Mao ter decidido que já era mais do que suficiente, a situação no Tibete evoluiu em todos os sentidos.

 

Na China, 99,9% das pessoas acusadas de praticar um crime são condenadas

 

Somos hoje tratados pelos meios de comunicação ocidentais como sendo "o facto" do sistema judicial chinês ter uma taxa de condenação de "pelo menos 99,9%", se não superior, acompanhada de histórias assustadoras de criminosos que confessam sob coacção - certamente a razão para a aparentemente elevada taxa de condenação.

 

Primeiro, a percentagem acima é uma suposição tola e exagerada, é mais uma maneira de difamar a China. Não há nenhuma agência na China que recolha e compare as estatísticas de todos os níveis de tribunais e de todas as cidades, vilas, províncias e condados. Assim, nem mesmo as autoridades legais poderiam dizer-vos as taxas médias de condenação. Pode ser possível para um determinado nível de tribunal de uma única cidade ou vila, mas não a nível nacional.

 

No entanto, para comparação, o número equivalente das taxas de condenação no Ocidente (pelo menos nos EUA e no Canadá) é de cerca de 60%, o número apresentado como indício de "equidade" ou "justiça" no sistema ocidental, mas o que significa essa taxa de condenação ocidental de 60%? Significa que, quase metade de todas as pessoas no Ocidente que são acusadas de um crime, de facto, eram inocentes, mas precisaram da despesa e do trauma de um julgamento criminal para provar a sua inocência. Ou, se quisermos ser teimosos, podemos argumentar do outro lado - que 100% das pessoas acusadas de praticarem um crime eram de facto culpadas, mas que um advogado inteligente e caro lhes permitiu sair em liberdade. Será melhor? Se quiser saber a verdade sobre o sistema da China, pode ler isto: (23)

 

Porque é que os criminosos na China confessam os seus crimes?

 

De acordo com milénios de cultura e tradição, se um ciddadão chinês for detido e culpado de um crime, reage como um homem; confessa, exprime o seu pesar e expõe-se à mercê do tribunal. Ajuda imensamente se a sua expressão de arrependimento for sincera. Mas se tentar mentir, se se recusar a admitir o seu crime e obstruir a investigação, a polícia prendê-lo-á até finalmente adquirir as provas de que necessita e a seguir, os tribunais não lhe concederão misericórdia.

 

Este é o sistema chinês, tal como acontece na nossa em casa, com os nossos filhos, onde confessar é a única atitude inteligente e tentar mentir é cobarde e desprezível. Os ocidentais não conseguem compreender este conceito, os meios de comunicação social referem-se repetidamente a uma "suposta confissão" ou a uma "confissão possivelmente coagida", incapazes de compreender uma cultura onde as pessoas tradicionalmente confessam crimes quando são apanhadas. Assim, a conclusão de que, qualquer confissão na China, deve ter sido forçada ou obtida através de tortura. No Ocidente, com o sistema legal tal como foi criado, confessar um crime provavelmente é estúpido; na China, recusar-se a confessar um crime é absolutamente estúpido. (24)

 

O "Exército dos 50 cêntimos" da China

 

Todos devem conhecer esta história fabricada por David Bandurski, outro judeu, no 'China Media Project', da Universidade de Hong Kong, financiado por George Soros. A história tecida por Bandurski era que o governo chinês tinha 288.000 pessoas empenhadas a tempo inteiro à procura de oportunidades para fazer posts favoráveis à China em qualquer lugar na Internet, com uma recompensa de 0,50 dólares por cada um desses posts. Estas reivindicações foram vistas por centenas de pessoas em toda a Internet, em qualquer plataforma que permitisse comentários, com qualquer comentário favorável à China acusada de fazer parte do exército chinês dos 50 cêntimos. Mas, de repente - num dia - isto morreu, porque nesse dia alguém postou no Facebook uma imagem de um programa há muito existente onde o governo de Israel tinha estado (e ainda estava) a oferecer a todos os estudantes universitários judeus na América, um pagamento de 0,50 dólares por cada post favorável a Israel ou aos judeus.  Bandurski ficou em silêncio e podemos esperar que se mantenha nessa condição. Na realidade, nunca houve um exército chinês de 50 cêntimos, mas houve, de facto, um exército judeu de 50 cêntimos, que ainda hoje existe e que podemos ver na unz.com e em muitos outros locais.

 

A Queda da China

 

"Para mim, a surpresa é como a China conseguiu cair tão mal há 200 anos. Estudar essa ocorrência traria as maiores lições que todos nós podemos aprender". Foram os judeus que destruíram a China, pois estão hoje a destruir os EUA e a Europa. A China conseguiu expulsar todos os judeus e assegurar que, qualquer um que alguma vez regressasse, não teria acesso às funções de criadores da **Administração Pública. Esta é a maior lição que se pode aprender, mas nenhum país ocidental tem, hoje em dia, a independência realizar tais expulsões. O único resultado de tal tentativa de reclamar o controlo do trono seria centenas de políticos mortalmente humilhados e muitos mortos.

 

** Política Pública/Administração Pública é o estudo científico da política das instituições, estruturas e organizações de um país. O estudo das políticas públicas centra-se na análise e explicação das respostas governamentais e não governamentais aos problemas públicos.

 

 

*

A obra completa do Snr. Romanoff está traduzida em 32 idiomas e postada em mais de 150 sites de notícias e de política de origem estrangeira, em mais de 30 países, bem como em mais de 100 plataformas em inglês. Larry Romanoff, consultor administrativo e empresário aposentado, exerceu cargos executivos de responsabilidade em empresas de consultoria internacionais e foi detentor de uma empresa internacional de importação e exportação. Exerceu o cargo de Professor Visitante da Universidade Fudan de Shanghai, ministrando casos de estudo sobre assuntos internacionais a turmas avançadas de EMBA. O Snr. Romanoff reside em Shanghai e, de momento, está a escrever uma série de dez livros relacionados com a China e com o Ocidente. Contribuiu para a nova antologia de Cynthia McKinney, ‘When China Sneezes’  com o segundo capítulo, “Lidar com Demónios”.

O seu arquivo completo pode ser consultado em

https://www.bluemoonofshanghai.com/ e https://www.moonofshanghai.com/

Pode ser contactado através do email:

2186604556@qq.com

 

*

Notas

(1) https://www.moonofshanghai.com/2021/07/en-larry-romanoff-understanding-china.html

Understanding China

(2) https://www.marxists.org/reference/archive/strong-anna-louise/1963/letters_china/forward.htm

How "Letter from China" Grew

(3) https://www.encyclopedia.com/arts/news-wires-white-papers-and-books/strong-anna-louise

Anna Louise Strong

(4) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/en-larry-romanoff-citibank-the-great-gold-robbery-july-07-2021/

Citibank- The Great Gold Robbery

(5) https://www.unz.com/lromanoff/us-silver-purchase-act-of-1934/

US Silver Purchase Act of 1934

(6) https://www.unz.com/lromanoff/a-few-historical-frauds/

A few Historical Frauds, by Larry Romanoff - The Unz Review

(7) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/3234/

China’s 1959 Famine

(8) https://www.unz.com/lromanoff/history-of-chinese-inventions-the-present-and-the-future-recent-chinese-state-of-the-art-innovations/

History of Chinese Inventions. The Present and the Future

(9) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/3442/

China’s High-Speed Trains

(10) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/2143/

Nüshu () - The Language of Women

(11) https://en.unesco.org/courier/2018-1/nushu-tears-sunshine

Nüshu: from tears to sunshine

(12) https://www.unz.com/aanglin/i-dont-know-whos-great-resetting-who-anymore/

I Don’t Know Who’s Great Resetting Who Anymore; See comment #159

(13) https://www.researchgate.net/publication/301666099_Beyond_Jews_of_the_Orient_A_New_Interpretation_of_the_Problematic_Relationship_between_the_Thai_State_and_Its_Ethnic_Chinese_Community

(14) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/the-greatest-intellectual-property-theft-in-history-operation-paperclip-november-16-2019/

The Greatest Intellectual Property Theft in History: Operation Paperclip

(15) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/3761/

Patents, Theft of Intellectual Property (IP), Product Piracy and US-China Relations

(16) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/4646/

Nations Built on Lies; Volume 1 – How the US Became Rich

(16A) https://www.bluemoonofshanghai.com/books/

Books

(17) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/4950/

Nations Built on Lies; Volume 1 – How the US Became Rich; Part 4 -- IP theft and copying

(18) https://www.unz.com/lromanoff/history-of-chinese-inventions-the-present-and-the-future-recent-chinese-state-of-the-art-innovations/

History of Chinese Inventions. The Present and the Future

(19) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/3781/

A Brief Introduction to Tibet

(20) Shangri-la was originally thrust upon the world in the 1933 novel ‘Lost Horizon’ by British author James Hilton https://www.amazon.com/Lost-Horizon-Novel-James-Hilton/dp/0062113720   who described it as a mystical, harmonious valley, gently guided by devoted lamas, the name since becoming synonymous with a mythical earthly but isolated paradise whose inhabitants are virtually immortal. However, Shangri-la really does exist, a charming town in the remote NorthWest of China’s Yunnan Province.

PT -- Shangri-la foi originalmente impingido ao mundo através do romance ‘Lost Horizon’ = ‘Horizonte Perdido’, escrito em 1933 pelo escritor britânico James Hilton https://www.amazon.com/Lost-Horizon-Novel-James-Hilton/dp/0062113720 , que o descreveu como um vale místico e harmonioso, governado sensatamente por lamas dedicados, cujo nome se tornou sinónimo de um paraíso terrestre mítico, mas isolado, cujos habitantes são possivelmente imortais. No entanto, Shangri-la existe realmente - uma cidade encantadora no remoto noroeste da província chinesa de Yunnan.

(21) Anna Louise Strong; Tibetan Interviews, 1959; https://www.marxists.org/reference/archive/strong-anna-louise/1959/tibet/index.htm

(22) T. D. Allman; A Myth Foisted on the Western World, The Nation Magazine; https://shugdensociety.wordpress.com/2010/07/03/a-myth-foisted-on-the-western-world/

(23) https://www.bluemoonofshanghai.com/politics/2847/

Chinese Criminal Confessions

(24) ibid

 

Copyright © Larry RomanoffBlue Moon of Shanghai, Moon of Shanghai, 2022

Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

Larry Romanoff,

contributing author

to Cynthia McKinney's new COVID-19 anthology

'When China Sneezes'

When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis

 

 

CROATIAN  ENGLISH   ESPAÑOL FRANÇAIS  GREEK  NEDERLANDS  POLSKI  PORTUGUÊS EU   PORTUGUÊS BR  ROMANIAN  РУССКИЙ

What part will your country play in World War III?

By Larry Romanoff, May 27, 2021

The true origins of the two World Wars have been deleted from all our history books and replaced with mythology. Neither War was started (or desired) by Germany, but both at the instigation of a group of European Zionist Jews with the stated intent of the total destruction of Germany. The documentation is overwhelming and the evidence undeniable. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

READ MORE