Tuesday, February 16, 2021

PT -- LARRY ROMANOFF -- A Corporação Criminosa Psicopática Chamada América -- November 05, 2020

 

 

 


A Corporação Criminosa Psicopática Chamada EUA


Por Larry Romanoff, November 05, 2020



Apresentei em artigos anteriores algumas evidências da fundamental criminalidade das corporações americanas, com apenas uma breve introdução à criminalidade do governo dos Estados Unidos e das "pessoas invisíveis" de Bernays que o controlam nos bastidores. Este último assunto é muito extenso para ser tratado de forma adequada aqui, mas os artigos posteriores desta série serão dedicados em parte aos crimes cometidos doméstica e internacionalmente pelo governo dos Estados Unidos e suas agências. Estes incluem muitos eventos surpreendentes que são genuínos e bem documentados, mas que foram totalmente apagados dos livros de história e da consciência pública americana e, portanto, desapareceram da consciência do mundo. É hora de trazê-los de volta à tona. Isso é importante porque as corporações transnacionais americanas estão seguindo o roteiro escrito para elas pelo governo dos Estados Unidos e seus mestres-fantoches. No momento, fornecerei alguns detalhes para fazer uma observação sobre os vínculos estreitos entre os dois setores.

Vários anos atrás, Jim Kouri relatou um estudo do FBI que afirmava:

 

"... traços de caráter exibidos por assassinos em série ou criminosos podem ser observados em muitos na arena política. Eles compartilham as características de psicopatas, que não são sensíveis a apelos altruístas, como simpatia por suas vítimas ou remorso ou culpa por seus crimes. Eles possuem os traços de personalidade de mentira, narcisismo, egoísmo e vaidade. Estas são as pessoas a quem confiamos nosso destino. É de se admirar que os EUA estejam falhando em casa e no mundo todo?"

 

O ponto importante é que aqueles "dentro da arena política", ou seja, presidentes, vice-presidentes, secretários de Estado, secretários de defesa, funcionários da Casa Branca e muitos senadores e congressistas americanos exibem muitas ou a maioria das características de psicopatas criminosos e assassinos em massa. Eles poderiam ter incluído muitos executivos corporativos nessa declaração e, de fato, a arena corporativa é a principal fonte dos psicopatas necessários para povoar a Casa Branca e o Congresso, os Departamentos de Estado, Defesa e Comércio. O governo dos Estados Unidos da América sempre foi uma empresa criminosa, governada na maioria das vezes por bandidos e assassinos psicopatas genocidas. Por mais ultrajante que soe para o ouvido ocidental, isso se encaixa em todos os fatos e acaba por ser a verdade defensável. Os americanos certamente vão querer declarar indignação, e atribuir tais acusações a um viés "antiamericano" radical, mas as declarações são baseadas em fatos. Evidências das atrocidades do governo dos EUA não são difíceis de encontrar. 

Considere Donald Rumsfeld e Dick Cheney, respectivamente secretário de Defesa e vice-presidente de George Bush, dois dos humanos mais selvagens e malignos que já amaldiçoaram a terra. Rumsfeld fora presidente da empresa farmacêutica Searle e Cheney, CEO da Halliburton, de serviços de poços petrolíferos. Onde você acha que essas duas estrelas pustulentas da vida política americana adquiriram seu talento como assassinos patológicos? Como você imagina que foram induzidos a conceber e construir a maior rede de instalações de tortura da história do mundo? Você acha que eles se juntaram ao governo dos Estados Unidos e foram tão corrompidos pela experiência que se tornaram criminosos insanos? Você sabe que isso não aconteceu. Rumsfeld e Cheney eram psicopatas e assassinos em massa muito antes de se tornarem os chefes da "maior democracia do mundo", e eram valorizados pelo governo justamente por causa desses 'talentos'. Eles não receberam altos cargos no governo dos Estados Unidos apesar de suas tendências criminosas, mas por causa dessas tendências. A partir desse único exemplo entre centenas que poderia citar, você pode começar a avaliar a malignidade sociopática que permeia e é compartilhada tanto pelos corredores de poder do governo americano quanto pelos das multinacionais americanas.

Eu acrescentaria a isso um insight obtido através de longa exposição ao mundo corporativo, de que as tendências sociopatas aumentam em relação direta com os degraus da escada corporativa. Ou seja, quanto mais alto um homem (ou mulher) sobe em posição e responsabilidade corporativa, mais pronunciadas são suas características anti-sociais, psicopáticas e sociopatas. Isso é tão verdadeiro que a promoção aos níveis mais elevados se torna cada vez mais impossível sem essas tendências. E isso significa que em grande parte os executivos seniores de grandes corporações são criminosos fundamentalmente patológicos, sociopatas arrogantes movidos pela ganância. Pode parecer uma declaração chocante para muitos leitores, mas é uma verdade defensável.

Considere Steve Jobs, ex-Apple. Deixe de lado por um momento seus sentimentos Hello Kitty por Steve, o 'designer inovador do iphone' e considere Steve 'o sociopata ganancioso'. Não há muitos de nós sem empatia pelo 1,5 milhão de jovens da Foxconn que recebem migalhas para montar iphones e viver em um ambiente de campo de concentração, onde passam por tanta pressão que estavam  cometendo suicídio. Essa situação é um reflexo direto da personalidade e do caráter de Steve Jobs, e não adianta se iludir e acreditar no contrário. No meu artigo sobre o marketing do leite para bebês da Nestlé, observei que, para os executivos da Nestlé, não era intenção deles matar bebês, mas que simplesmente não ligavam se os bebês morressem. Foi exatamente o mesmo com Steve Jobs; ele não queria que aqueles jovens se matassem; ele simplesmente não se importava. Você ou eu naquela posição ordenaríamos à Foxconn que reduzisse a pressão e pagasse aos trabalhadores um salário adequado, uma atitude originada de humanidade básica. Steve Jobs, com $200 bilhões parados, mais bilhões em sua conta bancária pessoal, não fez tal coisa. Ele certamente sabia da situação e inquestionavelmente tinha o poder de mudá-la por meio de uma simples ordem aos proprietários da Foxconn e um acordo para pagar custos mais elevados pela fabricação de seus produtos. Steve Jobs fez uma escolha deliberada de não fazer isso. E Tim Cook também.

Os executivos da Nike, KFC, McDonald's e muitos outros são iguais. Os da Coca-Cola e da Nestlé são piores. Você leu sobre as empresas farmacêuticas que são talvez as piores de todas. Nestas últimas é exatamente como descrevi acima: criminosos fundamentalmente patológicos, sociopatas arrogantes movidos pela ganância. É claro que nos corredores do poder corporativo encontraremos algumas exceções, mas não muitas; a maioria dos executivos corporativos de alto nível se encaixa perfeitamente no molde psicopático. Eles não têm simpatia por suas vítimas; eles não sentem culpa ou remorso por suas ações. Eles são moralmente falhos a ponto de sua única medida ser o dinheiro. É por isso que a General Motors e a Ford decidiram não fazer o recall de seus automóveis, mas deixar que os clientes morressem por causa de interruptores de ignição e tanques de gasolina com defeito; era mais barato.

O público em geral vê as coisas como eventos desconectados em vez de parte de um plano integrado, em grande parte graças à mídia dos EUA que evita apresentar um contexto, com o resultado de que vemos apenas um evento local em vez de uma imagem integral. A mídia local nos informa que a P&G pagou multa por propaganda enganosa e promoção fraudulenta, e vemos isso como um evento único, talvez uma aberração e de forma alguma como prática padrão. Mas nossas percepções mudam quando descobrimos que a Argentina retirou da Procter & Gamble seu registro comercial por fraude, proibindo a P&G de operar naquele país, e que os reguladores da UE multaram a P&G em $300 milhões por fixar preços. A mídia nos diz que a Nike foi acusada de propaganda enganosa e vemos isso como um evento isolado, mas quando descobrimos que a Nike é uma das quatro empresas mais boicotadas do mundo, e os motivos para tal, nossas percepções mudam. Ficamos sabendo que a Pepsi comprou e matou várias marcas chinesas e atribuímos isso a várias deficiências de origem chinesa e ao comportamento injusto da Pepsi. Mas quando descobrimos que praticamente todas as multinacionais americanas (e algumas europeias), incluindo P&G, Coca-Cola, L'Oreal e outras, cooperaram na compra e na morte de centenas de marcas chinesas preciosas, agora vemos esses eventos como um padrão estabelecido e deliberado para destruir toda a competição doméstica, e entendemos algo que não entendíamos antes.

Ficamos sabendo da Apple violando garantias na China ou da arrogância da Coca-Cola em lidar com suas bebidas contaminadas, mas quando descobrimos que essas empresas se comportam de maneira semelhante em todo o mundo, podemos formar uma imagem melhor. Ficamos chocados com o surpreendente escândalo de suborno recente da GSK na China, mas, novamente, vemos isso como um fenômeno local, um evento isolado em que tendemos a culpar a China ou a cultura chinesa. Mas quando ficamos sabendo que a GSK esteve envolvida nos mesmos esquemas fraudulentos em muitos países simultaneamente, o quadro muda, e quando descobrimos que todas as empresas farmacêuticas americanas e europeias se comportam da mesma forma em todos os países, agora podemos ver a indústria farmacêutica indústria como ela realmente é. Lemos sobre o governo dos EUA tentando intimidar a China a cometer suicídio econômico, ao valorizar o valor internacional do RMB e talvez atribuímos isso ao mau comportamento por parte da China, mas quando ficamos sabendo que os EUA fizeram o mesmo com todas as nações que representavam uma ameaça à supremacia comercial americana, como o Japão, podemos entender isso em um contexto de imperialismo americano, e não em deficiências por parte da China. Só quando montamos todas as peças é que podemos ver a verdadeira imagem de qualquer governo, empresa ou evento.

A mídia e as autoridades chinesas acusaram os executivos da Coca-Cola de arrogância ao lidar com os maciços problemas de contaminação de suas bebidas. Alguns pensaram que a acusação poderia ter sido um pouco forte, mas quando soubemos que executivos da Coca-Cola ameaçaram processar o governo da Índia se não parasse imediatamente de relatar que os produtos da Coca-Cola estavam repletos de pesticidas, agora entendemos algo que não sabíamos antes. Quando um governo local na Flórida veiculou anúncios alegando que a água da torneira local era "mais barata, mais pura e mais segura do que a água engarrafada", a Nestlé imediatamente ameaçou processar o governo. Quando o governo do Reino Unido fez declarações públicas sobre a Starbucks não pagar impostos, executivos da empresa exigiram um encontro imediato com o primeiro-ministro Cameron para instruí-lo a manter a boca fechada.

Quando as autoridades governamentais enviaram cartas a todas as empresas de produtos de consumo para participarem de uma importante reunião sobre as políticas de garantia da China, os executivos da Apple devolveram as cartas fechadas.

Quando aprendemos esses fatos e muitos outros semelhantes, temos um contexto melhor para avaliar empresas estrangeiras na China. Em um artigo sobre a mudança de valores culturais, escrevi que os americanos estão em uma missão de busca-e-destruição para sobrescrever a herança cultural da China e substituí-la pelos chamados "valores" americanos como um prelúdio para a colonização e controle efetivos do governo. Vista de forma isolada, essa preocupação pode parecer muito exagerada, mas quando ficamos sabendo que os americanos fizeram exatamente isso nas Filipinas, no Vietnã, na Indonésia e em muitas outras nações, temos o contexto para ver um padrão e, de repente, a preocupação não é mais um exagero.

 

A mentira precisa parar

 

Quando a Pfizer foi obrigada a pagar $2,3 bilhões para resolver processos civis e criminais, o maior acordo de fraude de saúde e a maior multa criminal de qualquer tipo, Amy Schulman, conselheira geral da Pfizer, dissimulou dizendo que os funcionários da Pfizer "passam suas vidas dedicados a trazer medicamentos verdadeiramente importantes para pacientes e médicos de forma adequada". Quando a AstraZeneca se declarou culpada de acusações criminais em uma de suas fraudes maciças de saúde e foi forçada a pagar centenas de milhões em multas, um porta-voz disse que a empresa "adere a elevados padrões éticos na indústria farmacêutica e não tolera qualquer conduta antiética ou ilegal." Depois que a polícia chinesa descobriu evidências de 15 anos de "suborno maciço e sistêmico" e outros crimes na GSK, executivos da empresa afirmaram: "Temos tolerância zero para comportamento antiético", alegando ainda que eles haviam investigado seus negócios na China e "não encontraram evidências de suborno ou corrupção" – ao mesmo tempo que pagavam bilhões de dólares em multas nos EUA e em outros países exatamente pelos mesmos crimes. Quando a câmera D600 da Nikon provou ser totalmente defeituosa, com todas as unidades sendo substituídas no Ocidente, mas com a substituição e o reparo sendo negados aos clientes na China, a empresa levianamente afirmou que a Nikon "fornece aos clientes chineses um serviço global padronizado de alta qualidade". Quando um cliente pagou $20.000 por uma mala LV com defeito e quebrado, a empresa recusou-se a substituí-la, alegando que "Oferecemos a todos os clientes (em todo o mundo) o mesmo serviço padronizado." Imediatamente antes de substituir 400.000 transmissões defeituosas que importaram intencionalmente para a China, os executivos da Volkswagen negaram qualquer defeito em seus carros, alegando que qualquer problema era culpa dos motoristas. Quando os hotéis Marriott foram pegos interferindo nos pontos de acesso Wi-Fi dos clientes para forçá-los a pagar preços exorbitantes pelo uso da rede Wi-Fi do hotel, os executivos da Marriott alegaram que não estavam interferindo em nada, mas protegendo os hóspedes de "pontos de acesso nocivos e roubo de identidade."

Depois que duas pessoas morreram de envenenamento por pesticidas pelas bebidas Minute Maid, e outras ficaram gravemente doentes por envenenamento por mercúrio, os gerentes seniores da Coca-Cola insistiram que todos os seus produtos eram "completamente seguros para beber". Depois que milhares de consumidores de Coca-Cola na Europa sofreram rompimento de seus glóbulos vermelhos por beberem bebidas contaminadas, um executivo da Coca-Cola declarou: "Pode fazer você se sentir doente, mas não é prejudicial.'' Depois que a OSI americana e sua subsidiária Husi foram pegas conduzindo a maior operação de contaminação alimentar na história da China, Yang Liqun da Husi disse à mídia que "a Husi tem um sistema de controle de qualidade estrito". Quando mães reclamaram que seus bebês se tornaram "violentamente doentes" depois de beberem o leite infantil da Nestlé, executivos da empresa afirmaram que "não há nada de errado com o nosso leite" e que todos os produtos Nestlé são "absolutamente seguros". Após ter suas lojas fechadas após repetidas descobertas de fraudes massivas e organizadas contra os consumidores, o Wal-Mart colocou placas em suas lojas que diziam, "operando com credibilidade e integridade e protegendo os interesses dos clientes."

Com essa enxurrada, agora comum, de mentiras diretas, emitida automaticamente pelos departamentos de RP de todas as multinacionais (mas especialmente americanas), parece-me que o limite foi ultrapassado. Quando um departamento de saúde do governo afirma que a Coca-Cola não é segura para beber porque contém níveis excessivos de pesticidas tóxicos, cloro e outros produtos químicos, essa declaração é definitiva. Quando, depois, um executivo da Coca-Cola nega categoricamente na mídia que suas bebidas contêm pesticidas e afirma que são perfeitamente seguras para beber, essas declarações constituem propaganda enganosa e fraude criminosa ao consumidor e devem ser tratadas como tais. Se essas mesmas declarações fossem publicadas em um anúncio, multas enormes seriam cobradas por publicidade fraudulenta e imprudência criminosa. O mesmo devia aplicado quando essas declarações são feitas verbalmente para a mídia, especialmente considerando que têm um alcance público muito maior e são mais propensos a serem acreditados pelo público do que os comerciais de TV. Toda vez que uma empresa multinacional é pega em atividade criminosa, seus executivos recorrem à mídia com seu vasto alcance público e mentem. Eles nunca são responsabilizados porque a declaração é atribuída à empresa, mas essas declarações falsas não foram feitas por uma 'empresa', mas por uma pessoa real que deveria ser identificada e responsabilizada. Não há justificativa para o anonimato concedido a esses executivos corporativos que fogem da punição por atos ultrajantes de fraude ao consumidor. A mentira precisa parar.

 

Temos o mesmo problema com jornalistas estrangeiros, tanto dentro da China quanto fora do país. A cobertura é invariavelmente unilateral, muitas vezes omitindo detalhes cruciais que levam os leitores a conclusões muito diferentes e geralmente muito incorretas. Os artigos costumam ser escandalosamente desonestos e muitas vezes crivados com mentiras descaradas. Quando a GSK foi multada e seus executivos condenados por suborno e fraude sistêmicos, os jornalistas ocidentais se referiram apenas a "alegações" ou "acusações", claramente implicando que não havia provas. Andrew Browne do WSJ escreveu um artigo lamentando o fim do Google na China, reclamando da tragédia das empresas chinesas domésticas "dominando um mercado de Internet de 400 milhões de usuários", esquecendo de notar que o Google, uma empresa americana, 'domina' o mercado americano. Poderíamos com razão perguntar por que é normal um mecanismo de busca americano dominar o mercado americano, mas não é correto um mecanismo de busca chinês dominar o mercado chinês. Browne também reclamou sobre os fabricantes americanos de turbinas eólicas e painéis solares "serem excluídos dos grandes projetos de energia renovável" na China, mas não mencionou que os fabricantes chineses de turbinas eólicas e painéis solares foram completamente excluídos do mercado americano. Em um artigo sobre o Wal-Mart, discuti o retrato imperdoavelmente desonesto de John Bussey (mais uma vez do WSJ) sobre as atividades do Wal-Mart na China. O New York Times, o Wall Street Journal, o Washington Post, a CNN, o Financial Times, a Economist, o London Telegraph, o National Post do Canadá e tantos outros meios de comunicação politicamente de direita atuam precisamente da mesma maneira, distorcendo o contexto eliminando detalhes essenciais com o único propósito óbvio de caluniar a China.

O Wall Street Journal talvez seja o pior deles em termos de frequência de artigos tendenciosos e caluniosos, mas nenhuma mídia ocidental é confiável, e a maioria de seus jornalistas mente de forma surpreendente. Em 2013, o WSJ publicou naquela época um artigo que havia se tornado um padrão a ser seguido pelo menos centenas e possivelmente milhares de vezes desde então. O artigo se chamava "A China usa o pânico com os laticínios para ajudar as empresas domésticas", então você já pode ter uma idéia do conteúdo. Qualquer empresa estrangeira, mas especialmente americana, que seja criticada na China por qualquer coisa, é automaticamente um cordeiro sacrificial usado pela China para aumentar o desenvolvimento ou a competitividade das empresas chinesas domésticas. Quando a GSK foi acusada de fraude e suborno em massa, a mídia ocidental retratou a GSK como tão inocente e pura quanto neve, injustamente atacada apenas para ajudar as empresas farmacêuticas chinesas. Quando a VW foi acusada de instalar fraudulentamente centenas de milhares de transmissões defeituosas em seus carros, a mídia afirmou que a intenção da China era aumentar a participação de mercado das marcas nacionais, destruindo a Volkswagen. Quando a Coca-Cola foi forçada a destruir algumas centenas de milhares de caixas de bebidas contaminadas com cloro e pesticidas, a mídia ocidental retratou isso como uma ação cínica para valorizar as marcas locais, causando danos irreparáveis à empresa americana. Quando a Apple foi criticada na CCTV da China por seus serviços e políticas de garantias ilegais e racistas, a mídia ocidental atribuiu isso a uma intenção do governo de dar à Xiaomi “um pequeno impulso de mercado”. Em outro caso, de acordo com o WSJ, as marcas estrangeiras de produtos lácteos infantis recolhidos e destruídos não estavam realmente contaminados com bactérias mortais, mas, mesmo que estivessem, o recall foi ordenado apenas para aumentar a participação de mercado das marcas nacionais. E, claro, as dezenas de milhões de dólares pagos por essas mesmas empresas estrangeiras por conspiração e fixação de preços eram meramente alegações injustas contra empresas ocidentais inocentes, embora já tivessem se envolvido nessas práticas ilegais em muitos países estrangeiros.

Outro padrão semelhante ocorre quando o público chinês fica indignado com o comportamento criminoso de uma multinacional americana na China, como aconteceu com a Apple, Coca-Cola e P&G, entre outras. Nesses casos, de acordo com jornalistas ocidentais, as autoridades agiram contra essas empresas não por causa de seu comportamento criminoso, mas porque o governo temia que a agitação civil pudesse "desafiar a legitimidade" do governo da China. Dado que 1,5 bilhão de chineses considera seu governo perfeitamente legítimo, a questão é discutível, mas a impressão deliberadamente implantada nas mentes dos leitores ocidentais é muito diferente da realidade.

Ainda outro padrão é a depreciação insultuosa contra a mídia chinesa, quando esta relata quaisquer histórias negativas sobre empresas americanas ou o governo dos EUA, referindo-se a todos jornais ou estações de TV como "porta-voz do Partido Comunista", manchando cada reportagem chinesa com conotações políticas sujas nunca justificadamente, já que a mídia chinesa nunca se envolve em artigos de opinião politicamente tendenciosos disfarçados de notícias, como é feito na mídia ocidental. Nos Estados Unidos, quando o NYT ou o WSJ informam que a General Motors fez recall de mais um milhão de automóveis defeituosos, a história simplesmente apresenta os fatos, sem comentários políticos depreciativos. Mas quando a mídia chinesa relata um recall de automóveis da GM, os jornalistas do NYT e do WSJ afirmam que o "porta-voz do partido comunista" está prejudicando injustamente uma marca americana apenas para ajudar seus fabricantes nacionais. E, no entanto, são o NYT e o WSJ que são, em termos reais, os principais "porta-vozes" do Departamento de Estado dos EUA e do capitalismo criminoso americano. É preocupante que a mídia ocidental possa recrutar chineses nativos para participar nessas fraudes ideológicas, como Pi Xiaoqing em Pequim, que contribuem com artigos desprezíveis sobre seu próprio país. Talvez ela preferisse emigrar aos Estados Unidos, onde poderia impulsionar sua própria "imagem manchada".

00

 

As reportagens de jornalistas estrangeiros sobre a China são frequentemente desonestas e caluniosas o suficiente para serem classificadas como acusações criminais, quase nenhum conteúdo é capaz de resistir ao escrutínio. Identifiquei alguns desses artigos e expus a falta de integridade dos jornalistas, mas provavelmente inutilmente. A maioria de nós ficaria humilhado se fôssemos censurados publicamente e denunciados por esse tipo de conduta desonrosa deliberada, mas esses jornalistas estrangeiros não têm vergonha alguma e, pelo contrário, parecem orgulhosos de sua inteligência. Certamente, eles são insensíveis à desgraça. Mas talvez haja pouca razão para prosseguir neste tema. Quase todos os colunistas que escrevem para a mídia ocidental se encaixam nesse molde e, de todos os artigos de mídia que monitorei e li, minha conclusão é que quase todo jornalista americano é inerentemente incapaz de dizer a verdade. Tenho em preparação um volume inteiro sobre a mídia ocidental, que conterá centenas de exemplos de "porta-vozes da mídia" ocidentais enganando seu público com uma gama surpreendente de histórias falsas e enganosas. Incluirá uma discussão sobre os repórteres e colunistas que escreveram essas histórias, especialmente aqueles no Clube de Correspondentes Estrangeiros de Pequim, um verdadeiro tsunami de porta-vozes cuja única credencial aparente seria uma aprovação em Ideologia para Leigos. E de fato, muitos correspondentes estrangeiros de qualidade confessarão que um pré-requisito para tal posição é uma boa dose de 'Anti-China' para tornar seus artigos moralmente aceitáveis para os leitores ocidentais. Um jornalista de uma rede francesa confidenciou que "Se você ficar muito confortável trabalhando na China, eles farão um rodízio para que cubra outra região". A mensagem é clara: se você está na China e está escrevendo sobre a China, sua tarefa não está relacionada com jornalismo e reportagens, mas principalmente em encontrar inclinações políticas negativas que coloquem a China em uma posição ruim. Se você não conseguir encontrar uma história, fabrique uma.

Por fim, muitos colunistas da mídia ocidental notaram o que pareciam ser cidadãos chineses postando comentários no Weibo ou WeChat que apoiavam a Apple ou outras empresas americanas e criticavam ou mesmo condenavam a CCTV, as autoridades governamentais da China e a própria China. Mas a verdade é que poucos ou nenhum desses comentaristas eram realmente chineses; as postagens eram provavelmente feitas na sede da CIA em Langley, Virgínia, não em Changsha ou Shenzhen.

Essas pessoas usam softwares que permitem a criação de várias pessoas falsas para povoar as redes sociais na Internet. Um número ilimitado de pessoas virtuais pode ser criado por apenas alguns indivíduos reais, dando a essas agências governamentais o poder de criar uma ilusão de consenso público. O software é extremamente detalhado, fornecendo experiências extensas para essas pessoas fictícias, permitindo que um único ser humano assuma a identidade de quantas pessoas falsas desejar e fazer com que pareçam estar realmente em um determinado lugar físico ou até mesmo participando de um evento real. Eles controlam o endereço IP, tornando impossível detectar se uma única pessoa em um local está orquestrando toda aquela atividade. O manual do programa declara, "Há uma variedade de truques de mídia social que podemos usar para adicionar um plano de realidade a todas as personas fictícias". O contrato exige "servidores virtuais privados" localizados dentro e fora dos EUA, para fornecer informações de localização falsa, e também exige o que chama de "mistura de tráfego", combinando o uso da Internet dos controladores de personas com o do público em geral, de maneira a oferecer "excelente disfarce e poderosa isenção". Muitas agências governamentais dos Estados Unidos obtiveram e estão usando este "software de gerenciamento de personas" para manipular a opinião pública sobre questões importantes nos Estados Unidos. As agências governamentais regularmente inundam a mídia social dos Estados Unidos com pessoas falsas fazendo postagens falsas em apoio a posições governamentais e desacreditando aqueles que criticam o governo dos EUA. Esta é uma propaganda pró-governo usada para controlar a percepção pública e matar o ativismo político. Isso se chama "contra-mensagem" e tem sido usado há anos, especialmente pelos militares dos EUA. O Pentágono não faz segredo de suas atividades na promoção de "propaganda negra" - o que significa conscientemente espalhar mentiras para enganar e desinformar o público, com o propósito de sufocar a dissidência política. Em seu temor crescente do ativismo político, o governo dos Estados Unidos rotulou a Internet como um "terreno fértil para terroristas domésticos" e parece incluir nessa categoria qualquer pessoa que questione a versão governamental dos eventos. O governo dos Estados Unidos também usou essas ferramentas de mídia social em campanhas de difamação contra repórteres e outros indivíduos de alto perfil que criticam a política do governo dos Estados Unidos, a ponto de criar contas falsas no Facebook e Twitter em seus nomes, contendo postagens falsas destinadas a causar danos pessoais, e até mesmo criaram sites falsos e páginas da Wikipedia que supostamente pertencem a um indivíduo, tudo com o propósito de desacreditar "dissidentes". Esta é uma prática regular nos Estados Unidos da América, o "berço de todas as liberdades", o berço da "liberdade de expressão" e a única nação no mundo que "valoriza os dissidentes". E essa narrativa mítica é lixo total. Como se lerá mais tarde, o governo dos EUA está tão apavorado com a agitação civil doméstica que o Departamento de Segurança Interna construiu e operacionalizou mais de 800 campos de internamento, todos vazios à espera de outro protesto 'Ocupe Wall Street' - ou da próxima revolução americana.

Menciono isso porque esses 'fantoches' são agora amplamente usados pelas agências militares e de inteligência dos EUA em todo o mundo, como parte de um programa massivo para manipular ativamente e guiar a opinião pública em muitos países, geralmente com a intenção de incitar agitação civil e revolução. Por causa disso, o uso das mídias sociais chinesas pelos americanos aumentou exponencialmente nos últimos anos, onde agora vemos contas no Weibo e Weixin (Wechat) que pretendem conter postagens de cidadãos chineses, mas que em muitos casos são claramente contas falsas operadas por não-chineses e quase certamente de origem americana. Quando a rede CCTV da China revela problemas com produtos americanos, como os iphones da Apple ou os cosméticos SK-II da P&G, vemos imediatamente postagens condenando a rede ou o governo por criticar qualquer coisa americana. Quando foi revelado que a Apple cobrava dos clientes chineses 50% do preço de compra pelo conserto de um iphone com defeito ainda na garantia, víamos postagens defendendo firmemente a prática, alegando que a CCTV deveria gastar seu tempo se preocupando com os preços imobiliários, e não com o custo de consertar telefones celulares. Não precisamos de muita sabedoria para perceber que essas postagens não são genuínas; os proprietários chineses de produtos Apple ficaram amplamente indignados com as políticas de garantia, evidenciadas pelas vendas da Apple despencando imediatamente em 35% e os produtos da empresa caindo do primeiro para o sexto lugar em apenas alguns meses. E, em todo caso, ninguém elogia uma empresa por cobrar uma quantia altíssima por reparos em garantia que, por lei, devem ser realizados gratuitamente.

O McDonald's foi uma das empresas abordadas no relatório do Dia do Consumidor da CCTV e, mais uma vez, fez o que a maioria das empresas americanas faz quando sob ataque na China - colocaram fantoches (pessoas falsas) postando defesas no Weibo e Weixin, e até começaram um movimento chamado "Acredito no McDonald's e não na CCTV", e pedindo a todos os cidadãos online que "usem sua voz para apoiar o McDonald's". Mas eles foram longe demais e tornou-se óbvio que o chamado 'apoio' foi fabricado. As postagens falsas tornaram-se tão numerosas e óbvias que o McDonald's teve que negar publicamente seu envolvimento no escândalo, embora também fosse evidente que as postagens na Internet haviam sido organizadas pelo McDonald's ou pela agência de publicidade da empresa e não eram de qualquer forma espontâneas. Vimos o mesmo com os escândalos envolvendo os frangos tóxicos do KFC, com fantoches americanos fazendo o melhor para proteger as empresas americanas, geralmente postando dos Estados Unidos com nomes falsos, um deles chamando a si mesmo de Chi Boxiong, postando no Weibo o comentário, "Falando honestamente, a qualidade do KFC é melhor do que em qualquer outro lugar."

Essas postagens de 'fantoches' são muitas vezes políticas, quase sem limites em sua aplicação. Em setembro de 2016, o lançamento de um dos satélites de observação da China parecia ter sofrido uma avaria, deixando os americanos extraordinariamente curiosos quanto à mecânica dessa falha, se é que foi mesmo uma falha. Mas nenhuma informação foi publicada sobre o assunto, e o Wall Street Journal imediatamente publicou um artigo alegando que muitos "cidadãos chineses" estavam "irritados", "inflamados" e ressentidos com a falta de informação, alegando que "a notícia se espalhou continuamente pelas mídias sociais chinesas", postagens supostamente feitas por chineses continentais acusando o governo e a mídia de "censura flagrante e hipocrisia", falta de 'profissionalismo' e "departamentos de propaganda" não sendo francos sobre as falhas. Mas, mais uma vez, precisamos apenas usar nossas cabeças para saber que as mensagens não podem ser genuínas. A China teve sucesso notável com seus lançamentos de satélites, mas falhas de lançamento são um perigo normal para todos os países e não especialmente raras. Mas isso não é como enviar um homem à lua ou algum outro evento semelhante envolvendo orgulho nacional e capturando a atenção de uma nação. Satélites de observação e comunicação são lançados regularmente sem publicidade e são de interesse apenas para aqueles que os lançam, não havendo nenhuma pessoa sã em qualquer nação motivada o suficiente para ficar tão irritada a ponto de acusar seu governo de censura e hipocrisia por não fornecer informações detalhadas sobre as causas técnicas de um simples lançamento de satélite. Eram os americanos que queriam saber o que acontecia, e essa era sua maneira de alfinetar a China enquanto tentavam induzir os chineses a acreditar que seus próprios cidadãos estavam se voltando contra seu governo por causa de "sigilo oficial".

A Fonte Última

Um dos principais resultados da programação ideológica política e religiosa americana é uma intolerância marcada, e na verdade um desprezo, por todos os outros povos e culturas, devido inteiramente ao seu racismo cristão supremacista, que é inerente à ideologia americana em um grau chocante. Os americanos são, e sempre foram, repugnantemente e assumidamente racistas. Um artigo da Al-Jazeera escreveu que religião e racismo são características tão naturais no cenário americano que mesmo notá-los seria como notar o ar que se respira. Os americanos individualmente, seus líderes governamentais e sua mídia estão tão imersos na supremacia colonial branca que apresentam uma enxurrada diária de comentários negativos sobre a China e outras nações para zombar, ridicularizar e condenar atitudes ou práticas culturais que entram em conflito com sua própria narrativa político-religiosa. É sua versão peculiarmente distorcida do cristianismo evangélico que produziu a convicção esmagadora nos americanos de que eram especiais, mais próximos de seu Criador do que qualquer outro ser vivo. Como escreveu um autor,

"Para entender os americanos, devemos primeiro entender que eles acreditam que são "bons". Não bons no sentido de que se comportam de acordo com a ideia abstrata do bem (o que de fato não fazem), mas que são a personificação do bem – o bem encarnado... seu efeito na mente americana significa que, por definição, o que os americanos fizerem é "bom" e sempre que os cristãos americanos escolhem fazer algo, por mais intrinsecamente mau que seja, suas ações ainda são moralmente justas. Ademais, os americanos não apenas acreditam que são bons, mas que qualquer um que não adira à sua estrutura de idéias religiosas, políticas ou comerciais é primitivo ou uma aberração, e não está apenas 'errado', mas é provavelmente 'mau'."

Claro que eles são loucos, mas isto são os EUA. Essas convicções religiosas patologicamente distorcidas estão tão profundamente programadas em indivíduos americanos que nunca poderiam ser extraídas, e evidências de sua superioridade moral divina transparecem em lugares às vezes surpreendentes.

Um americano reclamou que, como geólogo trabalhando para uma empresa chinesa, seu gerente de exploração chinês lhe disse que não era da sua conta quantas pessoas morreram na Revolução Cultural. Sua reação foi de descrença e ofensa, e estar sendo vítima de um grande erro moral. Ele disse que se sentiu "como um Judas Iscariotes" - um traidor desprezível de seu Deus e de sua religião, por não forçar o assunto com seu gerente. Mas se eu questionar meu gerente americano quantas pessoas seu governo torturou até a morte na Baía de Guantánamo, ele me diria para calar a boca, cuidar da minha vida e fazer meu trabalho. Mas não é assim para os americanos porque, mergulhados no racismo supremacista de seu cristianismo distorcido, eles têm não apenas o direito, mas a sagrada obrigação de desafiar outras nações por quaisquer erros reais ou imaginários, sobrecarregando cada indivíduo americano com uma missão dada por Deus para garantir que todos os indivíduos em todos os outros países confessem seus erros a ele pessoalmente. Afinal, ele é americano.

É essa mesma bondade moralmente superior que produz a enxurrada de artigos criticando a China pela mídia dos EUA e por jornalistas americanos residentes na China. Suas deturpações da verdade são necessárias para fazer o bem. Quando eles escrevem seus artigos desonestos e enganosos sobre a China, eles se justificam porque são "bons" e estão punindo um pecador que "não é bom". Às vezes, para fazer a obra sagrada de Deus, é necessário contar mentiras maldosas sobre as pessoas, mas, como eu sou bom e ajo apenas para fazer o bem, meu Deus aprovará. O mito tolo do excepcionalismo americano origina-se da mesma fonte: os americanos, sendo bons, têm um mandato natural de seu deus para influenciar, controlar e determinar o destino do mundo. E se escolherem fazer isso pelo cano de uma arma, já sabemos que Deus e Armas são uma combinação natural e abençoada. Os incontáveis milhões de mortes, as centenas de milhões de inocentes vivendo na miséria infernal do envolvimento americano, são, por definição, o resultado de fazer o "bem". Os horrores, o racismo, a miséria e a pobreza, foram todas coisas boas feitas por pessoas boas fazendo o bem. Para ver tudo isso claramente, devemos apenas adotar a profunda crença de que os americanos, e apenas os americanos, são "bons". Deus não quer que seus filhos 'excepcionais' se comprometam com pagãos pecadores. Isso pode parecer injusto, mas quem somos nós para questionar a vontade de Deus? Para resumir tudo acima em uma frase, os americanos foram destinados por seu deus a converter ou matar qualquer coisa que seja diferente deles.

Quando você insere nessa equação a ganância patológica subjacente à forma ocidental de capitalismo desenfreado, agora você entende algo sobre os EUA.

*

Os artigos do Snr. Romanoff foram traduzidos em 30 idiomas e postados em mais de 150 sites de notícias e política de idiomas estrangeiros, em mais de 30 países, bem como em mais de 100 plataformas em inglês. Larry Romanoff, consultor administrativo e empresário aposentado, ocupou cargos executivos de responsabilidade em empresas de consultoria internacionais e foi proprietário de uma empresa internacional de importação e exportação. Exerceu o cargo de Professor Visitante na Universidade Fudan de Shanghai,  ministrando casos de estudo em assuntos internacionais a turmas avançadas de EMBA. O Snr. Romanoff reside em Shanghai e, actualmente, está a escrever uma série de dez livros, de um modo geral, relacionados com a China e com o Ocidente. O seu arquivo completo pode ser visto em https://www.moonofshanghai.com/  e http://www.bluemoonofshanghai.com/ 

 

Pode ser contactado através do email: 2186604556@qq.com

 

Larry Romanoff é um dos autores que contribuíram para a nova antologia de Cynthia McKinney, 'When China Sneezes'. Capítulo 2 – Lidar com Demónios



Copyright © Larry RomanoffMoon of ShanghaiBlue Moon of Shanghai, 2021

Tradução: Leonardo Y.

Larry Romanoff,

contributing author

to Cynthia McKinney's new COVID-19 anthology

'When China Sneezes'

When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis