TRANSLATIONS

Will be accepted with gratitude

in all your native languages.

Please send them to: luisavasconcellos2012@gmail.com

Thursday, October 15, 2020

PT -- LARRY ROMANOFF -- Um Olhar Mais Aprofundado sobre a Privatização -- October 10, 2020


 

Um Olhar Mais Aprofundado sobre a Privatização

Por LARRY ROMANOFF – October 10, 2020

ENGLISH  PORTUGUÊS

A privatização é geralmente considerada como a venda da infraestrutura física e social básica de propriedade pública de um país, incluindo aeroportos, ferrovias, geração de eletricidade, portos e assim por diante para empresas privadas, e também incluindo a aquisição da assistência médica e dos sistemas educacionais por empresas privadas com fins lucrativos. Mas, no dicionário dos americanos e de seus amigos banqueiros europeus, a privatização tem um significado ampliado, formando apenas um segmento de um plano geral. Vejamos as partes.

 

A privatização começou, e quase sempre foi executada de mãos dadas com o exército colonial, começando com o do Império Britânico e mais tarde com o dos Estados Unidos. Consistia em uma agressão crua contra as nações mais fracas para permitir que alguns banqueiros europeus e suas empresas multinacionais se apropriassem das cobiçadas riquezas e recursos dessas nações. Escrevi alhures que, no início do século XIX, a United Fruit Company possuía a maior parte da Guatemala, incluindo 70% de todas as terras aráveis, instalações de comunicação, a única ferrovia e o único porto de embarque, e controlava a maioria das exportações do país por meio da propriedade da maioria das grandes corporações. Mesmo assim, o presidente dos Estados Unidos, Coolidge, orquestrou a derrubada do governo da Guatemala quando este se recusou a fazer mais concessões. Esse padrão foi seguido em toda a América Central e do Sul, onde nação após nação viram seus governos substituídos por um ditador brutal financiado pelos EUA, sua infraestrutura roubada, seus recursos saqueados e pilhados, enquanto a população era repetidamente aterrorizada e mantida em abjeta pobreza. No Zaire, os banqueiros e industriais europeus cobiçavam tanto o ouro e os diamantes que usaram a CIA para assassinar outro líder e instalar outro ditador passível de suborno ocidental. As guerras bôeres travadas na África do Sul foram organizadas pelos Rothschilds e outros industriais, usando os militares britânicos para exterminar uma população resistente à colonização e, em seguida, reivindicar os campos de ouro e minas de diamante para si. Todo o lamentável episódio do ópio na China envolveu os judeus Rothschilds, Sassoons e Russells, apoiados pelo poder dos militares britânicos para execução, assim como muitas outras coisas envolvendo a Índia. Pelo menos nos últimos 200 anos, o imperialismo militar produziu enormes lucros e crescimento econômico para os Estados Unidos e incontáveis trilhões em riqueza para um punhado de banqueiros europeus, enquanto mantinha incontáveis nações enterradas na pobreza. Isso foi "privatização" na maior escala que o mundo já viu, envolvendo o roubo em atacado da riqueza e dos recursos das nações mais fracas pela força militar. Duas das farsas mais recentes seguindo esse mesmo padrão são a destruição do Iraque e da Líbia, e pelos mesmos motivos - a 'privatização' dos recursos dessas nações, envolvendo a destruição do país e milhões de mortos, e a "pacificação" da população pelo terrorismo.

Escrevi alhures que o mundo ficaria surpreso ao saber quão comercial foi a invasão americana do Iraque, que as 100 Ordens de Bremer abriram caminho para o controle comercial estrangeiro, permitindo que as multinacionais privatizassem toda a nação, um grau de controle estrangeiro e privado não testemunhado desde os dias da Companhia Britânia das Índias Orientais, controlada pelos Rothschild, e seus tratados de extra-territorialidade. Ao subjugar os militares iraquianos, os EUA e seus amigos banqueiros europeus saquearam o banco central do Iraque de todo o seu ouro e moeda estrangeira, e estabeleceram outro banco central privado baseado no FED e com os mesmos proprietários. Eles fecharam mais de 200 empresas estatais que empregavam mais de 500.000 pessoas e entregaram todos esses setores da indústria a empresas estrangeiras. As leis de Bremer também deram a esse mesmo pequeno grupo interno o poder de comprar tudo e qualquer coisa no Iraque, incluindo toda a infraestrutura física e social, a qualquer preço que escolhessem. Eles atribuíram às companhias petrolíferas estrangeiras pertencentes a essas mesmas pessoas o direito exclusivo de controlar pelo menos 65% das reservas de petróleo do país, tanto para a produção quanto para as vendas, e de determinar a distribuição das receitas e lucros alocados ao Iraque e a eles. As mesmas leis previam uma anuidade perpétua para a Monsanto e a Cargill, proibindo tudo, exceto suas sementes geneticamente modificadas, proibindo o uso de todo e qualquer estoque de sementes naturais. E, claro, todos esses estrangeiros estão isentos de todas as leis e impostos iraquianos. Aproximadamente o mesmo ocorreu na Líbia, com US$ 30 bilhões em ouro confiscados e um banco central privado estabelecido que agora controlaria a oferta de moeda e receita do petróleo da nação.

 

O padrão de privatização por invasão parou após o reinado de Reagan na década de 1980, quando o mundo não aguentava mais as vastas atrocidades perpetradas pelos militares dos EUA e seus amigos banqueiros, embora, como mencionado acima, tenha retornado novamente com o Iraque e a Líbia. Como um substituto temporário, os americanos e seus manipuladores se voltaram para o que Hillary Clinton tão graciosamente chamou de "Promoção da Democracia", que simplesmente envolvia a promoção de revoluções caseiras, instigadas e financiadas pelos EUA, mas contando com a revolução e a guerra civil para instalar governos complacentes. O confisco e o saque de recursos e infraestrutura continuaram como antes.

 

No início de 2015, Eric Zuesse escreveu em um artigo do Washington’s Blog que o plano para um "desmembramento-por-privatização" por atacado da Ucrânia havia sido originalmente elaborado na década de 1990 pelo judeu-americano Lawrence Summers de Harvard, como uma forma de insiders corporativos americanos "comprarem os ativos da URSS por uma bagatela e, assim, lucrar com sua dissolução, tendo planejado o desmembramento massivo de infraestrutura, recursos e ativos industriais em toda a ex-União Soviética". Este é o processo que está sendo executado hoje na Ucrânia, ativos que incluem não apenas infraestrutura industrial, mas os poucos recursos do país, incluindo enormes campos de gás da Ucrânia e, como Zeuss observou, “Gigantes ocidentais do agronegócio estão agora entrando na Ucrânia Ocidental para comprar terras agrícolas ucranianas, que estão entre as mais férteis do mundo”. Foi um empreendimento inteiramente judaico. Ele escreveu que a judia-americana Victoria Nuland, do Departamento de Estado de Obama, escolheu o banqueiro judeu-ucraniano Arseniy Yatsenyuk como a pessoa para assumir o controle da Ucrânia. O plano arquitetado pelo financista judeu George Soros e Obama era privatizar o máximo possível do governo ucraniano por meio de uma venda imediata de seus ativos. Como acontece com todas as outras nações-alvo, os ativos estão sendo oferecidos a apenas alguns licitantes e serão vendidos a preços bem abaixo de seu valor real, assim como ocorreu, por exemplo, com o Royal Mail e as ferrovias do Reino Unido.

 

O FMI e o Banco Mundial estiveram profundamente envolvidos não apenas na guerra, mas também em forçar e financiar a 'privatização' da Ucrânia. Se você precisava de provas de que o FMI é apenas uma fachada capitalista ocidental, aqui está: relatos da mídia revelaram que o FMI ofereceu à Ucrânia um empréstimo de US$ 17 bilhões, que não será reembolsável e resultará na apreensão de infraestrutura em lugar do pagamento, sob a condição de que a Ucrânia concorde em remover todas as restrições à biotecnologia agrícola e, especificamente, permita que a Monsanto venda livremente suas sementes e produtos químicos geneticamente modificados. Essas mesmas empresas também estão manobrando para comprar ou assumir o controle das ricas terras agrícolas da Ucrânia, que por séculos foram o celeiro da Europa Oriental. Esses chamados 'empréstimos' vêm dos mesmos banqueiros europeus privados que têm arquitetado esta vasta aquisição de terras aráveis em muitos continentes, e não constituem assistência financeira sob qualquer medida realista, uma vez que os empréstimos serão pagos aos mesmos banqueiros - com juros - mas a um preço adicional da alienação forçada de ativos nacionais para corporações pertencentes e controladas por esses mesmos banqueiros. Para simplificar, os banqueiros estão dizendo: "Nós lhe emprestaremos fundos de curto prazo sob a condição de que nos venda todos os seus ativos pela metade do valor, após o que você ainda terá que pagar os empréstimos". Como poderia qualquer nação ficar melhor após tal arranjo? E, no entanto, este é precisamente o programa que está sendo executado à força em todo o mundo.

 

Até este ponto, temos dois pilares da casa da privatização: (1) invasão militar direta e subsequente confisco de bens, e (2) destruição de dentro pelo fomento da instabilidade e incitação de revoluções e guerras civis para efetuar a instalação de um líder de governo que permitiria a privatização continuar sem obstáculos. O terceiro, que já discuti em outro lugar, é a imposição, sempre que possível, geralmente pela força, de um banco central privado, uma especialidade dos Rothschilds e amigos, transferindo o controle praticamente total do dinheiro e da economia para um pequeno grupo de abutres internacionais e expondo essas nações a explosões e colapsos econômicos predatórios.

 

Uma quarta forma que se tornou extremamente popular entre os banqueiros no final dos anos 1970 e 1980 envolvia a manipulação da taxa de câmbio do dólar americano e o poder do FED de controlar a liquidez e as taxas de juros. Uma das ferramentas que os países ocidentais usam para despojar o mundo é o controle do dólar americano pelo FED. O FED inunda o mercado de liquidez à medida que o valor do dólar é reduzido em relação a outras moedas, as taxas de juros são empurradas para zero, depreciando ainda mais o dólar e tornando os empréstimos em dólares americanos atraentes para os países em desenvolvimento. Quando os livros de empréstimo estão cheios, eles desligam das tomadas. A oferta monetária é contraída, o dólar é apreciado novamente, as taxas de juros sobem rapidamente, e as nações emergentes repentinamente enfrentam custos impossíveis para pagar os empréstimos em dólares, com suas moedas despencando em relação ao dólar e os custos de juros aumentando substancialmente. Inúmeras nações foram deliberadamente forçadas à inadimplência precisamente por esse método. A maior parte da dívida dessa nação emergente é contraída na premissa (e freqüentemente na garantia) de que o FED continuará a inundar o mundo com liquidez e que o dólar permanecerá baixo, mas essas são sempre promessas vazias. Rússia, Indonésia, Brasil e muitas outras nações sofreram muito com essa vulnerabilidade à traição por parte dos banqueiros ocidentais, causando fluxos maciços de riqueza dessas nações mais pobres para os poucos ricos e, mais especialmente, para os bolsos pessoais de muito poucos banqueiros europeus.

 

Esses banqueiros internacionais conspiram com o FED dos EUA e o Banco da Inglaterra para produzir liquidez, um dólar baixo e taxas de juros baixas, e então encorajam as nações e suas grandes corporações a tomar empréstimos em dólares dos EUA além da capacidade de pagamento da maioria. Quando um número suficiente de vítimas crédulas caem na armadilha, o FED obedientemente aumenta as taxas de juros para níveis impagáveis, com os ganhos em moeda estrangeira dessas nações agora insuficientes para o serviço da dívida, e sua moeda doméstica desvalorizada em até 30% em relação ao dólar, tornando o pagamento impossível. Em seguida, eles trazem o FMI e o Banco Mundial conduzindo uma carruagem de salvação financeira que manterá essas nações permanentemente na pobreza. A Grécia é um bom exemplo atual. Incapaz de pagar sua dívida, o país é forçado a uma reestruturação econômica selvagem, cortando todos os serviços sociais, incluindo educação, saúde e pensões, e realocando esses fundos para o serviço da dívida. Sendo isso insuficiente, a Grécia foi então forçada a vender sua infraestrutura física e de outros tipos, suas terras aráveis, recursos hídricos e outros ativos físicos para os mesmos banqueiros e seus amigos, muito abaixo do valor real, deixando aquele país em miséria quase permanente. Este programa faz parte de um extenso plano detalhado que está em execução há muitas décadas. Com a Grécia, os banqueiros judeus europeus forçaram o país a colocar virtualmente toda a sua infraestrutura pública e ativos públicos em um fundo sobre o qual o governo grego "não teria controle". Então, os banqueiros venderão todos esses ativos para si mesmos por centavos de dólar, e a Grécia terá entrado em uma falência essencialmente perpétua. O país quase não terá ativos, mas ainda será forçado a pagar os enormes empréstimos de "reestruturação" que estarão muito além de sua capacidade de reembolso. Isso significa impostos cada vez mais elevados, o empobrecimento da população e a lenta, mas eventual destruição da sociedade grega.

 

O verdadeiro poder do dinheiro por trás desses empréstimos sempre se escondeu em segundo plano para forçar uma troca de dívida por patrimônio, o que significa que quando um país pequeno não puder pagar seus empréstimos, entregará suas terras aráveis e infraestrutura física aos banqueiros a um preço geralmente muito abaixo de seu valor real. Depois de dar um tempo apropriado para que as economias se estabilizem, repete-se o processo, sendo o FED dos EUA o principal instigador, trabalhando em conjunto com o povo do dinheiro oculto que fornece fundos ao Banco Mundial e ao FMI. O mesmo processo ocorre com as empresas nacionais nesses países, encorajadas a tomar empréstimos em dólares americanos a taxas muito baixas, depois traídas pelos mesmos banqueiros que aumentam arbitrariamente a taxa de câmbio do dólar e as taxas de juros para empurrar essas empresas quase ou à falência. Então, assumem o controle do patrimônio líquido e da propriedade por centavos de dólar. Durante os últimos 50 ou 60 anos, vimos vários incumprimentos nacionais e corporativos, todos vítimas deste processo deliberado de pilhagem dos ativos das nações.

 

É surpreendente ver quão frequentemente a ONU e suas agências, trabalhando com os banqueiros internacionais, conseguem usar os alimentos como uma arma em sua ânsia de manter a disparidade econômica. No início dos anos 2000, o FMI forçou o Malauí a vender suas reservas emergenciais de grãos para pagar as dívidas do país, que eram pequenas na época e não exigiam medidas assim drásticas. De acordo com relatos da mídia na época, "o FMI forçou ainda mais o Malauí a seguir uma política desastrosa de privatização em massa, levando o país à beira da pior fome de sua história". Mais ou menos na mesma época, na Somália, o Programa Mundial de Alimentos da ONU "começou a distribuir toda a ajuda em grãos do ano, justamente quando os agricultores do país traziam suas colheitas ao mercado". Os fazendeiros, é claro, não conseguiram vender seus grãos competindo com o suprimento gratuito e ilimitado deliberadamente programado da ONU. Um ano depois, repetiram o processo, desta vez usando o poder militar recrutado do exército etíope para reprimir a dissidência local. Com essas e outras medidas, a ONU e o FMI conseguiram estirpar completamente o que restava da agricultura doméstica da Somália, deixando a nação para todo o sempre sob as garras dos abutres bancários.

 

Há muito tempo reconhece-se, no mundo em desenvolvimento, que instituições como o FMI e o Banco Mundial são simplesmente um dos meios pelos quais as potências ocidentais controlam suas colônias. As políticas financeiras impostas às nações em desenvolvimento em troca de assistência financeira são precisamente aquelas que infligirão o máximo estrangulamento colonial para impedir essas nações de qualquer progresso econômico ou social possível. São simplesmente instrumentos do poder financeiro imperial, hasteando bandeiras moralistas da liberalização de livre mercado enquanto saqueiam as vítimas. Sob um novo regime internacional de dependência política e financeira, aliado a uma constante ameaça militar, as nações subdesenvolvidas continuam a ser exploradas pelo Ocidente no quadro de um sistema capitalista internacional, "onde é virtualmente impossível para qualquer país se dissociar da estrutura geral". Joseph Stiglitz, economista ganhador do Prêmio Nobel e ex-economista-chefe dissidente do Banco Mundial, o descreve como tendo "causado desastres à Rússia e à Argentina e deixado um rastro de economias em desenvolvimento devastadas para trás". Um artigo do Wall Street Journal afirma que "a gestão (do banco) segue estritamente a teoria desenvolvida pelos países desenvolvidos para os países em desenvolvimento, para que estes não se tornem desenvolvidos".

 

O Banco Mundial e o FMI foram projetados principalmente para pilhar o mundo em desenvolvimento em nome da classe dominante dos Estados Unidos e da Europa, que consiste principalmente de um número muito pequeno de banqueiros e industriais. Os projetos de desenvolvimento do Banco Mundial freqüentemente destroem a cultura e o meio ambiente locais, ao mesmo tempo que fornecem infraestrutura quase gratuita para o lucro adicional de corporações multinacionais sediadas nos EUA. As medidas financeiras exigidas pelo FMI forçam o abandono dos programas de saúde, educação e sociais e permitem que ativos públicos, como infraestrutura, sejam adquiridos por multinacionais e banqueiros americanos ou europeus por uma fração de seu valor real. "O efeito líquido de tudo isso é que, ao contrário do mito cuidadosamente resguardado, as nações em desenvolvimento transferiram muito mais riqueza para os Estados Unidos do que foi transferido para elas, e essa, é claro, é a idéia.” Em seu artigo Empire of Capital, George Monbiot fez observações apropriadas ao observar que essas instituições e os grandes poderes que as controlam forçaram as nações asiáticas a liberalizar suas moedas apenas para que especuladores financeiros como George Soros e o Goldman Sachs pudessem atacá-las. Os americanos lêem sobre a "crise financeira asiática" apresentada como um ato divino acidental, sem que lhes digam que foi deliberadamente planejada e executada. Todas as prescrições do FMI têm como objetivo drenar as nações em desenvolvimento e manter a disparidade de renda. Monbiot escreveu que são instrumentos de poder financeiro para os ocidentais ricos que não terminaram seus controles coloniais até estabelecerem outros meios de subjugação.

 

Não tenho certeza da fonte desta citação, mas vale a pena repetir:

 

“Países fracos são forçados a privatizar seus bens e recursos mais valiosos, sempre a preços de liquidação, impondo assim uma miséria inevitável a todo o mundo subdesenvolvido, cujas populações são pouco mais do que irritantes descartáveis na busca por dinheiro. As histórias são todas semelhantes; banqueiros e seus industriais farejam lucro em uma nação e começam usando o FMI e o Banco Mundial para saquear essas pequenas nações de seus recursos e infraestrutura. Esta é uma indústria tão grande que os Rothschilds europeus aparentemente estabeleceram um banco separado apenas para manter todos os ativos alienados à força dessas nações. Em ocasiões em que a destruição financeira falha, os Estados Unidos, sendo controlados por essas mesmas pessoas e usando seus militares como o exército privado dos banqueiros, usam seu poder militar para abrir as portas e remover todos os obstáculos ao saque desimpedido, na maioria das vezes a custos humanos enormes. Esta marcha à tirania global parece quase imparável.”

 

E não pára com as contas bancárias das nações ou de suas corporações; o povo deve ser saqueado também, processo popularmente conhecido como "austeridade". William Blum colocou a situação precisamente ao escrever: "Foi sob a influência do governo Reagan que o FMI e o Banco Mundial começaram a impor amplamente o pacote de políticas conhecido como ajuste estrutural - incluindo desregulamentação, privatização, ênfase nas exportações, cortes nos gastos sociais - que mergulhou países e mais países no mundo em desenvolvimento na miséria econômica. O chefe do FMI na época foi honesto sobre o que estava por vir, dizendo em 1981 que, para os países de baixa renda, 'o ajuste é particularmente caro em termos humanos'."

 

Os banqueiros não estão apenas dispostos, mas ansiosos, por fazer empréstimos que sabem serem impagáveis e, em seguida, forçar uma "reestruturação" nacional de privatização que lhes permita apreender a infraestrutura básica e milhões de hectares de terra como compensação, e forçar o abandono da maioria dos serviços sociais, incluindo educação e saúde. Nações fracas o suficiente para capitular a essas demandas, e há muitas delas, estão condenadas à pobreza e à escravidão perpétuas na pior tradição colonial. Os que se recusam a capitular são invadidos ou têm seu governo derrubado pela CIA, para instaurar um ditador fantoche que cumprirá com o saque em massa de seu próprio país. Este último ocorreu em mais de 50 nações pobres.

 

Se você lembrar da crise financeira em Chipre há não muito tempo, aquela nação não tinha infra-estrutura suficiente para cobrir a dívida, e tinha escopo insuficiente em termos de corte de serviços sociais, então os banqueiros predatórios exigiram - e receberam - confiscos de contas bancárias da própria população. Todas as contas bancárias individuais foram saqueadas em 30% a 60% de suas posses, para fornecer um pagamento em dinheiro aos banqueiros sobre a dívida do governo. Os banqueiros quase deliraram de alegria, pois conseguiram realizar simultaneamente um objetivo político – o de punir a Rússia mais uma vez. Muitos russos tinham muitos bilhões de dólares armazenados em Chipre, e foram essas contas as especialmente visadas e drenadas – chegando a 90% - com os russos desamparados, uma vez que essa ação foi realizada sob a égide do FMI e do Banco Mundial e, portanto, segundo "o estado de direito".

 

O Dr. Paul Craig Roberts escreveu em um artigo que "A crise econômica grega é o resultado de políticas de austeridade impostas ao povo grego a fim de evitar que os bancos privados tenham perdas em seus empréstimos à Grécia. O objetivo da política de austeridade era estabelecer que o povo grego é responsável pelos erros dos banqueiros, não os próprios banqueiros. A política de austeridade foi criada pela elite a fim de fazer com que as pessoas comuns cobrissem as perdas dos banqueiros aceitando cortes nas aposentadorias, empregos, serviços públicos e vendessem ativos públicos a preços de barganha aos clientes dos bancos. Os empréstimos do FMI e os programas de condicionalidade são o mecanismo pelo qual os países são saqueados. Nenhum país jamais se beneficiou de um programa do FMI, apenas os credores do país se beneficiam." Ele observou que um dos resultados esperados seria uma revolução e derrubada do governo que vendeu o povo grego, para ser substituído por um oligarca nomeado pelos banqueiros, como aconteceu em outras nações. Roberts também observou que, no início da crise econômica, a Igreja Ortodoxa Grega sofreu ataques violentos da mídia ocidental, em retaliação pela defesa vocal dos pobres pela Igreja.

 

Algo semelhante ocorreu com a Irlanda, onde esses mesmos banqueiros europeus aterrorizaram tão eficientemente o governo irlandês que este assumiu toda a responsabilidade pelas perdas desses banqueiros, garantindo o reembolso do enorme passivo bancário pelo erário público. Em outras palavras, o governo irlandês prometeu extrair da população as muitas dezenas de bilhões de dólares necessárias para cobrir as perdas dos banqueiros internacionais. Se o povo da Irlanda entendesse realmente esse evento, teria ocorrido uma revolução popular e os políticos irlandeses teriam sido enforcados nas ruas.

 

Portanto, agora temos quatro pilares da casa da privatização: (1) invasão militar direta, (2) derrubada interna do governo externamente incitada e financiada, (3) a imposição de um banco central privado e (4) empréstimos de banqueiros, feitos diretamente ou através dos serviços do Banco Mundial e do FMI, e por meio da manipulação do dólar e das taxas de juros pelo FED.

 

Um quinto pilar, impulsionado de forma menos óbvia, mas com a mesma seriedade, pela ganância dos banqueiros, depende para o seu sucesso da conexão perniciosa entre o capitalismo neoliberal e a moralidade cristã americana, que prega que nenhum estado tem qualquer papel legítimo a desempenhar em qualquer coisa que possa produzir minimamente um fluxo de receita. Nesse sentido, as empresas estatais da China são uma abominação aos olhos de Deus e, para evitar a retribuição divina, devem ser imediatamente vendidas ao Goldman Sachs e à Blackstone. Em nome do "incremento à competição", é claro. Este novo capitalismo não é apenas anti-social, mas imperioso ao ponto de ser brutal, com os americanos e seus amigos banqueiros virtualmente exigindo que todas as nações vendam sua infraestrutura física, geralmente a 50% ou menos de seu valor real, sobre a teologia moral de que um direito inerente da empresa privada é eliminar o envolvimento do governo em qualquer coisa que possa gerar lucro. A retórica depende fortemente de uma moralidade judaico-cristã fabricada e cruelmente distorcida, distorcida ao apresentar-se como 'a coisa certa a fazer'. Pressões políticas e militares aparecem também, para convencer as nações de que se recusar a vender seus ativos aos abutres justificará sanções econômicas severas e/ ou uma possível invasão. Foi essa filosofia que forçou a venda das ferrovias da Grã-Bretanha, do Royal Mail e muito mais para esse pequeno grupo. Este liberalismo capitalista judaico-cristão é responsável pela venda de todos os aeroportos do Canadá e pelo aluguel de suas rodovias com pedágio, e pelas privatizações massivas nos Estados Unidos, que incluem de tudo, desde prisões a escolas.

 

Há um sexto pilar que não costumamos associar a uma imagem de privatização, mas é muito importante de toda forma, e consiste no que vemos como fusões e aquisições de empresas proeminentes em países não ocidentais. Este aparece superficialmente como o menos maligno, mas tem os mesmos objetivos que os outros - que é o controle econômico total de uma economia. Esta é a razão pela qual as multinacionais americanas, em particular, são extremamente predatórias por natureza, procurando e comprando todas as marcas nacionais importantes em todas as nações e matando-as. O objetivo final é fazer com que esses mesmos pequenos grupos de banqueiros e industriais controlem toda a capacidade industrial significativa de uma nação, de alimentos a produtos de higiene pessoal, de automóveis a produtos de consumo. Como já observado, o controle de cerca de 30% da participação de mercado de um produto é suficiente para controlar os valores culturais desse produto e, portanto, a participação de mercado se traduz em dominação cultural e comercial. Sentados em nossas casas e escritórios, raramente percebemos isso. Lemos sobre uma empresa estrangeira comprando um grande concorrente nacional e pouco pensamos nisso. Lemos sobre um Goldman Sachs e amigos comprando os maiores fornecedores de carne da China ou algum 'fundo de cobertura' comprando o controle de praticamente toda a produção e distribuição de óleo de cozinha na China. Vemos uma Proctor & Gamble comprando e matando dezenas de marcas chinesas preciosas, ou uma Coca-Cola ou Pepsi fazendo o mesmo e alcançando uma fatia de mercado dominante no processo, mas vemos isso como eventos desconectados e não vinculamos todos os pequenos pontos. Mas eles não estão desconectados; o grupo de pessoas por trás dessas compras, fusões e aquisições corporativas não é grande, e consiste principalmente e muitas vezes exclusivamente, precisamente dos mesmos banqueiros responsáveis pela destruição do Iraque e da Líbia, e pelas crises financeiras em países como a Grécia. São os mesmos responsáveis pelas atuais sanções econômicas à Rússia e pelo golpe na Ucrânia, e pelos mesmos motivos.

 

Portanto, os pilares (5) e (6) acima consistem no despojo 'voluntário' de ativos públicos e privados para este mesmo grupo de vampiros da privatização. Quando este programa de privatização chegar à sua conclusão final, a propriedade do banco central de uma nação, toda a sua infraestrutura física significativa, a maior parte de suas terras aráveis, sua infraestrutura social, incluindo saúde, educação e serviços sociais, e todos os seus empreendimentos comerciais significativos, serão todos de propriedade benéfica do mesmo pequeno grupo de banqueiros e industriais internacionais. Esse é o plano de longo prazo, mas esse plano tem uma fraqueza: os vampiros podem possuir tudo de valor comercial em um país, mas o governo ainda mantém o controle final por meio de seus poderes de legislação, regulamentação e tributação. Não basta ter um negócio lucrativo se um governo tributar todos os meus lucros, nem basta possuir todos os aeroportos e ferrovias se o governo estabelece as tarifas e os horários. Para um país descartável (leia-se: não branco), podemos sempre recorrer à invasão militar, e para as nações mais importantes, aquelas muito grandes e poderosas para invadir facilmente, podemos citar a Bíblia, usar pressão política, diplomática e militar, aplicar sanções econômicas, tentar incitar a agitação civil e promover motins, revoluções e guerras civis e, talvez, por fim, conseguir o que queremos.

 

Mas a última categoria, aquelas nações que supostamente são nossas amigas, apresentam um problema difícil. Como lidamos com um Canadá, uma Austrália, um Japão, uma Grã-Bretanha ou uma Itália, se não querem vender suas almas para nós? E esta é a razão pela qual a Parceria Transpacífica (TPP) e a TTIP europeia são tão importantes. Esses acordos, apresentados como acordos comerciais, não o são e apenas uma pequena parte de seu conteúdo diz respeito ao comércio em qualquer sentido. O que são, são transferências de soberania, uma forma de obter das nações 'amigas' por subterfúgio aquilo que não pode ser obtido por negociação direta e que os banqueiros (pelo menos temporariamente) não desejam obter por meio da força militar.

 

Em um artigo do Huffington Post no início de 2015, Robert Kuttner escreveu perfeitamente "a chamada Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) não é realmente um acordo comercial, mas uma série de medidas destinadas a promover uma maior desregulamentação de proteções econômica, financeira, sanitária, laboral, de segurança, de privacidade e ambiental em ambos os lados do Atlântico. A TTIP foi projetada por corporações para enfraquecer o trabalho e o governo." A questão central nessas chamadas parcerias é o procedimento de Resolução de Controvérsias entre Investidores e Estados (ISDS), em que nações soberanas (aqueles que assinam os documentos) abdicam voluntariamente de sua soberania sobre praticamente todos os direitos comerciais, sociais e de propriedade a um corpo extrajudicial internacional com 'juízes' nomeados pelos mesmos vampiros a que tenho me referido. Quando uma nação assina esses documentos TPP, ela livremente cede a maior parte de seu poder judicial a um terceiro invisível, que tem apenas os interesses dos banqueiros internacionais em seu coração. O ISDS substitui e ultrapassa até mesmo a suprema corte de uma nação. Suas decisões são finais e cada nação signatária dos acordos deve obedecê-las. O ISDS é essencialmente um sistema judicial supranacional totalmente separado e completamente novo que, como a OTAN, não se reporta a ninguém além da cabala secreta dos banqueiros europeus que o criaram. Em todos os países, este tribunal terá poder judicial absoluto, acima dos tribunais das nações.

 

Agora, os governos fracos que vendem sua infraestrutura para proprietários privados terão efetivamente perdido seus poderes de 'legislação, regulamentação e tributação', uma vez que o tribunal TPP pode invalidar o governo local e forçá-lo a drenar tanto a sua própria conta bancária quanto a do público, para pagar aos banqueiros e industriais internacionais todo o dinheiro que teriam ganhado se não houvesse nenhum governo local para impedir sua ganância. Se um país quiser legislar a proibição do fumo, terá de pagar a essas empresas todo o dinheiro que ganhariam com a venda de tabaco se não houvesse governo. Isso está de fato acontecendo com a Austrália e outras nações hoje. Leis nacionais para proteger os cidadãos em áreas como segurança alimentar, meio ambiente ou saúde, irão automaticamente incorrer em enormes custos de reembolso aos capitalistas neoliberais que têm seus lucros diminuídos com essas leis. O Guardian do Reino Unido observou em um artigo que “Países como República Tcheca, Eslováquia e Polônia, que têm acordos comerciais que incluem esse tipo de relação investidor-Estado, foram processados 127 vezes e perderam o equivalente monetário que poderia empregar 300 mil enfermeiras por um ano”. Sob esse sistema, as nações não seriam mais Estados soberanos, mas meramente vassalos controlados dos banqueiros internacionais.

 

No início de 2015, a Reuters relatou que banqueiros de investimento europeus estavam em êxtase com as decisões aparentemente solícitas do governo da Austrália de vender grande parte da infraestrutura "para pagar dívidas", itens que incluíam portos, rodovias com pedágio, redes de eletricidade e estações geradoras e muito mais. Certamente o público australiano não está ciente desta iminente calamidade, mas parece não ter ocorrido aos políticos do país que uma alienação única de ativos muito abaixo do valor de mercado deixará o país não apenas temporariamente livre de dívidas, mas também perpetuamente livre de ativos, sem falar no aumento perpétuo das despesas públicas para subsidiar os inevitáveis cortes nos serviços e o aumento dos preços que logo estarão além da capacidade de apoio, tanto do público em geral como de suas empresas. Realmente nos perguntamos o que essas pessoas pensam, se é que realmente pensam, e que tipos de pressão, dinheiro ou propaganda levaram a essas decisões.

 

Em um discurso em 1983, Jacob Rothschild afirmou que, no futuro, haveria "Dois tipos de instituições, a empresa de serviços financeiros mundial e o banco comercial internacional de competência comercial global". George Ball, subsecretário de Estado de Kennedy e Johnson e executivo do banco Lehman Brothers, afirmou que, em última análise, haveria sérios conflitos entre a visão de Rothschild de corporações multinacionais mundiais (todas de propriedade dos bancos) e os Estados-nação. Ball disse,

 

"A Empresa Multinacional é um conceito moderno desenvolvido para atender às exigências da era moderna. O Estado-nação, uma ideia muito antiquada, está mal adaptado para atender às necessidades de nosso complexo mundo atual."

 

E aqui estamos. Os banqueiros internacionais pretendem substituir a nação ou o estado "antiquados" por seus TPP e ISDS supranacionais, ambos responsáveis perante ninguém além desses banqueiros, totalmente fora do alcance de governos, leis ou populações nacionais e, eventualmente, impostos pelo poder militar da OTAN quando os EUA se tornarem descartáveis. Os governos que assinam esses tratados estão entregando de bom grado praticamente a sua soberania nacional inteira a esses poucos banqueiros europeus, e o fazem sem o conhecimento do povo. Esta é a morte da religião da democracia, a remoção do último vestígio de influência pública sobre o governo, mas poucos parecem perceber isso.

 

George Monbiot escreveu que "Pós-democracia refere-se à nossa política em que as velhas estruturas, como eleições e parlamentos, permanecem de pé, mas não são habitadas pelo poder político. O poder foi transferido para outros fóruns não receptivos ao desafio público: "pequenos círculos privados onde as elites políticas negociam com lobbies corporativos". Ele também afirmou um ponto muito importante, que a criação dessas agências supranacionais "não reduz ou elimina o poder do Estado, (mas) o transfere do controle civil para o corporativo". Em outras palavras, os governos nacionais transferirão a maior parte de seu poder para um pequeno grupo de banqueiros internacionais cujos nomes nem mesmo sabem e cujos objetivos finais não têm a imaginação cínica para conceber. Rob Urie escreveu no Counterpunch que não se entende amplamente que as mudanças recentes na economia política ocidental "poderiam ser melhor descritas como um golpe neoliberal (fascista) ... dando autoridade de tomada de decisão civil a agências supranacionais". Alguém escreveu que "Esta concentração de poder privado invisível a um ponto em que é mais forte do que os estados-nação é fascismo", o que o professor de governança Colin Crouch definiu como "pós-democracia em sua forma mais pura". Novamente, fascismo puro como previsto por Alexander Tytler e outros, que afirmaram que a democracia sempre desmorona em fascismo por sua vulnerabilidade ao controle externo pelos ricos, poderosos e gananciosos.

 

Voltemos por um momento à nossa lista desses pilares da privatização. Temos: (1) invasão militar direta, (2) golpe incitado externamente, (3) banco central privado, (4) empréstimos bancários manipulados, (5) alienação voluntária de ativos públicos e (6) alienação voluntária de ativos privados.

 

Freqüentemente ouvimos falar de despojos da categoria (6), a aquisição de grandes empresas nacionais por estrangeiros, definida simplesmente como 'fusões e aquisições', sem nunca darem detalhes suficientes sobre o contexto dessas aquisições ou suas consequências de longo prazo. Para nós, uma Proctor & Gamble ou uma Pepsi compra outro detergente ou marca de cola líder mundial, mas não vemos motivo para preocupação. Nunca ouvimos sobre os eventos que levaram ao que pode ter sido uma aquisição extorsiva e desonesta, nem ouvimos falar dessas marcas sendo silenciosamente mortas e milhares de pessoas desempregadas. Ninguém nos conta os eventuais efeitos do aumento dessa participação de mercado sobre a sociedade-vítima ou sobre o ambiente comercial, e em nenhum lugar encontraremos os nomes dos beneficiários finais desses eventos.

 

Às vezes ouvimos sobre despojos de categoria (5) - a venda de ativos públicos - por exemplo, a recente venda do Royal Mail da Grã-Bretanha para um grupo desses investidores "privados", mas quase sem informações de fundo, exceto algumas reclamações temporárias de que os ativos foram vendidos a 50% do seu valor. Não se fornece qualquer informação sobre como os políticos foram coagidos a vender ativos nacionais vitais a preços às vezes ridículos, como aconteceu com a rodovia com pedágio mais movimentada do Canadá, a 10% de seu custo. Nem nunca recebemos os resultados negativos dessas compras em um contexto que permitiria uma avaliação inteligente da magnitude desses crimes - e são crimes, não se engane. O sistema ferroviário da Grã-Bretanha não apenas foi vendido muito abaixo de seu valor intrínseco, mas os novos proprietários conseguiram que os políticos fornecessem subsídios públicos maciços de bilhões de dólares para o que agora eram empresas privadas. Então, depois de sugar bilhões do erário público ao mesmo tempo em que canibalizavam a empresa ferroviária privada à falência, ela foi vendida de volta ao governo do Reino Unido e, uma vez refinanciada e colocada em uma base sólida, foi "privatizada" novamente, dando aos nossos vampiros outro passe livre. Nem nunca recebemos avaliações detalhadas dos enormes aumentos nas tarifas e reduções no serviço que inevitavelmente seguem esses despojos. Se todas essas informações pertinentes fossem apresentadas ao público de uma só vez e de forma compreensível, veríamos uma revolução antes do amanhecer e mais do que alguns políticos (e banqueiros) seriam presos ou pendurados na árvore mais próxima.

 

Ocasionalmente, ouvimos sobre privatizações de categoria (4), resultantes de traições de banqueiros, mas apenas nos mais breves termos gerais. A mídia contém alguns relatos de programas de privatização impostos às nações, aparentemente para pagar os empréstimos pendentes, mas nunca com qualquer detalhe sobre a infraestrutura ou as corporações envolvidas nessas alienações. Nunca nos fornecem números sobre os valores reais dos ativos alienados, nomes dos licitantes, o processo de licitação, os preços reais pagos ou os nomes dos compradores. Tal como acontece com a categoria (5), nunca tomamos conhecimento dos preços de liquidação, dos subsídios subsequentes e das reduções no serviço. Também nunca sabemos os nomes dos banqueiros nos bastidores que forçam esses despojos, nem nunca conhecemos os termos em que obtêm esses ativos, e quase nunca sabemos exatamente quais ativos foram despojados dessas nações vitimadas. E quando ficamos sabendo dessas privatizações de categoria (4), a situação nos é descrita como análoga a alguém em dívida com seu banco, sem dinheiro imediato para pagar o empréstimo, que vende um segundo carro de que realmente não precisa, e salda as contas. Nada poderia estar mais longe da verdade. Os ativos exigidos pelos vampiros são aqueles de maior valor e maior fluxo de receita de longo prazo, e quase sempre os mais críticos para a manutenção da soberania e para o desenvolvimento econômico de uma nação - itens como os sistemas de transporte e de comunicações, por exemplo - sem os quais uma nação não pode se desenvolver, mas cujo desenvolvimento está agora inteiramente nas mãos de um abutre estrangeiro desinteressado no desenvolvimento local, mas na extração máxima de riqueza desse país. Conseqüentemente, pobreza perpétua para a população e riquezas incalculáveis para o banqueiro.

 

Devido ao excessivo controle midiático por esse mesmo grupo de pessoas, a percepção pública desses despojos de categoria (4) é muito falha e excessivamente obscura, sem relação com sua realidade extraordinariamente criminosa. Muitas vezes ocorre que uma nação, como a Grécia hoje, praticamente falida por esses banqueiros predadores, será forçada a se desfazer de sua infraestrutura e outros ativos nacionais, não por meio de qualquer processo de licitação, mas simplesmente em um arrebatamento pelos banqueiros envolvidos, que compartilham amplamente as riquezas com amigos não relacionados ao processo. Na verdade, com a Grécia, os banqueiros exigiram que o governo colocasse mais de $50 bilhões dos ativos públicos mais valiosos do país em um 'fundo fiduciário' que estava "inteiramente fora do alcance" do governo grego. Esses mesmos banqueiros, então, tomarão posse desses ativos por uma pequena fração de seu valor, não tendo o governo grego autoridade para intervir, nem exigir um preço justo, nem mesmo saber o resultado final. O banqueiro não está apenas exigindo que o devedor venda seu carro diretamente ao banqueiro em vez de no mercado aberto, mas a preço de liquidação e exigindo ainda que o devedor venda sua casa e outro carro para algum dos amigos próximos do banqueiro. Os bens confiscados por meio desse processo geralmente incluem coisas que não esperávamos, como vastas extensões de terra arável e a propriedade de aquíferos. Você pode ver o plano por trás disso: por meio de uma sucessão de duas ou três dessas crises de categoria (4), uma nação subdesenvolvida pode encontrar a maior parte de suas terras aráveis permanentemente nas mãos de um pequeno grupo de predadores que controlarão perpetuamente a maior parte do suprimento de alimentos dessa nação. Esse é o preço que os países pagam por negociar com o Banco Mundial e o FMI.

 

Quase nunca somos informados sobre o pilar (3), a imposição de um banco central de propriedade privada e estrangeira, embora existam em muitos países, todos pertencentes às mesmas famílias de bancos judeus europeus como os Rothschilds. Muitos, como no Iraque e na Líbia, foram impostos à força sobre um país vencido, tão esgotado por uma recente 'guerra de libertação' que não tem capacidade de resistir. Coincidente com a criação desse novo banco está o saque de todo o ouro e divisas do antigo, mas essa informação quase nunca chega aos ouvidos do público, e o público na maioria dos casos não tem conhecimento para considerar a farsa que isso representa. No caso do Iraque e da Líbia, os bancos centrais existentes foram saqueados em cerca de US$ 30 bilhões cada um apenas em ouro, sem falar do saque perpétuo que agora será possível pelos proprietários dos novos bancos. Mesmo em um 'protetorado' como a Ucrânia, o primeiro passo desses banqueiros foi esvaziar o tesouro da Ucrânia dos US$ 25 bilhões em ouro que continha, levados para "custódia" e nunca mais vistos. Esses banqueiros não estavam protegendo a Ucrânia da Rússia; estavam preparando-a para ser saqueada.

 

Para completar este resumo, nunca nos informam da existência, muito menos das circunstâncias, de despojos de privatização das categorias (1) e (2), aquelas resultantes de agressão militar (guerras de libertação) ou derrubadas de governo externamente incitadas e financiadas, mas o saque aqui é realmente surpreendente. Os perpetradores desse vasto programa de "privatização" não são apenas ambiciosos e pacientes, mas se dedicam a um planejamento de extremo longo prazo. Este processo está em operação e execução há 100 anos ou mais. Mencionei anteriormente que há 100 anos a United Fruit Company dos EUA possuía a maior parte da Guatemala, incluindo 70% de todas as terras aráveis, as instalações de comunicação, a única ferrovia e o único porto de embarque, e controlava a maioria das exportações do país por meio da propriedade da maioria das principais corporações. Forneci algumas informações acima sobre o Iraque e as leis todo-poderosas de Bremer, que deram a esses banqueiros o controle perpétuo de praticamente todos os setores da economia iraquiana, e algumas informações sobre o que outros chamaram de 'desmembramento' da Ucrânia. Isso é o que aconteceu em cada uma das mais de 50 nações onde os banqueiros usaram os militares dos EUA como sua ferramenta de conquista econômica, mas as verdades amargas do desmembramento econômico quase nunca chegam ao público, a razão para tal é que a liberdade de expressão está disponível apenas para quem segura o microfone, e essas mesmas pessoas seguram o microfone.

 

A família George Bush comprou 300.000 acres de terra no maior aquífero da América do Sul (e do mundo), que corre sob Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. Durante uma suposta missão ao Paraguai para a UNICEF, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Jenna Bush, filha de George Junior, comprou 100.000 acres em 2006, aparentemente com o envolvimento do Departamento de Estado dos EUA, a embaixada local dos EUA, e negociou diretamente com o presidente fantoche. A razão pela qual isso assume importância é que muitos estão alertando que as futuras batalhas não serão travadas pelo petróleo, mas pela água. Outra razão é que esses mesmos banqueiros e seus amigos, em parte através da Nestlé, declararam que "a água não é um direito humano", que é "um credo extremo" pensar que os humanos têm direito à água e que a água potável é “matéria-prima e insumo” que deve ser “privatizada e comercializada”. O presidente e ex-CEO judeu da Nestlé, Peter Brabeck, causou uma grande explosão na Internet quando circulou um vídeo no qual fazia essas afirmações. A reação foi tão severa que ele acabou suavizando suas declarações públicas, mas não devemos esperar que sua filosofia mude. A conclusão do vídeo exibia um segmento de uma das operações da fábrica da Nestlé que pretendia nos levar a acreditar que devemos saudar o grupo Nestlé como o salvador da humanidade, enquanto planejam obter a propriedade do abastecimento mundial de água potável.

 

Vamos dar uma olhada em Madeleine Albright, a mulher que detém o Recorde Mundial do Guinness como a mais prolífica assassina de bebês da história do mundo. Ela também esteve profundamente envolvida - com alguns amigos judeus próximos - na destruição da Iugoslávia, tendo fortemente promovido, planejado e organizado o bombardeio da Sérvia. Madeleine e seus associados na Casa Branca planejaram 78 dias de bombardeios ininterruptos nas cidades e na infraestrutura da Sérvia, a mais longa campanha de bombardeio contínuo da história do mundo. A Federação Iugoslava se dissolveu em uma invasão de morte e miséria, limpeza étnica e brutalidades incontáveis pela coalizão ocidental liderada pelos Estados Unidos. Claro, em meio a todo o caos, também se tornou um candidato prioritário à privatização. Como parte do processo, separaram o Kosovo da Sérvia, sendo o Kosovo um minúsculo pedaço de terra, um nada em si, mas tendo uma das localizações mais estratégicas de toda a Europa do ponto de vista geopolítico americano. Permitirá aos EUA controlarem as rotas potenciais de oleodutos e gasodutos para a UE a partir do Cáspio e do Oriente Médio, além de garantir o controle da CIA do comércio multibilionário de heroína, uma vez que o Kosovo e a Albânia têm sido, por décadas, as principais rotas de trânsito de heroína para a Europa.

 

O envolvimento de Albright na destruição da Sérvia e na excisão de Kosovo foi um tópico sensível que a Casa Branca tentou arduamente enterrar, mas que se tornou público e bastante polêmico quando revelou-se que a empresa estatal de telecomunicações e correio de Kosovo estava sendo  pressionada a uma "privatização" forçada, e que a firma de investimentos de Albright, Albright Capital Management, estava se apropriando dela, um ativo estimado pela Bloomberg Businessweek em quase 800 milhões de dólares americanos. Como observei anteriormente com Julia Tymoshenko na Ucrânia, os empregos no governo dos EUA pagam mesmo muito bem. Albright também é uma co-investidora com Jacob Rothschild e George Soros em uma empresa de investimentos de $350 milhões, que planeja adquirir milhares de torres de telefonia móvel na África. Podemos nos lembrar de George Soros como a pessoa que financiou do próprio bolso o julgamento em tribunal arbitrário de Slobodan Milosovic, presidente da Sérvia, que os banqueiros judeus internacionais queriam morto, e tiveram sucesso por meio do chamado Tribunal Penal Internacional. Albright também fundou o Albright Group, uma empresa de "consultoria em estratégia internacional" com sede em Washington, sendo a Coca-Cola e a Merck Pharmaceutical dois de seus clientes.

*

 

Larry Romanoff é um consultor administrativo e empresário aposentado. Ocupou cargos executivos seniores em empresas de consultoria internacionais e foi proprietário de uma empresa internacional de importação e exportação. Tem sido professor visitante na Universidade Fudan de Xangai, apresentando estudos de caso em assuntos internacionais para classes sênior de MBA executivo. O Sr. Romanoff mora em Xangai e atualmente está escrevendo uma série de dez livros em geral relacionados à China e ao Ocidente.


Larry Romanoff é um dos autores que contribuíram para a nova antologia COVID-19 de Cynthia McKinney, "When China Sneezes".


 


A fonte original deste artigo é Moon of Shanghai

Copyright © Larry RomanoffMoon of Shanghai, 2020

Tradutor: Leonardo