Sunday, August 16, 2020

PT -- LARRY ROMANOFF - CIA -- Projecto MK-ULTRA -- July 2, 2020

 


 

CIA --Projecto MK-ULTRA

por Larry Romanoff 

2 de Julho de 2020

Nota importante: O autor escreveu posteriormente uma reformulação deste mesmo artigo, com informação adicional, devidamente comprovada. Será traduzido logo que possível.

Retiring director of the CIA Allen Dulles (centre) with US President John F Kennedy and Dulles’ CIA replacement John A. McCone in Washington, DC. in early 1960s. Picture: AP

Director aposentado da CIA, Allen Dulles (no centro) com o Presidente dos EUA, John F Kennedy, e o substituto da DIA na CIA, John A. McCone, em Washington, DC. no início dos anos 1960. Foto: A

ENGLISH  ESPAÑOL  PORTUGUÊS


•Projecto MK-ULTRA da CIA 

•O Instituto de Pesquisa Stanford 

• A Câmara de Horrores de  Gottlieb's

•O Holocausto das Criancinhas da CIA – e o Crime do Século do Canadá  

•As memórias Ausentes do Quarto de Dormir

•A morte de Harold Blauer 

•A Vida e Morte de Frank Olson 

•CIA O Projecto MK-DELTA da CIA, de Stanley Glickman - Uma Grande Experiência com Pão Francês

•Os Americanos a Enfrentar de Novo os Seus Crimes

•Sidney Gottlieb



•O Projecto MK-ULTRA da CIA

O governo dos Estados Unidos financiou e realizou inúmeras experiências psicológicas em seres humanos sem o conhecimento deles, especialmente durante a Guerra Fria, talvez parcialmente para ajudar a desenvolver técnicas mais eficientes de tortura e interrogatório para os militares dos EUA e para a CIA, mas a extensão, o alcance e a duração quase inacreditáveis dessas actividades ultrapassaram muito as possíveis aplicações em interrogatórios, e parecem ter sido realizadas a partir de uma desumanidade fundamental e monstruosa. Ler  apenas os resumos, mesmos sem mencionar os detalhes, é por si só, quase traumatizante.


Em estudos iniciados no final da década de 1940 e no início da década de 1950, o Exército dos EUA começou a identificar e a testar soros da verdade, como mescalina e escopolamina, em seres humanos, que invocaram ser de utilidade durante os interrogatórios a espiões soviéticos. Esses programas acabaram por se expandir num projecto de amplo campo de acção e enorme ambição, centralizado sob a competência da CIA, no que viria a ser designado como Projecto MK-ULTRA, uma importante colecção de projectos de interrogatório e controlo da mente. Inspirada inicialmente pelas ilusões de um programa de lavagem cerebral, a CIA iniciou milhares de experiências usando indivíduos americanos e estrangeiros, muitas vezes sem o seu conhecimento ou contra a sua vontade, destruindo inúmeras dezenas de milhares de vidas e causando muitas mortes e suicídios. Financiada, em parte, pelas Fundações Rockefeller e Ford e operada conjuntamente pela CIA, pelo FBI e pelas divisões de inteligência (serviços secretos) de todos os grupos militares, essa pesquisa da CIA, que durou décadas, constituiu uma imensa colecção de algumas das atrocidades mais cruéis e desagradáveis ​​que se possam imaginar, num esforço determinado em desenvolver técnicas confiáveis ​​de controlo da mente humana.


Pelo menos 200 notáveis investigadores científicos privados fizeram parte deste programa, assim como muitos milhares de médicos, psiquiatras, psicólogos e outros semelhantes. Muitas destas instituições e indivíduos receberam o seu financiamento através das chamadas "bolsas" do que eram, nitidamente, empresas de fachada da CIA.

 O MK-ULTRA foi algo que englobou um grande número de actividades clandestinas que faziam parte da pesquisa e do desenvolvimento da CIA, sobre Guerra Psicológica, consistindo em cerca de 150 projectos e subprojectos, muitos deles muito grandes por si só, com pesquisa e experimentação humana a ocorrer em mais de 80 instituições que incluíam cerca de 50 das faculdades e universidades mais conhecidas dos Estados Unidos, 15 ou 20 grandes fundações de pesquisa, incluindo a Fundação Rockefeller, dezenas de grandes hospitais, muitas prisões e instituições mentais e muitas empresas químicas e farmacêuticas. Pelo menos, 200 pesquisadores científicos privados e bem conhecidos, fizeram parte deste programa, assim como muitos milhares de médicos, psiquiatras, psicólogos e outros semelhantes. Muitas dessas instituições e indivíduos receberam financiamento através dos chamados "subsídios" do que eram, claramente, empresas de fachada da CIA.

Em 1994, uma subcomissão do Congresso revelou que cerca de 500.000 americanos, sem terem qualquer conhecimento destes factos, foram ameaçados, danificados ou destruídos pelos testes secretos da CIA e dos militares, entre 1940 e 1974. Dada a destruição deliberada de todos os registos, a verdade completa sobre as vítimas do MK-ULTRA nunca será conhecida, como também não será sabido o número de mortos. Como o Inspector Geral do Exército dos EUA declarou posteriormente num relatório a uma comissão do Senado: "Nas universidades, hospitais e instituições de pesquisa, um número desconhecido de testes e experiências químicas ... foi realizado em adultos saudáveis, nos que tinham doenças mentais e em indivíduos retidos na prisão". De acordo com um relatório do governo," em 149 experiências separadas de controlo da mente, sobre milhares de pessoas, os pesquisadores da CIA usaram a hipnose, tratamentos com eletrochoques, LSD, marijuana, morfina, benzedrina, mescalina, seconal, atropina e outras drogas". Os indivíduos que foram sujeitos aos testes eram geralmente pessoas que não podiam objectar facilmente - prisioneiros, pacientes mentais e membros de grupos minoritários - mas a agência também realizou muitas experiências em civis normais e saudáveis, ​​sem o seu conhecimento ou sem o seu consentimento.

Over a period of twenty years as a scientist with the agency, Sidney Gottlieb ran the largest systematic search for mind control techniques in history. He headed up the agency's secret MK-ULTRA program, which was charged with developing a mind control drug that could be weaponized against enemies

Dr. Sidney Gottlieb

O projecto estava sob o comando directo de um Dr. Sidney Gottlieb e recebeu milhões de dólares não revelados mas quase ilimitados, destinados a centenas de experiências em seres humanos, em centenas de locais nos Estados Unidos, Canadá e Europa, tendo o orçamento eventual para este programa, ao que tudo indica, ultrapassado 1 bilião de dólares por ano. O mal que se encontra em alguns destes documentos MK-ULTRA é quase palpável, um desses documentos de 1955, a declarar abertamente uma procura de “substâncias que irão provocar danos cerebrais (temporários ou) permanentes, bem como a perda de memória”. Parte da intenção era desenvolver "técnicas que iriam esmagar a psique humana ao ponto de admitir qualquer coisa". Num memorando do governo americano de 1952, um Director de programa perguntou: "Podemos conseguir o controlo de um indivíduo ao ponto de ele fazer o que lhe ordenamos contra a sua vontade e até contra leis fundamentais da natureza, como a auto preservação? Também enumerou a grande variedade de abusos horrendos aos quais as vítimas estariam sujeitas. Estas pessoas não sentiam relutância contra as suas intenções.

Os mecanismos incluíam uma programação sexual primordial para as mulheres na tentativa de eliminar as convicções morais aprendidas e estimular o instinto sexual primitivo desprovido de inibições, para criar uma espécie de máquina sexual - a prostituta fundamental para a espionagem diplomática. Vários pesquisadores afirmaram que o apetite sexual dessas mulheres foi desenvolvido na  juventude, nos seus anos de formação, através de incesto constante com um funcionário do governo que havia sido deliberadamente desenvolvido como figura paterna dessas jovens. Em parte, estes programas envolviam condicionar a mente humana através da tortura, com uma parte do mesmo destinada a treinar agentes especiais, para agirem como terroristas destemidos sem instintos de auto-preservação e que se iriam suicidar de bom grado, se fossem apanhados. Até fizeram experiências através de implantes electrónicos, sons inaudíveis, mensagens embutidas na mente subconsciente, drogas para alterar a mente e muito mais. Uma parte dessa extensa operação envolveu uma tentativa de criar um programa de assassinos, torná-los capazes de raptar indivíduos de outros países, submetê-los a hipnose e a outras técnicas e depois devolvê-los aos seus países de origem, a fim de assassinarem as  suas chefias.

Frank Olson Project

Outra parte do projecto de controlo mental da CIA tinha como objectivo encontrar um "soro da verdade" para usar em espiões. Foi administrado aos indivíduos sujeitos ao teste LSD e outras drogas, muitas vezes sem o seu conhecimento ou consentimento, e alguns foram torturados. Muitas pessoas morreram - ou foram mortas - como resultado destas experiências e um número desconhecido de funcionários do governo, a trabalhar nestes projectos, foi assassinado com receio de que contassem o que tinham visto, talvez o mais conhecido seja Frank Olson, cuja morte descrevi noutro lugar. O projecto foi firmemente negado tanto pelo governo como pela CIA, mas foi, finalmente, exposto após as investigações da Comissão Rockefeller. Quando esta informação se tornou conhecida, o governo dos EUA pagou muitos milhões de dólares para resolver as centenas de  reclamações e processos judiciais que resultaram. Existem muitas provas de que estes programas nunca foram encerrados.

Dr. Harold Wolff

Foram orientados pela Faculdade de Medicina da Universidade de Cornell, muitos estudos iniciais de interrogatórios sob a direcção de um Dr. Harold Wolff, que solicitou à CIA qualquer informação sobre "ameaças, coerção, prisão, privação, humilhação, tortura, lavagem cerebral", "psiquiatria negra" e hipnose, ou qualquer combinação dos mesmos, com ou sem agentes químicos ". Segundo Wolff, a equipa de pesquisa iria então: "... reunir, recolher, analisar e assimilar estas informações e irá realizar investigações experimentais destinadas a desenvolver novas técnicas de uso de inteligência ofensiva/defensiva ... Serão testadas, de maneira semelhante, drogas secretas potencialmente úteis [e diversas procedimentos que danifiquem o cérebro] para verificar o efeito fundamental sobre a função cerebral humana e sobre o humor do sujeito ... ". Ele apontou ainda mais e de maneira arrepiante: "Quando qualquer um dos estudos envolver possíveis danos ao indivíduo, esperamos que a Agência disponibilize indivíduos e um local adequado para a realização das experiências necessárias". 

Entre as múltiplas universidades e instituições de destaque a participar nesta farsa, estava a Universidade de Tulane, onde tanto a CIA como as forças armadas americanas tinham financiado em larga escala o que aparentava ser programas de experiências de controlo da mente baseados em traumas aplicados em crianças. Em 1955, o Exército dos EUA relatou estudos nos quais os pesquisadores implantaram eléctrodos no cérebro de pacientes mentais para avaliar os efeitos do LSD e de uma série de outras drogas não testadas. Foi em Tulane que foram realizados alguns dos primeiros testes de privação sensorial, isolando pessoas nessas câmaras onde teriam alucinações impotentes durante uma semana de cada vez, enquanto eram injectadas com drogas e bombardeadas com mensagens gravadas, para ver se poderiam ser "convertidas a novas crenças". Todos estes indivíduos eram vítimas indefesas que não tinham ideia do que lhes estava a acontecer. Há uma longa lista de outras universidades e hospitais americanos famosos que participaram numa destruição humana semelhante e todos eles ‘limparam’ cuidadosamente os seus registos.

Midnight Climax

O Clímax da Meia Noite

Outra operação da CIA designada como ‘Midnight Climax’ consistia numa rede de locais da CIA, nos quais as prostitutas que faziam parte da folha de pagamento da CIA, iriam atrair clientes onde eram clandestinamente envolvidos por uma ampla gama de substâncias, incluindo LSD, e controlados por trás de vidros de visão unidireccional. Foram desenvolvidas neste teatro de operações, várias técnicas operacionais significativas, incluindo uma extensa pesquisa sobre chantagem sexual, tecnologia de vigilância e o uso possível de drogas que alteram a mente em operações de campo. Na década de 1970, como sendo outra parte do seu programa de controlo mental, a CIA conspirou com a Eli Lilly & Company para produzir cem milhões de doses da droga ilegal LSD, quantidade suficiente para enviar quase todo mundo nos Estados Unidos a fazer uma viagem. Nenhuma explicação foi dada sobre o que a CIA fez com estes cem milhões de doses de ácido, mas, como grande parte desta actividade foi exportada,  pode trazer à mente possibilidades interessantes rever os acontecimentos políticos internacionais durante esse período.

Unit 731

Como já acima observado, o projecto MK-ULTRA e os seus irmãos tiveram origem na Operação Paperclip, na qual mais de 10.000 japoneses e alguns cientistas alemães de todas as faixas foram transportados clandestinamente para os EUA após a Segunda Guerra Mundial, para fornecer ao governo informações sobre técnicas de tortura e interrogatório. Não está muito divulgado, mas, como parte da Operação Paperclip, a CIA recrutou para o MK-ULTRA, Shiro Ishii, o responsável pela Unidade 731 do Japão que chefiou algumas das mais horrendas atrocidades humanas da História, incluindo a vivissecção ao vivo (dissecção executada num animal vivo com fins experimentais) em crianças. Ao mesmo tempo, também importou pelo menos dez mil funcionários da Unidade 731, alojou-os em bases militares dos EUA e deu-lhes total imunidade nos processos judiciais pelos seus crimes de guerra e crimes contra a Humanidade. Por este motivo é que nenhum japonês foi julgado pelos seus crimes: estavam todos na América, a contribuir com as suas competências para o MK-ULTRA. A CIA também trouxe do estrangeiro alguns alemães que tinham realizado experiências com seres humanos. Também não é amplamente sabido, mas todo esse projecto nasceu não nos EUA, mas no Instituto Tavistock de Relações Humanas, no Reino Unido, um instituto com um passado excepcionalmente a sangue-frio. Voltarei a Tavistock nos próximos capítulos.

A liderança da CIA estava preocupada com a descoberta do seu comportamento ilegal, contrário à ética, como evidenciado no Relatório Geral dos Inspectores de 1957, que afirmava: "Devem ser tomadas precauções não apenas para proteger as operações de exposição às forças inimigas, mas também para ocultar essas actividades dos americanos ao público, em geral. A noção de que a agência está a realizar actividades anti-éticas e ilícitas teria sérias repercussões nos círculos político e diplomático".

Ex CIA official Richard Helms (left), shown with President Richard Nixon in 1973, helped launch the program in the 1950s.

O antigo funcionário da CIA Richard Helms (à esquerda), com o Presidente Richard Nixon, em 1973, ajudou a lançar o programa na década de 1950.

As actividades MK-ULTRA da CIA continuaram até à década de 1970, quando o Director da CIA, Richard Helms, temendo ser exposto ao público, ordenou que o projecto fosse encerrado e todos os arquivos destruídos. No entanto, um erro administrativo tinha enviado muitos documentos para o departamento errado; portanto, quando os funcionários da CIA estavam a destruir os arquivos, alguns deles permaneceram e foram divulgados mais tarde perante uma solicitação da Lei de Liberdade de Informação (FOIA) do jornalista e investigador John Marks. No entanto, como quase todos os registos foram destruídos, os números e as identidades das vítimas nunca serão conhecidos.

• Instituto de Pesquisa Stanford

O Instituto de Pesquisa Stanford (SRI) descreve a sua missão como sendo "criar soluções que mudam o mundo para tornar as pessoas mais seguras, saudáveis e produtivas". A Wikipedia diz-nos que os patronos da Universidade de Stanford estabeleceram o SRI, em 1946, como sendo "um centro de inovação para apoiar o desenvolvimento económico da região". Não tenho provas de que o SRI tenha tornado alguém mais seguro ou mais produtivo e, qualquer que seja o objectivo original desta instituição, não parecia estar muito no topo da lista apoiar o desenvolvimento económico da região. De acordo com a minha pesquisa, existem poucas instituições na América que tiveram as suas histórias mais higienizadas e refeitas do que o SRI. Claro que todas as referências à participação no MK-ULTRA da CIA e noutros projectos desumanos desapareceram da narrativa. Em Agosto de 1977, o Washington Post divulgou alguns destes projectos; provavelmente, havia muitos mais.

Uma das actividades anteriores do SRI envolvia contratos adjudicados pela CIA e pela Marinha dos EUA para pesquisar e desenvolver o controlo mental a longa distância usando ondas de rádio. A CIA já tinha financiado projectos MK-ULTRA na Honeywell, a fim de obter "um método para penetrar na mente de um ser humano e controlar as suas ondas cerebrais a longa distância". Na década de 1960, o então Director da CIA, Richard Helms, estava empolgado com o que foi chamado de "comunicação biológica por rádio", e o Washington Post publicou provas concretas de que o controlo electrónico da mente era um dos principais objectos de estudo da SRI na época. A teoria era de que as ondas electromagnéticas de frequência extremamente baixa do cérebro podiam ser usadas para controlar indivíduos, às vezes chamados de "empáticos", muitos dos quais (inexplicavelmente) foram extraídos da Igreja de Scientology de  L. Ron Hubbard

Fascists in White Coats: The CIA's Dr. Louis Jolyon West & the ...

Dr. Louis Jolyon West

De acordo com os relatórios, a CIA estava tão entusiasmada com as possibilidades destas experiências no SRI, que foram desviados muitos milhões de dólares para estes projectos, aumentados com testes de parapsicologia realizados simultaneamente em Fort Meade, pela NSA. A supervisão médica para essa enorme variedade de experiências estava sob o controle de outro pervertido da CIA,  Dr. Louis Jolyon West, então Professor de Psiquiatria da UCLA, um dos mais notáveis especialistas da CIA, sobre controlo mental no país. É difícil evitar a conclusão de que todas essas pessoas eram loucas, já que a CIA, a NSA e até o INSCOM e a inteligência militar/serviços secretos militares (e, claro, a Church of Scientology/Igreja de Scientology) cooperaram com o SRI em pesquisas que incluíam cartas de tarô, canalização de espíritos, comungando com demónios e muito mais.

Mas, de acordo com o próprio SRI, o trabalho do Dr. West incluía não só ondas de rádio e parapsicologia, mas a criação de personalidades dissociativas "que permitiam que os indivíduos sujeitos ao condicionamento mental se adaptassem ao trauma". West referiu-se a essas pessoas como crianças trocadas, que produziam estados mentais alternativos alucinantes, mas na verdade esquizofrénicos (personalidades múltiplas induzidas), para permitir que eles lidassem com o que foi designado como “stress ambiental prolongado”, isto é, injecções forçadas de drogas, abuso físico, mental e sexual e programação psíquica, utilizando, geralmente, grandes doses de LSD, o produto químico preferido de Gottlieb. Existe documentação adequada de que muitas pessoas que foram submetidas a esta "pesquisa" patrocinada pela CIA, desenvolveram várias personalidades, muitas das quais foram induzidas à força desde tenra idade. Existem histórias documentadas de alguns sobreviventes que falam de abusos enormes de todos os tipos, que lhes foram infligidos a partir dos quatro ou cinco anos de idade e de ter que lidar com o terror do que parecia ser muitas pessoas diferentes a viver dentro das suas mentes. O Dr. Jolyon West tornou-se uma espécie de especialista em pesquisa nesses estados dissociativos e grande parte de seu trabalho no programa MK-ULTRA da CIA concentrou-se na sua criação. Os registos revelam êxito na criação de amnésia, memórias falsas, personalidades alteradas, identidades falsas e muito mais, todas horripilantes e trágicas para os indivíduos envolvidos, todas da pesquisa de West com métodos para "interromper as funções que, normalmente, integram a personalidade" e tornar as pessoas totalmente sujeitas a um controlo remoto.

MEMORY'S GHOST

Philip J. Hilts

Quando West morreu em 1999, o New York Times, novamente fiel à sua forma, publicou um delicioso obituário escrito por Philip J. Hilts, que descreveu West como "um líder carismático em psiquiatria", um homem cujo trabalho "se centrava em pessoas que foram levadas aos limites da experiência humana, “como prisioneiros de guerra com lavagem cerebral”, vítimas de raptos e crianças abusadas”, sem se preocupar em mencionar que o suposto foco de West nessas pessoas não significava que ele estivesse a cuidar delas, mas que ele criou essas condições. West era, de facto, o homem que fazia a lavagem cerebral e o abuso de crianças, e não estava a cuidar dos seus males. Hilts disse-nos que West testemunhou outrora uma execução e permaneceu, para sempre, contra a pena de morte  infligida aos prisioneiros. Parece lamentável que ele não seja contra a pena de morte das suas próprias vítimas. O New York Times diz-nos que West era "uma figura colorida, uma pessoa viva". Que bom. Todos os obituários tendem a ser lisonjeiros quando são escritos por familiares ou amigos, embora as necrologias destinadas somente a elogios sejam escritas pela comunicação mediática principal que tem um efeito poderoso na história no branqueamento, no arejo e na reescrita - o que certamente teria sido a intenção do New York Times. Nada mais poderia explicar essa descrição brilhante.

Devo discordar por um momento para discutir uma doença geralmente referida como Transtorno de Personalidade Múltipla ou Transtorno Dissociativo da Personalidade, uma condição na qual uma pessoa desenvolve várias 'personas' ou personalidades distintas na sua mente, geralmente totalmente afastadas umas das outras e a maioria, frequentemente, criada como um mecanismo de defesa para proteger uma mente vulnerável à destruição devido aos horrores que ela sofreu. Em termos simples, uma mente torturada que testemunha e experimenta horrores indescritíveis, eventos terríveis demais para conviver, criará uma personalidade adicional na qual essa mente viverá, afastando a outra da consciência. São os próprios horrores, que consistem em todo tipo de abuso físico e sexual, tortura, tratamento com drogas e electrochoques, talvez testemunhando as mortes ou assassinatos de outras crianças, que forçam a criação destas múltiplas personalidades, aparentemente tão fácil de realizar quando feito em crianças de tenra idade.

A amnésia entre estas múltiplas personalidades é total: ao funcionar numa personalidade, o indivíduo (neste caso, a criança) não tem conhecimento da existência das outras e funciona como uma pessoa totalmente diferente. As paredes entre estas várias personalidades são construídas em aço. O objectivo de criar estas múltiplas personalidades é que o "médico" possa controlá-las, evocar qualquer uma delas a qualquer momento e, em sentido real, "desenhar" cada uma delas, criando para ela falsas lembranças, histórias, atitudes, padrões de comportamento, lealdades, moralidades, tudo e, especialmente, a obediência. Para compreender este processo, o leitor terá de pensar, vagamente, numa pessoa hipnotizada, a encenar e a seguir à letra várias sugestões pós-hipnóticas e, mais tarde, com amnésia total. Muitos psiquiatras alegaram que, na prática, este objectivo não é muito difícil de ser conseguido; a teoria e os métodos foram bem confirmados.

Na realidade, um assunto que percorreu todas as facetas do programa MK-ULTRA de Gottlieb, e que foi declarado, claramente, num documento MK-ULTRA de 1955, foi a pesquisa detalhada e minuciosa de "substâncias que produzam amnésia total e perda de memória [mesmo à custa de] dano cerebral permanente "em indivíduos que foram condicionados por psiquiatras da CIA, a amnésia incluindo não só as acções executadas pelas suas personalidades alternativas, mas também o facto de terem sido programadas.

An Army of Sexually Abused Children Hidden by the Feds – MK-Ultra ...

Um exército de crianças vítimas de abuso sexual escondidas pelos federais

O leitor pode ver o potencial militar e de espionagem dessas pessoas quando preparadas desde a infância até ao início da idade adulta através desse método. As personalidades alternativas podem ser mensageiras de informações, que residem numa personalidade oculta e não estão disponíveis para o conhecimento consciente de outra, e podem ser recuperadas apenas por um agente no lado receptor. Uma personalidade pode ser um mensageiro de drogas ou um assassino treinado não só para matar sem remorsos, mas para se suicidar voluntariamente, se for apanhado. Outra personalidade, e uma na qual Gottlieb e os seus homens se especializaram, foi a criação de uma Lolita, uma pervertida sexual infantil, sem moral ou inibições, cujo treino e propósito são baseados na arte de apelar os homens sexualmente, comprometendo-os, como sendo uma preparação para chantageá-los ou até matá-los, se o compromisso falhar. Com efeito, um robot que seguirá sem hesitação quaisquer comandos ou instruções. E o método para forçar a criação dessas múltiplas personalidades programáveis ​​está no abuso da criança. Abusos físicos e sexuais, tortura, dor, electrochoque, tratamentos com drogas e não só experimentando pessoalmente, mas também testemunhando horrores indescritíveis a outros, irão criar automaticamente o campo fértil de várias personalidades que o médico agora pode programar.

Great crocodile' of apartheid dies at 90 | World news | The Guardian

P.W. Botha

A CIA não só aprendeu bem estas lições, como as promulgou e ensinou a muitos outros dos seus ditadores fantoches, em todo o mundo. Um destes exemplos, um homem que aprendeu bem estas lições e não perdeu tempo a pô-las em práctica, foi P.W. Botha, a quem o Presidente dos EUA, Ronald Reagan, instalou como ditador Presidente da África do Sul, no início dos anos 80. Botha aprendeu perfeitamente as lições e não teve dificuldade em criar precisamente um exército de robots, detentores de várias personalidades que o obedecesse sem questionar ou sem qualquer hesitação e se auto-destruísse após o fracasso. Como fazendo parte da sua criação de horrores, ele reunia crianças pequenas e deixava-as assistir aos seus homens a cortar as orelhas, os narizes e os membros dos civis que desafiavam o seu governo. Mas Botha era mais famoso por prender rapazinhos de 10 anos de idade, matar os pais na frente deles, violar jovens enquanto eles assistiam e depois recrutá-los para lutar no seu exército. Personalidades múltiplas instantâneas. A CIA treinou mais do que um desses dirigentes.

George Estabrooks

O hipnotismo também era uma parte importante do programa de controlo mental da CIA. George Estabrooks era perito em hipnotismo, que ele estranhamente igualava a criação de múltiplas personalidades, quase insistindo que eram os dois lados da mesma moeda. Talvez sejam: Não faço ideia. Aparentemente, Estabrooks utilizou a sua versão da hipnose para "programar" agentes do governo dos EUA, embora não seja claro em que base era feito o registo. No entanto, foi citado como tendo dito: "A chave para criar um espião ou um assassino eficiente repousa na divisão da personalidade de um homem ou na criação de múltiplas personalidades, com a ajuda do hipnotismo ... Isto não é ficção científica. Já o fiz".

A seguir, apresento um extracto de um documento que recebi, mas cuja fonte não consegui confirmar. Com o devido reconhecimento ao autor original, apresento-o tal como o recebi:

"Nos seus trabalhos publicados, Estabrooks declarou, abertamente, que o que era necessário era um sujeito que sofresse de Transtorno de Personalidade Múltipla (TPM) que, como ele disse  “já poderia existir dentro do indivíduo ou ser criado pelo terapeuta". No entanto,em todos os casos, a doença é criada por um trauma grave - tão grave que o episódio traumático não pode ser integrado nas experiências da personalidade central. A causa mais comum de TPM é, de longe, o abuso na primeira infância, geralmente infligido por um dos progenitores ou por outro tutor adulto. Como o Dr. Frank Putnam declarou em 1989: "Estou impressionado com a qualidade de sadismo extremo que é relatado pela maioria das vítimas de TMP. Muitos pacientes com múltiplas personalidades falaram-me de serem abusados sexualmente por grupos de pessoas, de serem forçados a prostituir-se por membros da família ou de serem oferecidos como sedução sexual aos namorados da mãe. Depois de se trabalhar com vários pacientes com TPM, torna-se óbvio que o abuso infantil grave, contínuo e repetitivo é um elemento importante na criação da doença de TPM".

Dr. Frank Putman

Quando o abuso é de natureza extrema, a reacção humana natural é construir um muro em torno de tais experiências, por assim dizer, criando uma personalidade separada e distinta para lidar com futuros episódios de abuso. Depois da personalidade principal ser dividida, é possível controlar uma ou mais das [personalidades alternativas] criadas, sem o conhecimento consciente da personalidade principal. Isto, de acordo com Estabrooks, cria o 'Super Espião', disposto a seguir, inquestionavelmente, qualquer ordem, sem mesmo estar consciente de que está a fazê-lo.

Estabrooks escreveu que: "todos poderiam ser lançados no estado mais profundo deste tipo de hipnotismo pelo uso do que eu denominava ...’sem restrições’, a desintegração deliberada e intencional da personalidade através da tortura psíquica ... O indivíduo pode deixar facilmente um problema mental, mas a guerra é um negócio sombrio". Também disse que as crianças são sujeitos de experimentação especialmente bons porque são "notoriamente fáceis de hipnotizar" ou, como outro escritor disse, com exactidão: "Ou seja, as crianças são particularmente vulneráveis ao abuso e têm mais tendência a dissociar experiências traumáticas, criando assim identidades [alternativas] que podem ser exploradas e controladas posteriormente".

Outro documento da CIA, datado de 7 de Janeiro de 1953, trata longamente de um médico a relatar aos seus colegas alguns dos seus êxitos, vangloriando-se ao mesmo tempo de que, com o seu acesso aos departamentos do Congresso, pôde chamar dezenas de jovens para participar numa breve  “experiência" de hipnose, para depois ter relações sexuais com todas elas, e introduzir amnésia total para que não se lembrassem de nada do que tinha acontecido. Ele descreveu outro exemplo, ao hipnotizar uma empregada de balcão e dizer a uma jovem que a outra era uma agente estrangeira perigosa que pretendia matá-la e ela,  ao que tudo indica, pegou numa arma descarregada (que acreditava estar carregada) e disparou-a em obediência ao seu comando para matá-la. Ela teve amnésia completa após esta ocorrência.  Descreveu ainda outro acontecimento em que hipnotizou outra jovem e a fê-la roubar arquivos Top Secret, tirá-los do prédio onde se encontravam e entregá-los a um estranho, completamente desconhecido, que encontrou na rua.

 As personalidades múltiplas induzidas por traumas, incluindo a hipnose, eram a parte principal, se bem que a mais mais desconhecida, do programa MK-ULTRA e, como o leitor irá verificar, de certeza a mais depravada e mortal.



"Stargate Research"

Voltando ao SRI, no que às vezes era designado como "Stargate Research", feito inteiramente com o foco da atenção na biotecnologia militar. Os Institutos Americanos de Pesquisa/ American Institutes of Research (AIR) em Washington também estavam envolvidos na pesquisa e na avaliação do que era designado como "visão remota" ou do uso potencial de fenómenos psíquicos (ESP) em aplicações militares e nacionais. Por tudo isso, os arquivos governamentais desclassificados revelaram a vastidão de várias séries de experiências de controlo da mente e de modificação de comportamento realizados em prisões, hospitais psiquiátricos e campus, de 1950 até ao início da década de 1970, com cerca de 45 instituições e laboratórios envolvidos nesta pesquisa secreta e desumana do cérebro, dos quais o SRI fazia parte integrante.

Dr. Karl Pribram

A ideia de controlo da mente esteve no centro de muitos programas da CIA durante este período, a maioria envolvendo subterfúgios políticos e todos geralmente projectados para servir as ambições geopolíticas americanas até bem depois da guerra do Vietname. Durante muitos anos, o SRI foi descrito como uma "colmeia de subterfúgios políticos secretos", e existem muitas razões para suspeitar que as pequenas inundações de terror que surgiram repentinamente na Califórnia durante esse período, todas tiveram as suas origens nos programas MK-ULTRA e SRI da CIA. Por um lado, a CIA experimentava um programa de controlo mental desesperadamente secreto na Prisão de Vacaville, na Califórnia, usando drogas como LSD, máquinas de controlo mental e muito mais, tudo com fundos secretamente canalizados através do SRI. O Dr. Karl Pribram, director do Laboratório de Pesquisa em Neuropsicologia, foi um forte defensor dessas máquinas EM de controlo da mente, afirmando: "Claro que eu poderia educar uma criança colocando um elétrodo no hipotálamo lateral e seleccionando as situações pelas quais crio o estimulo.Através dessas máquinas posso mudar bastante o comportamento dessa criança". A revista 'Psychology Today' elogiou generosamente Pribram na época como sendo o "Magalhães da Ciência do Cérebro".

As forças armadas da CIA e dos EUA tinham-se envolvido em experiências substanciais de modificação de comportamento que envolveram crianças durante décadas, estando a maior parte dessa actividade profundamente enterrada, as contas higienizadas e os registos destruídos. Num desses casos relatados, os Drs. Sidney Malitz, Bernard Wilkens e Harold Esecover realizaram experiências, desta vez financiadas pela CIA e pelo Serviço de Saúde Pública, em 100 pacientes psiquiátricos, usando vários medicamentos e outras técnicas psicocirúrgicas de controlo da mente, após as quais todos os 100 pacientes receberam lobotomias e depois foram ignorados. Muitos testes e experiências semelhantes ocorreram no reformatório juvenil de Bordertown, em Nova Jersey, um local horrível de muitas experiências de modificação de comportamento e controlo da mente da CIA infligidas em crianças, levadas a cabo, em grande parte, por um Dr. Carl C. Pfeiffer , da Universidade de Emory.

The assassination of Bobby Kennedy: Was Sirhan Sirhan hypnotized ...

Sirhan Sirhan

Uma nota lateral assustadora, relacionada com essas experiências são as afirmações persistentes e, em alguns casos, provas consideráveis de que alguns indivíduos famosos do passado da América, foram vítimas dessas experiências MK-ULTRA. Incluem o "unabomber" Ted Kaczynski, Sirhan Sirhan - que disparou contra Robert Kennedy e Lee Harvey Oswald - o homem que supostamente matou o Presidente dos EUA, John Kennedy. Dizia-se que o superior de longa data de Oswald era especialista em MK-ULTRA, assim como vários outros atiradores de aluguer das ‘Black Operations’ da CIA, muitos dos quais morreram em circunstâncias questionáveis apenas alguns dias antes de depor contra a CIA, e devido a essas mesmas operações.

'Somos todos um pouco Ted Kaczynski'

Theodore Kaczynski

Muitos americanos estão, pelo menos, vagamente familiarizados com Theodore Kaczynski, conhecido popularmente como "Unabomber", que se envolveu numa campanha de bombardeamentos nos EUA, desde o final da década de 1970 até ao início da década de 1990, mas poucos eram conhecedores da verdade das suas circunstâncias e motivação, tendo a comunicação social, simplesmente, catalogado-o como "um anarquista". A verdade é bastante mais complexa e muito mais politicamente ameaçadora. Kaczynski era um génio. Entrou em Harvard aos 16 anos, obteve um doutoramento em matemática, com uma tese tão complexa que nem os seus professores conseguiam compreender. Um membro da sua comissão de dissertação afirmou que talvez houvesse apenas dez pessoas na América que pudessem entender ou apreciar a sua complexidade exótica. Kaczynski era Professor titular aos 25 anos. A CIA recrutou-o e algumas dúzias de outros jovens brilhantes em Harvard para o programa MK-ULTRA, sujeitando-os ao que poderíamos chamar generosamente de “experiências eticamente questionáveis” sobre o controlo da mente e modificação de comportamento, muito desse material foi-lhes aplicado sem o conhecimento deles. Nunca saberemos todos os pormenores, mas durante vários anos foi administrado a Kaczynski grandes quantidades de LSD, MDMA - uma droga habitualmente designada como 'ecstasy' e outras drogas psicotrópicas. As mentes desses estudantes foram destruídas, assim como as suas vidas, e Kaczynski, que já não era mais capaz de funcionar integrado na sociedade, mudou-se para uma pequena cabana nas montanhas para viver a sua vida sozinho com a sua dor. Em vez de ser anarquista, a campanha de bombista de Kaczynski era ao mesmo tempo um pedido de ajuda e uma busca de vingança. O governo dos EUA nunca reconheceu o seu papel neste caso, nem nos outros mencionados acima. Sobre este tema, existem muitos segredos obscuros escondidos.

Hearst, Patty

Patty Hearst

Para aqueles que ainda se lembram da década de 1970, há muitas provas de que organizações como o Exército Simbionês de Libertação (SLA) emanaram directamente desses programas da CIA/SRI, muitos dos indivíduos envolvidos tendo sido presos e testados na odiosa Prisão de Vacaville. Essas organizações incluíam pessoas como Donald DeFreeze, também conhecido como Cinque, que era o líder do SLA e famoso pelo sequestro de Patty Hearst, Patty também tendo sido 'programada' durante o seu cativeiro com drogas, tortura e um regime do que era politicamente denominado como os métodos de "coerção persuasiva" desenvolvidos por West. Verificou-se que Patty Hearst era quase um exemplo de um compêndio sobre personalidades dissociativas múltiplas que West se tornou tão hábil em criar. Para quem não sabe, Patty Hearst era neta do famoso editor americano William Randolph Hearst, que, quando tinha 19 anos de idade em Berkeley, Califórnia, foi sequestrada por esse grupo, mantida em cativeiro e, ao que tudo indica, programada e tornou-se parte do grupo, tendo-se envolvido em vários crimes, incluindo assaltos a bancos. Foi libertada ao fim de dois anos e passou muitos mais anos em dolorosa desprogramação psiquiátrica.

Peoples Temple Documentary - YouTube

Jim Jones - O Povo do Templo

 Houve também o episódio bizarro de 'O Templo dos Povos' e do seu dirigente Jim Jones, mais conhecido pelos acontecimentos de 18 de Novembro de 1978, quando toda a massa humana desse culto se mudou para um local na Guiana e cerca de 1.000 pessoas morreram num assassinato/suicídio em massa no seu núcleo de povoamento, chamado Jonestown. Trata-se de um acontecimento muito complicado, e a história oficial mudou tantas vezes e tinha tantos buracos que ninguém sabia no que devia acreditar. Não pesquisei muito sobre esta história, mas, nesta altura, salientaria quatro pontos:

1 – que, ao que tudo indica, Jones obteve muitos dos seus membros de culto, de uma instituição mental intimamente associada à pesquisa de drogas da CIA;

2 -  que os poucos sobreviventes do grupo testemunharam ter sido submetidos a injecções diárias de drogas e a "programação";

3 - que algumas das fotos publicadas sobre o local da morte exibiam caixas e caixas de vários tipos de medicamentos e seringas;

4 -  que existia uma rede distinta de associações e contactos nesse grupo que incluía a CIA e um número considerável de suspeitos comuns mencionados em todo este capítulo.

Resumindo, muitas oportunidades para alimentar mentes baseadas em indícios.

"Zebra Killers" mugshots, 1974 - l to r, Manuel Moore, Larry Green, Jessie Lee Cooks, JCX Simon.jpg

"Assassinos Zebra"

Na verdade, existem provas consideráveis ​​de que Gottlieb e o seu grupo MK-ULTRA que foram responsáveis ​​por grande parte da programação de pessoas como Sirhan Sirhan e Ted Kaczynski e é mais do que provável que o grupo de Gottlieb também tenha sido responsável pela concepção e programação dos "Assassinos Zebra" que resultaram numa onda repentina de quase 300 assassinatos sem sentido, selvagens e aleatórios, sem qualquer aparência de motivação, que varreram a Califórnia durante o final da década de 1960 e o início da década de 1970. Essas e muitas das séries de assassinatos em série que atormentaram a Califórnia durante quase essa década, todas tinham padrões semelhantes demais para serem coincidências, todas ligadas a muitas das mesmas pessoas e instituições, incluindo os laboratórios de controlo mental da Prisão de Vacaville da CIA, para serem consideradas ocorrências aleatórias. Todos os assassinatos tinham padrões semelhantes aos dos assassinos (jovens pretos) consistentemente descritos pelas testemunhas como "zombis", sem vida, sem expressão e sem emoção, simplesmente, a matar e a fugir. Estudantes, empregados de balcão, pessoas que passeavam na rua ou que esperavam autocarros, outras na lavandaria ou num telefone público, com muitas vítimas não só a ser baleadas várias vezes, mas também frequentemente, cortadas com facas e os assassinos simplesmente fugiam. Nem os assassinatos nem as vítimas tinham algo em comum; tudo parecia ser aleatório e sem provocação ou motivo. Os assassinatos causaram pânico generalizado em muitas partes da Califórnia. Um grupo de assassinos, quatro jovens, foram detidos quando um membro do grupo revelou pormenores à polícia. Nunca foi descoberta nenhuma causa ou motivação, mas a suspeita centrou-se firmemente na programação psico-narcótica da CIA e de Gottlieb, pois era esse, precisamente, o tipo de resultado com que o programa foi projectado provocar.

Numa ocorrência, uma mulher idosa e o marido caminhavam numa rua, quando uma jovem se aproximou deles e, de repente, com uma rapidez surpreendente de movimento, puxou uma faca e cortou a garganta da mulher até ao osso. A seguir, a jovem e a sua companheira de meia-idade, caminharam até ao carro, um BMW azul descapotável e partiram calmamente. A jovem agressora não foi encontrada, mas a polícia localizou e questionou a companheira que, depois de alguns telefonemas, foi inexplicavelmente libertada sem haver acusação. Este ataque aconteceu de tal maneira, sem motivação e sem sentido, como todos os outros, levando os observadores informados a concluir que a programação da jovem tinha sido activada acidentalmente, que ela tinha  efectuado o que estava programado e que a companheira era a agente manipuladora da CIA, o que explicava as ligações telefónicas e a libertação posterior.

Durante o início da década de 1970, estes 'Senhores do Caos' transformaram a Califórnia num campo de extermínio. Tínhamos o Zodiac Killer(Assassino do Zodíaco), o Hillside Strangler(O Estrangulador da Colina), o Freeway Killer (Assassino da Autoestrada), o Death Angel (o Anjo da Morte), os Manchurian Candidates (Candidatos da Manchúria) e mais ainda, ao que tudo indica, todos eles vitimas programadas através do MK-ULTRA, do Projecto CHATTER e do Projecto AL CONSTRAN. Muitos dos relatórios de testemunhas reproduzem este formato:

"Na noite de 25 de Junho de 1988, ... recebeu um telefonema. Quando respondeu, tal como no filme 'O Candidato da Manchúria', pareceu entrar numa espécie de transe. Mesmo que fosse o seu dia de folga, vestiu o uniforme de segurança, carregou um revólver 357 e foi directo para o posto de guarda num armazém em Concord, CA, onde matou duas pessoas e feriu outras cinco como aconteceu num tiroteio na Turquia. Os assassinatos foram totalmente não provocados e ele foi descrito pelas testemunhas como apresentando não só um semblante inexpressivo durante o ataque a pessoas inocentes, mas também "como um zombi" e "numa espécie de transe". "Estava a olhar para mim, mas estava a enxergar através de mim." A polícia disse que, quando o prenderam, a sua única declaração foi “Que a Força esteja Consigo".

Houve muitos destes incidentes na Califórnia durante este período, com todos os sinais e semelhanças de um contágio por vírus. Se pensarmos numa epidemia de gripe, a infecção começa lentamente, depois atinge rapidamente um apogeu, uma espécie de ponto de crise de grande preocupação pública, então, quase de repente, diminui e desaparece. Foi esse o caso destes assassinatos violentos e inexplicáveis e dos ataques selvagens que nunca tinham ocorrido antes; começaram, progrediram rapidamente para se tornarem uma epidemia de assassinatos aleatórios, sem sentido, de "zombis" e depois, pararam subitamente, para nunca mais ocorrer. Foi este padrão, combinado com o conhecimento dos programas da CIA, de controlo da mente, que levou muitos a acreditar que esta onda de actividade bizarra era o resultado de experiências de controlo da mente, da CIA e, seguramente havia muitas provas circunstanciais a apoiar estas conclusões.

 

Richard Helms da CIA

Se não houvesse tanta documentação e evidência a apoiar tudo isto, pareceria algum tipo de pesadelo horrível e pervertido ou um roteiro de um filme de terror. Mas não é um pesadelo. É real e, provavelmente, esta é a principal razão pela qual o Director Helms da CIA ordenou, repentinamente, o desaparecimento total de todos os registos do Programa MK-ULTRA, da CIA, destruídos logo que o programa foi descoberto acidentalmente.

The Scientology Wars - Jolly West - Part 2 - YouTube

         UCLA VIOLENCE Project

No grupo de Sid Gottlieb, também havia cientistas que introduziram eléctrodos no cérebro humano e noutras experiências de controlo da mente, mesmo realizadas em crianças até aos quatro ou cinco anos de idade, todas elas com a intenção de criar um 'Candidato Manchuriano' perfeito, além de apagar certas memórias e criar memórias artificiais e, é claro, o controlo total do indivíduo. Esta pesquisa sobre implantes de eléctrodos foi financiada pela CIA e pelo MKULTRA em conjunto com o Departamento de Pesquisa Naval dos EUA e supervisionada, principalmente, pelo nosso famoso Dr. West. De facto, West começou o que foi designado como "Projecto de Violência da UCLA" na prisão de Vacaville, onde Donald Defreeze, ao que tudo indica, estava programado. Se bem me lembro, os projectos receberam uma grande quantidade de financiamento.

The work of Jose Delgado, a pioneering star

Dr. José Manuel Rodríguez Delgado

Algumas das experiências da CIA incluíram a inserção de eléctrodos com a libertação simultânea de drogas ou produtos químicos directamente no cérebro. O Dr. José Manuel Rodríguez Delgado foi a pessoa encarregada pela CIA de dirigir grande parte deste trabalho. Delgado era Professor de Fisiologia na Universidade de Yale, famoso pela sua pesquisa em controlo da mente através da estimulação eléctrica de regiões do cérebro, que usava um transceptor de rádio combinado que estimulava e controlava o Electro Encefalo Cardiograma das ondas cerebrais da vítima que eram usadas para controlar o comportamento. Foi Delgado que criou os dispositivos implantáveis ​​que libertavam quantidades controladas de um medicamento em áreas cerebrais específicas, que deveriam afectar o controlo total de um indivíduo em conjunto com os sinais de rádio. Uma das suas experiências mais conhecidas  foi com um touro. Delgado entrava na arena com um touro que tinha um dos receptores implantados mo seu cérebro; o touro atacava, Delgado pressionava um botão e o touro parava. O vídeo desta experiência ainda pode ser visto hoje.  The video of this can still be seen today.

Mas Delgado não ficou somente em experiências com touros, pois o seu objectivo era o controlo humano. Como cobaias, a CIA forneceu-lhe as instalações de pesquisa em hospitais psiquiátricos, onde ele tinha à disposição muitas dezenas de pacientes detentores de vários transtornos mentais em cujos cérebros ele introduziria eléctrodos e mecanismos de drogas e 'executava pesquisas' sobre controlo humano à distância, assim como procedeu com o touro, controlando indivíduos da mesma maneira como, hoje em dia, usamos brinquedos de controlo remoto. Uma de suas experiências com humanos foi com uma jovem de 16 anos, havendo ainda hoje um vídeo disponível, de Delgado a provocar vários estados emocionais e acções através dos  mecanismos de controlo remoto por rádio. Foi capaz, só com o pressionar de um botão, de alterar o seu estado mental e emocional de agradavelmente relaxado, ao ponto de bater furiosamente  numa parede. Noutro teste, colocou um menino de dez ou onze anos a exibir uma série surpreendente de comportamentos, desde normal a bizarro, tudo ao apertar esses mesmos botões. Num momento, o garoto está a falar normalmente e, no momento seguinte, está totalmente confuso sobre a sua identidade, incerto se é menina ou menino. Ao pressionar novamente o botão, a criança volta ao normal. Não houve motivo para deduzir que alguma das vítimas de Delgado tenha dado o seu consentimento consciente para a aplicação desses testes e há muitas razões para assumir que, pelo menos, centenas, senão milhares de vítimas, pois ele tinha à sua disposição um número ilimitado de indivíduos indefesos, visto que a CIA lhas fornecia dos orfanatos e das prisões, das instituições mentais e outras fontes. Como o leitor poderá constatar mais à frente, através de um exemplo,a CIA também raptou, de facto, crianças das suas famílias sob o pretexto de ministrar o tratamento necessário para curar uma doença.

Para dar alguma indicação do funcionamento da mente deste homem, o site da HRV Canadá forneceu esta jóia de uma citação de Delgado:

"Precisamos de um programa de psico-cirurgia para controlo político da nossa sociedade. O objectivo é o controlo físico da mente. Todos os que se desviam da norma especificada podem ser mutilados cirurgicamente. O indivíduo pode pensar que a realidade mais importante é a sua própria existência, mas este é, apenas, o seu ponto de vista pessoal. E carece de perspectiva histórica. O homem não tem o direito de desenvolver a sua própria mente. Esta espécie de orientação liberal tem grande apelo. Precisamos de controlar electricamente o cérebro. Chegará o dia em que os exércitos e os generais serão controlados pela estimulação eléctrica do cérebro”.

Johnlilly4.jpg

John Cunningham Lilly

Houve também outro americano famoso na pessoa de John Cunningham Lilly, neurocientista e psicanalista especializado em pesquisar para a CIA", entre outras coisas, “a natureza da consciência”. Uma das suas especialidades era o controlo da mente através da privação sensorial, uma condição que ele aprimorou com a criação do uso de tanques de isolamento, frequentemente em combinação com várias drogas psicadélicas – a combinação favorita de Gottlieb. Ao que tudo indica, a sua combinação de privação sensorial e de compostos alucinógenos poderia fazer maravilhas na programação de indivíduos. Não lhe faltando imaginação, Lilly foi o homem que concebeu e desenvolveu o conceito de introduzir eléctrodos e transceptores nos cérebros dos golfinhos, controlando-os com sinais de rádio, amarrando minas ou bombas poderosas aos seus corpos e obrigando-os a nadar em direcção aos navios inimigos onde as bombas seriam detonadas por controlo remoto. O disfarce perfeito, já que todo mundo sabe que os golfinhos são amistosos. Os EUA fizeram bom uso desta técnica no Vietname.

Dr. John Gittinger 

Existiu também o Dr. John Gittinger, protegido de Sidney Gottlieb, que desenvolveu um surpreendente complexo de personalidade e testes psicológicos aparentemente bastante precisos para orientar a CIA na determinação da melhor abordagem para manipular e comprometer indivíduos, incluindo transformar patriotas em espiões, além de converter donas de casa, enfermeiras e modelos de alta costura bem pagos, em prostitutas de espionagem muito eficientes, em assassinas e muito mais. Gittinger teve tanto êxito que a CIA construiu para ele um salão de festas especial, cercado por espelhos de visão única, onde os psicólogos da CIA podiam ver essas pessoas empenhadas em trabalhar. Ao que tudo indica, Gittinger era "perito" em fazer com que as suas vítimas perdessem contacto com a realidade externa, sem dúvida, juntamente com o LSD de Gottlieb. Também era, visivelmente, bastante bom em identificar os indivíduos que podiam ser facilmente hipnotizados, aqueles que entrariam em transe, rapidamente, em comparação com os que não o fariam, e também os que cumpriam, fielmente, todas e quaisquer sugestões pós-hipnóticas e, a seguir, experimentavam amnésia total. Eram os assassinos perfeitos.

Ehrlichman, John D.

John Ehrlichman

Gittinger aplicou os seus testes de "personalidade" a, pelo menos, 30.000 pessoas, pois que tinha arquivos que englobavam esse número, portanto, não foi um exercício insignificante para a CIA. E, como se tratava da CIA, ele estava especialmente interessado em personalidades pervertidas, ou naquelas que poderiam ser corrompidas, em personalidades com vícios ou com fraquezas que poderiam ser programadas ainda mais, especialmente, para se tornarem traidoras e nas que seriam mais susceptíveis à influência de drogas psicadélicas. Trabalhou em estreita colaboração com Harris Isbell, que dirigia o programa do controlo de drogas MKULTRA no hospital de detenção de Lexington, Kentucky, que enviava centenas de pessoas que poderiam ser levadas a "impulsos incontroláveis", especialmente de natureza sexual ou assassina. Ou ambos. Esse era um dos principais usos da sala de festas com os espelhos de visão única. Ironicamente, foi Gittinger que, inadvertidamente, pôs as rodas em movimento do ‘impeachment’ e renúncia do então Presidente dos EUA, Richard Nixon. Quando Daniel Ellsberg  lançou os Pentagon Papers /Documentos do Pentágono, John Ehrlichman, assistente pessoal de Nixon, providenciou para que a CIA invadisse o consultório do psiquiatra de Ellsberg para obter uma cópia da personalidade e do teste emocional de Gittinger sobre esse homem, destinado a ser usado pela CIA "como uma espécie de roteiro psicológico para comprometer Ellsberg", assim como eles exploraram as fraquezas de tantos outros. Infelizmente, os ladrões estragaram o trabalho.

Havia uma história documentada de uma enfermeira americana que, depois de completar o treino ministrado por Gottlieb e Gittinger, "tinha oferecido o seu corpo ao país" e que estava a ser programada como a Mata Hari pessoal de um diplomata russo, em particular, e que o levou a desertar a favor dos EUA ou a ficar tão comprometido, que poderiam chantageá-lo para que se tornasse um espião americano e quando fosse necessário, "exterminá-lo". Muitos desses encontros com os chamados "alvos de recrutamento" ocorreram na sala de espelhos de visão especial e foram todos gravados em filme, uma parte da tecnologia sexual desenvolvida nos esconderijos da CIA, em San Francisco, como parte da Operação Clímax da Meia-Noite. A equipa de serviços técnicos de Gottlieb, ao que tudo indica, acumulou uma vasta experiência e uma abundância de "voluntárias" para essas operações de sequestro sexual, afirmando: "Tínhamos mulheres preparadas – uma récua delas", que eram adeptas não só da sedução, mas de todo o  tipo de actividade sexual e assassinato, a favor da segurança nacional do seu país.

Outra parte deste mesmo programa estava projectada para controlar totalmente os indivíduos, “Fui enviado para lidar com os aspectos mais negativos da conduta humana. Foi uma destruição planeada. Primeiro, teria de verificar se poderia destruir o casamento de um homem. Se pudesse, então seria suficiente colocar o indivíduo numa condição de grande stress para destruí-lo. Depois, poderia começar uma pequena campanha contra ele. Assediá-lo constantemente. Imobilizar o carro dele no meio do trânsito. Muito disto é ridículo, mas pode ter um efeito cumulativo". A teoria, de acordo com os testes de personalidade de Gittinger, era que a criação de stress suficiente a partir de perdas pessoais destrutivas, combinada com outra programação, incluindo a aplicação de drogas psicoquímicas, torná-lo-ia num inimigo ou o deixá-lo-ia totalmente neutralizado.

 A CIA fez tudo isto não só na América, mas em todo o mundo, usando os ‘perfis de personalidade’ de Gittinger para identificar os dirigentes militares e outros líderes das nações que os EUA queriam controlar. Os testes psicológicos, combinados com todos os outros truques sujos das transacções comerciais, e certamente incluindo enfermeiras, donas de casa e modelos de alta costura que poderiam ser persuadidas a desenvolver "impulsos incontroláveis" para "oferecer o seu corpo para o bem do seu país", ajudaram muito o governo dos EUA a colocar no poder aqueles que eles poderiam contar que obedecessem ao seu senhor e dono colonial. A Coreia do Sul e o Japão são dois bons exemplos, assim como muitos países da América Latina. A CIA, com a imensa assistência de Gottlieb e Gittinger, conseguia sempre identificar aqueles que tinham a "maior probabilidade de sucumbir".

John Mulholland (magician) wwwfrankolsonprojectorgGraphicsMulhollandcoverjpg

John Mulholland

Até a magia participou na versão mundial de Gottlieb. Na década de 1950, John Mulholland, cujo nome verdadeiro era John Wickizer, era talvez o mago mais famoso dos EUA, altamente considerado pelas suas capacidades, tanto no palco como em locais próximos. Foram estas últimas qualidades que interessaram tanto Gottlieb que ele contratou Mulholland para o Projecto MKULTRA a longo prazo, a fim de  criar um programa abrangente de treino destinado a agentes da CIA. O plano era treinar agentes no campo para misturar e distribuir clandestinamente drogas, agentes químicos e venenos letais para as vítimas, trocar informações secretamente, roubar, desembaraçar-se de provas e, de um modo geral, aprender todos os truques úteis do comércio exorcista. Mulholland acabou por criar um Manual de Truques e Enganos da CIA que ainda está classificado como Top Secret, 60 anos depois, embora tenha sido publicada e esteja disponível uma versão simplificada. O principal interesse de Gottlieb parecia girar em torno da entrega de venenos e toxinas letais para aqueles que a CIA queria eliminar e fazê-lo sem ser detectada, mas o manual de Mulholland, ao que tudo indica, foi muito além, concentrando-se na sabotagem, na distribuição em massa de agentes patogénicos e muito mais. Abrangia mesmo secções separadas sobre métodos de magia para agentes masculinos e femininos e para os agentes que trabalhavam em pares.

Embora os projectos menos perversos do MK-ULTRA já tivessem sido revelados há mais de 20 anos, a parte realmente horrível do MK-ULTRA, a parte relacionada com a programação de crianças baseada em tortura, conseguiu escapar à atenção, principalmente, porque a CIA destruiu toda a documentação dos projectos e devido às vítimas terem sido programadas de maneira tão eficiente e bem sucedida. Foi quase um acidente do destino que revelou esses segredos mais sombrios.

As Vítimas do MKUlLTRA - Depoimento de Claudia Mullen da HRC  no Vimeo..

Em Março de 1995, o governo dos EUA estava a realizar sessões da Comissão Consultiva do Presidente sobre Experiências de Radiação Humana, com um grande painel de cientistas e médicos reunidos para ouvir os testemunhos dos projectos de longa data das forças armadas dos EUA, por conduzir explosões nucleares perto de áreas povoadas para determinar o efeito da radiação nuclear num público que não suspeitava desse procedimento. Foi numa dessas sessões que Claudia Mullen apareceu, trazendo consigo uma experiência semelhante e entregando à comissão, reunida numa enumeração enfadonha, documentação sobre um vasto programa da CIA que foi levado a cabo em crianças americanas das décadas de 1950 a 1970. Claudia e a sua associada entregaram as informações a um grupo de cientistas cada vez mais chocado e "visivelmente abalado", sobre o programa MK-ULTRA que submeteu, durante anos, inúmeras milhares de crianças submetidas a processos de abusos desumanos e a sangue frio, descrevendo uma programação baseada em traumas de controlo da mente, criada pela CIA, para moldar essas crianças como "Candidatos da Manchúria - espiões, assassinos e chantagistas sexuais". A Comissão, para seu crédito, realmente investigou e determinou que a CIA tinha efectuado, pelo menos, 4.000 experiências separadas, que abrangeram como vítimas, quase 25.000 crianças. Dada a vastidão do programa e o número de instituições e de cientistas e médicos envolvidos, muitos observadores suspeitam que o total de crianças vítimas possa ser muito maior.

Gottlieb tinha concebido e organizado uma vasta rede nos EUA e no Canadá, de experiências com crianças de tenra idade que envolviam mantê-las em cativeiro, sendo cada criança constantemente "programada" até à idade adulta. Muitas dessas crianças foram retiradas dos pais ou responsáveis ​​em tenra idade, com o propósito expresso de programá-las durante um período de dez anos ou mais. Outras foram retirados de orfanatos e, pelo menos, algumas foram ao que tudo indica, raptadas na rua pelos homens de Gottlieb, enquanto outras foram "compradas" a pais indiferentes, pais adoptivos ou a tutores/responsáveis. Através de documentos escapados e não classificados, conseguimos, finalmente, reunir algumas peças, com algumas das vítimas sobreviventes a apresentar-se agora, para contar as suas histórias. O governo dos EUA e a CIA ainda tentam negar factos que são agora amplamente desacreditados e, portanto, recorrem aos tribunais para declarar a ausência de responsabilidade por razões de segurança nacional - o refúgio final de um governo de covardes.


➤ La survivante MK-Ultra Claudia Mullen parle des orgies ...Karen Wiltshire foi uma dessas sobreviventes, uma das poucas capazes de provar a sua vitimização através da obtenção das fichas médicas da Universidade Johns Hopkins, onde o pai tinha trabalhado no Laboratório de Física Aplicada. Karen foi tirada aos pais e colocada numa lar de crianças em Johns Hopkins e, ao que tudo indica, disseram aos seus pais que a sua institucionalização era necessária devido a um raro defeito cardíaco. Karen permaneceu detida no lar de crianças de Johns Hopkins, de 1961 a 1970, foi constantemente alimentada com LSD, recebeu tratamentos com electrochoques, foi submetida a traumas repetidos e a abuso sexual e ao que chamou de "outras experiências estranhas". Disse que compreendeu, lentamente, que um dos propósitos do seu encarceramento era ser "treinada para eliminar emoções e sentimentos, pelo uso de torturas variadas e outras técnicas". Era uma das crianças do programa ‘Candidatos da Manchúria’, de Gottlieb.


Carol Rutz

Quando Karen começou, finalmente, a recordar essa parte profundamente enterrada do seu passado e, na verdade, obteve documentação e provas para confirmar as suas memórias, o governo dos EUA disse que ela era a única criança que teve essas experiências, mas na sua busca pela verdade sobre a sua própria vida, Karen encontrou muitos outros que, quando crianças, tinham experimentado um destino semelhante. Karen disse: "O plano era indemnizar algumas vítimas simbólicas e fazer desaparecer o resto.", e que fontes do Pentágono lhe disseram, desde então, que queriam a todo custo evitar a divulgação dessas histórias. O caso de Karen é importante porque ela não só abriu a caixa de Pandora sobre o seu caso, como também ajudou muitos outros a obter provas que confirmaram as suas próprias experiências semelhantes, nesta secção da Câmara dos Horrores de Gottlieb. Karen morreu antes de ver o resultado do seu intenso esforço que durou anos, para obter a verdade, mas conseguiu abrir uma porta para muitas outras vítimas infantis de Gottlieb. A história que quero contar é de Carol Rutz, uma pessoa que Karen ajudou e que viveu para ver alguns resultados. Os parágrafos a seguir são a história de Carol tirada de um discurso público que ela fez há alguns anos. Classifiquei e reorganizei os comentários dela e editei-os por questões de brevidade e fluidez. As palavras ainda são dela, mas só as que estão indicadas entre aspas são as citações precisas aspas.

• A Câmara de Horrores de Gottlieb

 Passaremos agora à história de outra sobrevivente chamada Carol Rutz, que não só recordou todo o seu passado sórdido com a CIA, como escreveu um livro a descrever a sua provação. Ela diz que muitas pessoas entraram em contacto com ela desde o lançamento do seu livro, dizendo que até lerem as suas experiências  “pensavam que estavam sozinhos e loucos". De facto, não estavam.

Carol começa por dizer: "Como sobrevivente do programa MKULTRA da CIA, iniciei a minha intensa pesquisa para documentar algumas das experiências de controlo da mente das quais fiz parte. Através de uma série de solicitações da FOIA a vários departamentos do governo e a pesquisas exaustivas, reuni uma quantidade incrível de material que ... valida as minhas experiências pessoais”. Prossegue:

"A CIA comprou os meus serviços ao meu avô, em 1952, a partir da tenra idade de quatro anos. Ele levou-me com minha pequena mala enquanto a minha mãe estava a dar à luz a minha irmã mais nova. Naquele dia, fui levada para Detroit, onde embarquei num avião para Nova York, para uma instalação financiada pela CIA a fim de realizar experiências secretas. ”A minha primeira viagem de avião terminou num pesadelo que me assombraria durante os 45 anos seguintes. Tornei-me uma experiência humana - parte da busca de uma maneira de obter o controlo da mente humana.  Durante o decurso dessas experiências, eles criaram [personalidades alternativas] para cumprir as suas ordens - "Candidatos da Manchúria" é um termo apropriado.

Nos doze anos seguintes, fui testada, treinada e utilizada de várias maneiras. Toda a programação que me foi feita pela CIA foi destinada a dividir a minha personalidade, tornando-me uma escrava obediente. Esta experiência foi baseada em traumas, usando métodos como electro choques, hipnose, privação sensorial e drogas. Mais tarde não foi mais necessário usar o trauma, apenas a hipnose realizada com estímulos implantados e ajustes ocasionais que ocorreram na Base da Força Aérea de Wright Patterson, não muito longe da minha casa ... outros tipos de trauma foram usados ​​para me fazer reclamar e dividir a minha personalidade (para criar várias personalidades para tarefas específicas). Cada [personalidade alternativa] foi criada para responder a um estímulo pós-hipnótico e, em seguida, realizar um acto e (que não me lembraria dele mais tarde). "Durante os primeiros dias das experiências, usaram o soro da verdade e os choques eléctricos para identificar [as personalidades alternativas] que residiam [então] em mim. Usaram técnicas de visualização para criar alterações para os seus propósitos nefastos".

Carol mencionou um livro do Dr. Colin Ross,, intitulado "Bluebird: Deliberate Creation of Multiple Personality by Psychiatrists"/"Bluebird: Criação Deliberada de Personalidades Múltiplas por Psiquiatras", afirmando que o seu livro "refere os médicos que estavam a trabalhar sob contratos do governo MKULTRA com o objectivo específico de alterar a mente e reconstruí-la. Esses médicos, e eu uso esse termo sem restrições, procuravam crianças que tivessem a capacidade de se dissociar da realidade para os seus projectos. E eu correspondia a esse padrão” 

Carol afirma que Sidney Gottlieb, o Director da equipa de Serviços Técnicos da CIA, que administrava o MK-ULTRA, estava directa e fortemente envolvido nos  seus abusos e na sua programação. Disse que uma parte dela era como "uma parte de bebé" que Gottlieb alimentava, segurava e nutria, como parte de um programa para ligá-la a ele no que ela descreve como para "estabelecer uma dicotomia interna em que eu pensava que dependia dele para a nutrição - comida, bebida, amor, etc." Em relação a Gottlieb, Carol disse ainda: "Quando ele morreu em 1999, a minha programação começou a deteriorar-se imediatamente. Era muito difícil gerir e permitir  sentimentos opostos de amor e ódio por esse homem. Parte de mim amava-o como pai e outras partes de mim sentiam ódio e desprezo".

Wilder Penfield Archive (P142) | McGill Library - McGill University

Dr. Penfield

 “Durante as experiências efectuadas em mim, os eléctrodos foram entubados e o meu cérebro foi sondado enquanto alguém na sala gravava o que estava a ser dito. O  Dr. Penfield disse-lhes que o meu cérebro era como um gravador e que ele só precisava de me fazer regredir no tempo. Ele fê-lo, ao tocar diversas zonas do meu cérebro. Continuaram a gravar as memórias induzidas pelas imagens do meu passado e mais tarde Sid Gottlieb usou-as para futuras sessões de programação. Estavam a ser captados flashes de energia detectáveis e foi feita uma gravação para garantir aos médicos que eles estavam realmente a trabalhar com partes diversas da minha personalidade, separadas e colocadas separadas do meu ‘eu’ que eles, finalmente, acabariam por despertar”.

Carol disse ainda que parte do que ela experimentou foi o que designou como "programação geral" dentro do principal "controlo de personalidade" e, depois disso, Gottlieb e os seus homens trabalhariam nas suas outras personalidades. Ela disse: "Uma das minhas crianças [personalidades alternativas] foi treinada sexualmente para comprometer homens em altos cargos, para que pudessem ser chantageados posteriormente". De acordo com a sua versão, ela experimentou uma grande quantidade de programação sexual, que "eliminou todas as convicções morais aprendidas de sobrevivência, para que o funcionamento pudesse ser realizado sem inibição [e incluiu] pornografia infantil, prostituição e treino sexual usado para benefício de um manipulador, com o objectivo de poder chantageá-la ou para seu uso pessoal".

Claudia Mullen, a quem me referi acima, descreveu experiências muito semelhantes durante a sua infância como prisioneira da CIA. No seu testemunho, referiu em parte:

"Fui ensinada a conversar com homens mais velhos e incentivada a fazer amizade com eles e, finalmente, quando tinha idade suficiente, fui enviada para o que eles designavam como terreno operacional e seria fotografada com funcionários do governo e de agências (CIA), médicos consultados, directores de universidades e de fundações privadas – sendo todos uma oportunidade de que, se os fundos do governo começassem a diminuir, eles pudessem chantageá-los ou coagí-los, de modo a garantir a continuação dos projectos. Era esse o objectivo final. Os projectos tinham que continuar a todo custo, tinham de treinar uma certa quantidade de jovens para utilizá-las, e eu fui enviada para um acampamento, em Maryland, durante três semanas, quando tinha nove anos, e esse foi meu primeiro treino sobre como para agradar sexualmente aos homens. Estava num curso de treino, como se fosse um seminário”.

Carol disse que "Foi criada outra personalidade alternativa e disse que era um robot destinado a armazenar informações" e que havia também "uma personalidade assassina treinada, uma assassina adormecida", que não sentiria medo e teria sido treinada para treinar alguns tipos de armas ou noutros métodos de matar. Outra parte foi "a programação de autodestruição instalada no caso de um sobrevivente começar a recordar-se. Foi usada para impedir que esses programas fossem levados ao conhecimento do público, em geral". Referiu ainda que outra parte do programa de autodestruição estava relacionada com assassinatos, no caso do sobrevivente ser capturado e que, em todos os casos, haveria uma amnésia total entre as diversas personalidades.

Ela descreveu que obteve um documento do governo datado de 21 de Novembro de 1951, publicado alguns meses antes de ser experimentado, pela primeira vez, no qual a CIA garantia que este projecto nunca seria divulgado. "O documento diz:" Será necessário ter muito cuidado com a ocultação completa do empreendimento. Não gostaria que ninguém  dos que estão aqui  (apagado), excepto (apagado) e eu mesmo, soubessem disso ... Os fundos necessários para apoiar o trabalho não terão identificação e não suscitarão perguntas. Mesmo internamente na CIA, o menor número possível de pessoas deve estar ciente do nosso interesse nestes campos, nem devem saber a identidade daqueles que estão a trabalhar para nós".

Outro do documento da CIA, de todos os que Carol obteve em 1951, declarava, especificamente, que "seriam realizados estudos experimentais ... e que será dada atenção especial a estados dissociativos ... Estes estados podem ser induzidos e controlados, em certa medida, através de hipnose e de drogas. Os experimentadores estarão particularmente interessados em estados dissociativos, e será feita uma tentativa de induzir vários estados deste tipo ... Serão instituídos estudos de aprendizagem em que o sujeito da experiência será recompensado ou punido pelo seu desempenho geral, e reforçados de várias maneiras com electrochoques, etc. Noutros casos, serão usadas drogas e truques psicológicos para modificar as suas atitudes. Como regra geral e de acordo com o nosso trabalho e com o trabalho de outros, há uma forte possibilidade de que, uma amnésia total ou quase total, seguir-se-á à aplicação da nossa  técnica.”

"Carol também fez referência a outro documento do governo, este de 1954, obtido de uma solicitação da FOIA e que enumerava algumas das áreas de foco deste programa. Vou referir aqui algumas delas que Carol anotou, mas observem primeiro, que o documento começa por especificar firmemente que estas experiências são "pesquisas práticas [e não] teóricas que estão a ser efectuadas ... A natureza desta pesquisa inclui 20 problemas específicos. "

• Poderemos, em questão de uma hora, duas horas, um dia, etc., induzir uma condição [hipnótica] num "indivíduo contra a sua vontade", a tal ponto, que ele executará uma acção em nosso benefício? (Actividade a longo prazo).

• Poderemos subjugar um indivíduo e, no espaço de uma ou duas horas, através de controlo pós-hipnótico, fazê-lo despenhar um avião, destruir um comboio, etc.? (Actividade curta e imediata)

• Podemos, por técnicas de [indução de sono] e [hipnose], forçar uma pessoa (contra a sua vontade ou não) a percorrer longas distâncias, cometer actos específicos e regressar até nós ou trazer documentos ou materiais? Uma pessoa que age sob controlo pós-hipnótico pode conseguir percorrer longas distâncias?

• Podemos garantir amnésia total em todas e quaisquer condições?

• Podemos criar um sistema para transformar indivíduos que não querem colaborar em agentes dispostos a fazê-lo e depois transferir esse controlo para agentes de agências não treinados a agir no terreno, usando códigos ou identificando sinais ou credenciais?

Mais uma vez, em circunstâncias normais, esta circunstância soaria como um pesadelo aterrorizante ou como  o roteiro de um filme de qualidade B, se não fossem os documentos do governo que atestam o planeamento e a execução precisa destes programas e destas experiências, e se não fossem os indivíduos que estão agora a recordar, precisamente, estas experiências em grande detalhe, bem como os nomes e rostos dos homens que as executaram. E mais uma vez, nada disto foi confessado por nenhuma parte do governo dos EUA ou das suas agências, nem pelas centenas ou milhares de médicos que participaram nestas transformações medonhas aplicadas em crianças pequenas, nem pelas distintas instituições médicas e educacionais americanas que também participaram deliberadamente. Nenhum destes problemas foi tratado adequadamente pela comunicação mediática americana e, principalmente, não foi inquirido pelo Congresso dos EUA, que conduziu uma breve sessão de lavagem de dinheiro e depois enterrou todo o assunto o mais profundamente possível.

Penso que, entre muitos, este é um dos bons lugares para declarar, e só para que não deixe de ser dito que os americanos não estão em posição de apontar o dedo a outras nações sobre supostas violações dos direitos humanos quando estes mesmos americanos têm assuntos do passado que não querem que sejam referidos e que nenhum deles tem coragem de enfrentar.

 O Holocausto de Crianças Pequeninas Executado pela CIA - e o Crime do Século do Canadá

Antes da Segunda Guerra Mundial, a Igreja Católica no Canadá, pelo menos na província de Quebec era, de facto, quem geria os orfanatos e no final da guerra, havia cerca de 200.000 crianças a ocupar as instalações, subsidiadas pelo governo. A Igreja concebeu um plano de enriquecimento ao tornar a classificar todos os orfanatos como instituições mentais, porque o subsídio do governo, na época, era várias vezes maior por mês, para cada criança  classificada como doente mental, do que de acordo com a simples classificação de orfã. O esquema foi aprovado pelo então Primeiro Ministro de Quebec, Maurice Duplessis, e as crianças seriam conhecidas para sempre como "The Duplessis Children= As Crianças de Duplessis". Claro que, após a reclassificação, todos os registos das crianças foram alterados permanentemente, a fim de catalogar cada criança como atrasada mental ou a sofrer de outra doença mental. Este procedimento já era suficientemente sinistro, mas os orfanatos/instituições eram um inferno para as crianças antes de terem feito essa alteração e deterioraram-se substancialmente depois. A Igreja Católica é famosa, há muito tempo, pela sua crueldade para com as crianças, como indicaram as últimas décadas de revelações de abuso sexual infantil, mas havia muito mais. As freiras católicas eram conhecidas pela sua maldade, crueldade e abuso físico e sexual de meninos e meninas, tanto nas suas escolas e orfanatos como noutros lugares, mas naqueles dias da "obra de Deus", os que a praticavam estavam quase fora de questão ou de qualquer crítica. Após a reorganização e a recategorização das crianças como deficientes mentais, em muitos casos, elas foram tratadas como animais. Muitas crianças, aos 14 ou 15 anos de idade, fizeram valentes esforços para escapar, muitas tendo sido bem sucedidas e as restantes, sendo severamente punidas.

Antes deste acontecimento, a CIA já estava envolvida há muitos anos numa enorme variedade de torturas, interrogatórios extremamente severos, tentativas de programação mental e muito mais. Na época, a maior queixa de Dulles era não ter “cobaias humanas suficientes para experimentar estas técnicas extraordinárias”. Com a ajuda de Deus, as suas preocupações evaporar-se-iam, dentro em breve. Dulles já tinha feito acordos com Ewen Cameron, do Allan Memorial Institute e da McGill University, em Montreal, para efectuarem algumas das experiências mais repreensíveis da CIA, muitas delas envolvendo crianças, em pacientes essencialmente saudáveis, secundadas pelas suspeitas de hospitais locais, para manifestar-se no que era, de facto, a clínica particular de tortura de Cameron. Dulles vangloriar-se-ia mais tarde de que “o Allen Memorial Hospital, do Canadá, é uma boa fonte de cobaias humanas”. Após esta conquista e logo após recrutar Gottlieb para comandar o seu projecto MK-ULTRA, Dulles realizou algumas reuniões secretas com funcionários da Igreja Católica e Maurice Duplessis, para organizar o acesso da CIA ao enorme fornecimento destas crianças recém-retardadas para muitas das experiências de controlo e programação humana.

Somente no final da década de 1980 e no início da década de 1990 é que começaram a aparecer algumas das crianças vítimas deste transformismo patrocinado pela CIA, decretado durante décadas e a indignação pública foi palpável. Claro que Deus não está sujeito a trivialidades, como delitos ou acções judiciais, e, de qualquer forma, a Igreja uniu-se em defesa de um interesse comum e até hoje nega toda e qualquer comprometimento. O governo canadiano não teve tanta sorte, tendo no final de pagar dezenas de milhões de dólares - em termos reais, uma verdadeira ninharia, quando comparada com o enorme número de vítimas e os longos períodos de sujeição às desumanidades a que foram submetidas. A CIA também foi processada, mas culpou o governo canadiano na totalidade, aproveitando-se, em grande parte,  da força dos vídeos sexuais que os agentes da CIA tinham sido suficientemente inteligentes para fazer com funcionários do governo canadiano e autoridades da Igreja que  documentavam essas mesmas pessoas envolvidas em vários actos sexuais com muitas destas crianças pequenas. O Canadá, comprometido dessa maneira, teve de pagar a conta sozinho. Não só este caso, mas Duplessis tinha conseguido um relacionamento melhor com a CIA do que com o governo federal do Canadá e, por essa razão, a CIA exonerou, essencialmente, a província de Quebec na totalidade, deixando o governo nacional do país pagar todas as contas e aguentar a maior parte do impacto. Foi feito de maneira inteligente.

Mas não terminou, e talvez nunca termine. Muitas das vítimas ainda estão a apresentar-se e muitas delas estão a exigir, até hoje, um inquérito público completo sobre todos os aspectos desta tragédia imensa, que nunca foram explorados. Uma dessas “pontas soltas” é um cemitério em massa de 800 acres = 3.237.488 m2 ao qual a Igreja se refere com carinho, como "o chiqueiro", que contém na maioria dos relatórios mais de 2.000 corpos pequenos. Muitas crianças que estavam prisioneiras destes orfanatos relataram continuamente que uma das suas tarefas era transportar  corpos para serem jogados neste cemitério, relato esse mais habitual do que alguns relatos de cada uma delas ter realizado esta tarefa, de 60 a 80 vezes. Não foi mantido nenhum registo, pelo menos, nenhum que a Igreja Católica queira divulgar. Havia muito mais, tantas histórias a revelar continuamente os horrores do castelo de Drácula infligidos a vidas tão pequenas e inocentes, histórias de experiências com drogas e privações, brutalidade, tortura, toda a espécie de abuso sexual e muito mais. Gottlieb e a sua tripulação pervertida e abandonada por Deus, torturaram e mataram, realmente, milhares de criancinhas, e ninguém no governo de Quebec ou no Parlamento do Canadá teve coragem de abrir a caixa de Pandora cheia de pequenos corpos que deu uma contribuição tão poderosa à medalha de honra de Gottlieb. Como país, o Canadá tem menos pecados do que a maioria, mas os que possui, são tão repreensíveis que o seu coração sangrará e fará com que o leitor tenha vergonha de ser canadiano. E a província de Quebec é covarde até à profundidade das suas raízes ao recusar-se enfrentar esta imensa tragédia e encerrar o debate de tantos milhares de vidas irremediavelmente danificadas. Nenhum canadiano - e eu quero significar NENHUM canadiano, jamais terá o direito moral de apontar o dedo a qualquer outro país sobre o tema dos direitos humanos.

Este programa horroroso foi executado não só com a participação activa da Igreja Católica do Quebec e do Canadá, mas com pleno conhecimento e cumplicidade do próprio Vaticano. Algumas vítimas escreveram, individualmente, centenas de cartas para as autoridades do Vaticano e as petições que recuam muitas décadas, na tentativa de encontrar apoio para a investigação e o encerramento do mesmo, mas em vão. Foram ignoradas. Todos, em todos os níveis do Governo, tanto nos EUA como no Canadá, na vasta organização mundial da Igreja Católica, no Colégio de Médicos e Cirurgiões, e principalmente nos meios da comunicação mediática, se uniram em defesa do interesse comum de proteger os culpados e impedir que toda a verdade fosse conhecida. Provavelmente todos os registos foram destruídos, juntamente com essas vidas. Algumas das verdades surgiram em pequenos programas de rádio, com as vítimas a descrever em termos gráficos e horríveis as histórias de como as criancinhas eram torturadas, mortas e depois jogadas no chiqueiro. Caro que havia dezenas de milhares de criancinhas, talvez mais de 100.000, que sofreram as desumanidades de Gottlieb. Muitas morreram durante essa época, e muitas mais morreram desde então, levando as suas histórias para o túmulo.

As vítimas ainda vivas descrevem os terrores do LSD ou das drogas que alteram a mente, espancamentos físicos, torturas de tantos tipos, de estarem acorrentados e de chicoteadas repetidas vezes enquanto presas com coleiras como cachorros, privação interminável de sono, lobotomias, banhos frios de gelo a longo prazo, abuso sexual de todos os tipos, assassinatos e tantos outros crimes de depravação que chocam a consciência. Foram submetidas a uma terapia de electrochoques de alta voltagem incrivelmente cruel e frequente, injeções de drogas tão poderosas que alteram a mente que as crianças precisavam primeiro ser confinadas em coletes de forças. Há relatos confirmados de "crianças de lares destruídos que foram vendidas por dinheiro no mercado negro e enviadas, algumas em caixas de papelão, em embarcações oceânicas em direcção a portos estrangeiros". As crianças que estavam mais indefesas, aquelas para quem ninguém nunca chegaria com ajuda, receberam o pior tratamento e terminaram no chiqueiro. Os nazis não fizeram nada semelhante na Alemanha nem de perto, do que Gottlieb e a CIA fizeram no Canadá, e o Canadá foi de longe a parte mais reduzida dos crimes de Gottlieb.

E, de facto, pelo menos alguns dos autores da Operação Paperclip, os criminosos de guerra importados por Dulles do Japão e da Alemanha, para os EUA, foram inseridos nestas partes dos programas MK-ULTRA de Gottlieb, com histórias repetidas e até algumas fotos parecendo confirmar que o próprio Mengele participou em algumas destas sessões. No entanto, ninguém nunca foi responsabilizado. Uma fonte observou que o Hospital Saint Michel Archange, no Quebec, era notório como sendo um local onde muitos órfãos da Duplessis desapareceram nas experiências secretas de Gottlieb para a CIA. O anuário da instituição em 1949 contém fotos de um homem com uma semelhança impressionante com Josef Mengele, o que pode não ser uma surpresa completa, porque foi com a ajuda das "linhas travessas" do Vaticano que Mengele escapou da Alemanha e viajou para os EUA – onde, ao que tudo indica, vagueou livremente durante algum tempo antes da comunicação mediática e do público o pressionarem demais para a CIA lidar com e le e ser transferido para a América Central com financiamento do governo dos EUA. Estranhamente, o repórter discutiu a foto com funcionários do Centro Memorial do Holocausto Judeu, em Montreal, apenas para que a foto fosse afastada com o comentário: "E se for Mengele?" Penso que depende de quem está a ser ferido.

O advogado de uma vítima afirmou que todas as provas indicaram que a Igreja Católica fez um acordo com a CIA, com pleno conhecimento do governo de Quebec "para entregar crianças perfeitamente saudáveis ​​em troca de dinheiro, dando aos médicos a capacidade de experimentar à vontade desde que fossem todos considerados loucos". Um psiquiatra da CIA classificou as crianças como "defeituosas de qualquer maneira" e, num artigo intitulado "A limpeza étnica dos 'mentalmente incapazes", um eugenista aproveitou a oportunidade para fazer campanha a favor da esterilização para impedir que as mães "enchessem o berço de degenerados". Os horrores do MK-ULTRA de Gottlieb no Canadá eram o que alguns chamavam de "um programa de genocídio psiquiátrico organizado".

• As memórias ausentes do quarto de dormir


Dr. Ewan Cameron 

 Outra parte do programa secreto MK-ULTRA de lavagem cerebral e controlo da mente, da CIA, foi transplantada para o Canadá para evitar a responsabilidade dos EUA e, inicialmente, era desconhecida do governo do Canadá. O Dr. Ewan Cameron, do Allan Memorial Institute, de Montreal, no Canadá e a trabalhar na Universidade McGill, efectuou algumas das experiências mais horrorosas da CIA, muitas delas em crianças. Em 1957, com o financiamento da CIA e sob a supervisão de Gottlieb, o Dr. Cameron iniciou o MKULTRA Subproject 68, experiências que foram projectadas para "despadronizar" os indivíduos, apagando as suas mentes e memórias - reduzindo-as ao nível mental de uma criança - e depois "reconstruir" a sua personalidade da maneira que ele escolhesse. Essas experiências constituíram uma catástrofe humana que despojou total e permanentemente, muitas centenas de pessoas canadianas das suas identidades.

 Para ter uma instalação privada e secreta, Cameron usou o dinheiro da CIA para converter um estábulo de cavalos atrás do Instituto como uma elaborada câmara de isolamento e privação sensorial, na qual ele mantinha os pacientes fechados durante semanas. Os seus métodos envolviam submeter doentes mentais e outros que não tinham conhecimento dessas experiências a "tortura moderna envolvendo terapia de electrochoques maciça, injecções de drogas, doses contínuas de LSD e comas induzidos quimicamente, destinados a destruir as memórias dos pacientes sobre si mesmos e sobre as suas famílias. Esses comas induzidos por drogas durariam cerca de 90 dias, durante os quais Cameron aplicava inúmeros e repetidos choques eléctricos de alta tensão, administrando muitas centenas de choques por pessoa, com trinta a quarenta vezes a potência normal".

Cameron também experimentou várias drogas paralizantes e induziu comas de insulina aos seus pacientes, injectando-lhes grandes porções de insulina, duas vezes ao dia durante dois meses. Então realizava o que designou como experiências de "direcção psíquica" sobre as cobaias humanas, primeiro anexando capacetes de futebol às cabeças dos indivíduos para privação sensorial e, em seguida, reproduzindo, repetidamente, declarações gravadas por meio de alti-falantes implantados nos capacetes. Os pacientes não podiam fazer nada além de ouvir essas mensagens, reproduzidas sem parar durante semanas seguidas. Num caso, Cameron forçou uma pessoa (cuja mente já tinha sido desocupada por meio de privação sensorial e electrochoque) a ouvir uma mensagem sem interrupção durante 101 dias. Doentes que entraram no Instituto devido a problemas menores, tais  como ansiedade ou depressão pós-parto, sofreram enormemente com as acções de Cameron, tendo muitos deles perdido toda a memória dos pais e da família e a sofrer incontinência permanente. Muitos tornaram-se equivalentes a vegetais.

Psychiatric mind control Admiral Jeremy “Mike” Boorda Navy ...

 Arlene Tyner escreveu sobre a história de uma vítima:

"Gail Kastner, agora com 60 anos de idade, só descobriu que as experimências de Ewen Cameron eram a causa da sua "vida desperdiçada", quando leu uma reportagem na Montreal Gazette, em 1992. Ela processou o governo canadiano e o Royal Victoria Hospital de Montreal,  em 1999, depois do governo ter recusado a sua reclamação pelos danos sofridos. Uma "aluna brilhante, cujo pai dominador a colocou no Instituto para tratamento de uma depressão", diz Kastner que os tratamentos electroconvulsivos de "não padronização" de Cameron e os comas induzidos através de insulina durante cinco semanas são responsáveis ​​por uma vida de gritos, pesadelos, convulsões recorrentes, perda de memória e regressão a longo prazo a um estado infantil. O seu marido, o filho e a irmã gémea não puderam tolerar o seu comportamento bizarro, isto é,  "urinar no tapete da sala, chupar o polegar, conversar como um bebé e querer chupar um biberão de leite." Abandonada pela família, foi resgatada dos ‘sem abrigo’ pelo Serviço da Família Judaica/ Jewish Family Service".

Muitas das vítimas foram retiradas das crianças colocadas sob os cuidados de Cameron e a maioria foi abusada sexualmente como parte da experimentação e "terapia", muitas delas sendo usadas sexualmente por vários homens durante uma sessão. Uma das crianças foi filmada várias vezes realizando actos sexuais com altos dignatários do governo federal, num esquema estabelecido pela equipa MKULTRA de Gottlieb para chantagear os funcionários a fim de garantir mais financiamento para essas experiências. Houve processos maciços quando a existência deste projecto se tornou pública. Deve-se notar que o Dr. Cameron tinha sido membro do Tribunal de Nuremberg que julgou e puniu severamente experiências humanas menos más do que as suas. Mas, na verdade, Cameron, assim como Gottlieb, e também os pervertidos relacionados em Fort Detrick e Edgewood, padronizaram estas experiências em parte com o que aprenderam com os alemães e enriqueceram-nas bastante.

Nos anos 80, a CIA e o Departamento de Estado dos EUA lançaram um contra-ataque público cruel ao governo canadiano por questionar a propriedade das actividades da CIA. Em entrevistas à imprensa, entrevistas e debates em Tribunal, a CIA declarou repetidamente que o Canadá também financiava Cameron, e as atrocidades foram, portanto, culpa do Canadá. Um advogado dos EUA alegou: "Vamos enrolar o financiamento do governo canadiano a Cameron à volta do pescoço deles". Inicialmente, o governo canadiano pretendia arquivar as acusações contra os EUA e a CIA no Tribunal Internacional de Justiça de Haia, mas os americanos intimidaram tanto o Canadá que o assunto foi acusado de ter sido escondido e esquecido.

A CIA também foi responsável por muitas experiências com LSD, realizadas num hospital psiquiátrico em Weyburn, no Canadá, onde se originou a palavra "psicadélico". De acordo com antigos funcionários, a CIA forneceu ao hospital enormes quantidades de LSD porque queria aprender os efeitos de doses grandes e repetidas desse medicamento nos indivíduos. O hospital foi fechado e desde então parece que todos os registos foram destruídos, mas tanto a equipa médica como os pacientes foram, frequentemente, usados ​​nessas experiências e, com o tempo, o hospital Weyburn adquiriu uma reputação profundamente sinistra. Eu estava pessoalmente consciente da existência deste hospital durante a minha juventude, como muitos de nós, e todos falavam apenas em voz baixa das histórias de horror que, às vezes, escapavam  daquela instituição.

Os efeitos da privação sensorial vieram à luz de uma série de experiências inocentes conduzidas no Canadá, na Universidade McGill por um Dr. Donald Hebb, que pagou a um grupo dos seus estudantes de psicologia para permanecer isolados numa sala, privados de todos os sentidos, durante um dia inteiro, na tentativa de determinar uma ligação entre a privação sensorial e a vulnerabilidade da capacidade cognitiva. Hebb foi descrito como "um homem talentoso cujo génio revolucionou a psicologia como ciência" e que foi indigitado para o Prémio Nobel, embora não tenha certeza de que o prémio tivesse sido um reconhecimento adequado pelo seu trabalho. Em 6 de Setembro de 2012, o McGill Daily publicou um artigo de Juan Camilo Velasquez intitulado "MK-ULTRA Violence", que confirma que, em 1º de Junho de 1951 " [foi realizada] uma reunião secreta no Hotel Ritz Carlton ... para lançar [um] esforço liderado pela CIA a fim de financiar estudos sobre privação sensorial", sendo esta uma reunião de Hebb que precisou compreender o que estava a acontecer, e que esses "estudos" levariam, inevitavelmente, a "técnicas de tortura e interrogatório psicológicos" , com o Dr. Ewen Cameron, alguns anos depois, completando o que Hebb tinha começado. O artigo continuava:

"A pesquisa de Cameron era baseada nas ideias de “tornar a padronizar” e “tornar a controlar” a mente humana. O Dr. Cameron queria tornar a configurar a mente dos pacientes com a aplicação de electrochoques altamente perturbadores duas vezes por dia ... os pacientes num estado de sono prolongado durante cerca de dez dias, usando vários medicamentos, após os quais eles experimentaram uma terapia invasiva por electrochoque que durava cerca de 15 dias, mas os pacientes nem sempre estavam preparados para um novo padrão e, às vezes, Cameron usava formas extremas de privação sensorial. Após o período de preparação e retirada do padrão, veio o processo de "controlo psíquico" ou de implementar o novo padrão ... no qual Cameron transmitia mensagens em gravadores para os seus pacientes ... até meio milhão de vezes.

As experiências realizadas na McGill faziam parte do projecto MK-ULTRA mais abrangente, liderado por Sidney Gottlieb, da CIA ... compilava toda a pesquisa num manual de tortura chamado Manual de Interrogação de Contra-Inteligência da KUBARK = KUBARK Counterintelligence Interrogation Handbook. Sim, um "manual de tortura" que acabaria por definir os métodos de interrogatório e os programas de treino da agência em todo o mundo desenvolvido. O KUBARK, actualmente disponível, cita as experiências realizadas na McGill, como uma das principais fontes de suas técnicas de privação sensorial. Um trecho das instruções aos interrogadores da CIA diz: "Os resultados produzidos somente após semanas ou meses de prisão numa célula comum podem ser duplicados em horas ou dias, numa célula que não possui luz, à prova de som, na qual os odores são eliminados, e assim por diante". Essencialmente, o paradigma psicológico adoptado pela CIA não seria possível sem a pesquisa de Hebb e Cameron sobre privação sensorial e a direcção psíquica ".

O leitor irá recordar-se de John Cunningham Lilly, que referi acima, ele com a fama de  explodir golfinhos e como sua combinação de privação sensorial e compostos alucinógenos poderia fazer maravilhas na programação de indivíduos. Lilly também assimilou bem as experiências de Hebb e Cameron.

Dr Kenneth Milner

Dr. Kenneth Milner

 Na Primavera de 2016, a comunicação mediática britânica (BBC, Telegraph, Mirror) revelou que os antigos pacientes do Aston Hall, um hospital infantil em Derbyshire, começaram a apresentar alegações de que o médico chefe do hospital, Dr. Kenneth Milner, tinha estado a realizar experiências semelhantes no início dos anos 70. As histórias eram todas consistentes, as mulheres alegando que, quando crianças, eram despidas e amarradas regularmente e depois submetidas a várias experiências com drogas, na maioria das vezes sofrendo também relações sexuais forçadas. Ao que tudo indica, um dos medicamentos habitualmente administrados às crianças era o amytal de sódio, que é um forte barbitúrico usado, frequente e clinicamente,  para ultrapassar as inibições. Parece que, pelo menos, 100 crianças e talvez muitas mais - a maioria delas com 10 a 12 anos de idade - foram regular e repetidamente usadas numa série de experiências com drogas envolvendo altas doses de vários anti-psicóticos e anestésicos. Muitos destes testemunhos relatam ter sido colocados num colete de forças antes de receber as injecções. Ao que tudo indica, começaram a haver queixas de experiências e abusos contra o hospital e contra o Dr. Milner de várias fontes, há mais de 20 anos, mas as autoridades deixaram de investigar. Tenho suspeitas e algumas indicações firmes de que a Austrália sofreu atrocidades semelhantes que também esperam ser descobertas.

Parece cada vez mais possível que a CIA estivesse a exportar para outros países  as experiências ou pelo menos a trabalhar em cooperação com instituições de outros países além do Canadá. Nesta nota, acrescentaria as minhas fortes suspeitas de que as experiências mais horríveis e ainda não reveladas, foram enviadas para o Haiti e Porto Rico. Não é segredo que os EUA usaram, durante décadas, o Haiti como laboratório biológico privado e, como esse pequeno país está sob o controlo absoluto dos EUA e à partida, privado de uma voz eficiente da comunicação mediática, os militares dos EUA e a CIA foram capazes de realizar operações sem reservas ou inibições.

• A morte de Harold Blauer

Harold Blauer

  Os testes com drogas estavam no topo da agenda de Gottlieb desde os primeiros dias da sua nomeação, sendo a sua principal desvantagem a falta de fornecimento de vítimas disponíveis. Como parte de uma estratégia para solucionar essa escassez, ele foi primeiro às fontes óbvias de vítimas indefesas, como prisões, hospitais psiquiátricos, orfanatos, hospitais militares e outras instituições, mas os suprimentos pareciam modestos para as suas necessidades. Então Gottlieb, com a assistência de Dulles, recrutou a ajuda de todas as secções das forças armadas, do CDC e dos departamentos de saúde e outras fontes para obter as vítimas entre os pacientes civis comuns e, especialmente, nos hospitais privados e clínicas psiquiátricas, pois elas seriam as mais capazes de aceitar um tratamento experimental sem levantar um desafio inteligente e cujo testemunho seria menos provável de ser aceite sem ser questionado. quando as coisas corriam mal - como costumavam acontecer.

Uma destas ocorrências foi, talvez, o primeiro assassinato de Gottlieb, o de um famoso profissional de ténis americano chamado Harold Blauer que estava a ser tratado por um psiquiatra particular devido a uma depressão após o seu divórcio. Gottlieb, por intermédio das forças armadas dos Estados Unidos, havia firmado contratos altamente secretos e classificados com muitos psiquiatras particulares para levar a cabo estudos de drogas sem o conhecimento dos pacientes, sendo os produtos químicos em questão parcialmente examinados pelo seu valor como armas de guerra biológica a ser utilizadas em massa pelos militares, bem como o seu potencial de uso mais restrito através da CIA. No caso específico de Blauer, ele foi injectado com doses cada vez maiores de um derivado de mescalina altamente tóxico, sendo a última aplicação uma overdose surpreendentemente grande que o matou quase instantaneamente. É claro que, durante um tempo, foi um encobrimento extremo e bem-sucedido, os seus registos médicos foram não só adulterados, mas reescritos compulsivamente para descrever Blauer como um paciente esquizofrénico e tresloucado, e atribuindo a sua morte a "um coração fraco". Foi, somente, 30 anos depois, que a verdade escapou e um tribunal concedeu à família Blauer cerca de 700.000 dólares por danos causados pela sua morte, tendo a CIA e os militares negado e protestado até ao fim, até a fuga de documentos classificados expôr os factos.

Era um modelo que Gottlieb e a CIA seguiriam durante décadas, infligindo morte a um número desconhecido de pessoas, mas de certeza, a um largo número de indivíduos, sendo sempre os acontecimentos cuidadosamente planeados, sem pontas soltas e sendo passíveis de ser negados de maneira plausível. Há um rasto muito distinto de, pelo menos,  centenas e muito possivelmente, de milhares de mortes invulgares e estranhas, questionáveis, suspeitas e inexplicáveis, ligadas a Gottlieb e ao seu grupo na América e no mundo durante, pelo menos, duas décadas. Uma, conforme relatado a seguir, foi a morte de Frank Olson, em cujo assassinato Gottlieb assumiu um papel mais activo, tendo administrado pessoalmente uma overdose de LSD e tendo dado início a tratamento psiquiátrico e, finalmente, o assassinato de Olson às mãos de Lashbrook, outra conspiração que foi, finalmente, revelada só depois de muitas décadas de negação. Como Helms praticamente destruiu todos os registos do programa MK-ULTRA, o mundo nunca saberá a totalidade das horríveis desumanidades de Gottlieb.

• A vida e a morte de Frank Olson

Frank Olson

 Frank Olson era um cientista que trabalhava no projecto MK-ULTRA da CIA, envolvido em experiências para avaliar a eficiência de certas estirpes bacterianas em seres humanos, incluindo o uso de agentes patogénicos biológicos pelos militares dos EUA. Mas a CIA expandiu-se muito além das experiências de laboratório e passou a testar esses agentes patogénicos como parte de um programa de interrogatório, usando cobaias humanas "dispensáveis" - prisioneiros de guerra coreanos, agentes de espionagem estrangeiros detidos e até agentes da CIA suspeitos de deslealdade. Olson possuía a mais alta habilitação de segurança e testemunha de muitos programas e experiências nos EUA, no Reino Unido e na Europa, mas nunca viu os resultados directos do seu trabalho. Num verão, visitou um "esconderijo" da CIA na Alemanha e a Frankenstein House do Reino Unido em Porton Down, onde testemunhou "interrogatórios terminais", homens torturados e drogados até morrerem em agonia, devido às armas que ele fabricara. Também tinha participado na experiência em massa, em Pont St. Esprit, em França, onde a CIA havia providenciado a administração de LSD à população de uma cidade inteira. Olson também afirmou ter visto provas documentadas do uso de armas biológicas pelo governo dos EUA na Coreia do Norte, durante a Guerra da Coreia - como os EUA também fizeram na China.

Olson começou a ter sérios problemas de consciência e começou a dar sinais de ter receios morais sobre o seu trabalho. Disse aos colegas que estava preocupado com os interrogatórios da CIA de tortura até à  morte na Alemanha e com a utilização de guerra bacteriológica na Coreia do Norte. Tornou-se cada vez mais activo nas suas críticas a esses projectos e foi o que selou o seu destino. O Director da CIA, Allan Dulles, decidiu que Olson era um informante perigoso e um risco para a segurança. Nesse momento, Olson renunciou ao seu emprego e alguns dias depois estava morto. Gottlieb administrou pessoalmente uma enorme overdose de LSD em Olson, depois providenciou o tratamento 'psiquiátrico' , ministrado pelo seu braço direito, Lashbrook. Olson estava num quarto de hotel com Lashbrook, que alegou que Olson se matou ao correr pelo quarto e lançar-se através de uma janela de vidro e cair dez andares até morrer. A história inicial da CIA era que a morte de Olson tinha sido, simplesmente, um "acidente" trágico de um indivíduo angustiado e, durante 22 anos a família acreditou na narrativa oficial. Depois, numa investigação do Congresso dos EUA sobre atrocidades e crimes da CIA, um documento desclassificado continha informações sobre um agente da CIA que tinha recebido LSD sem o seu conhecimento e depois foi levado para Nova York na companhia de outro agente, onde se suicidou, lançando-se de uma janela. A família reconheceu, de imediato, as circunstâncias da morte do pai e iniciou uma investigação detalhada. No final, a CIA assumiu a responsabilidade, a família Olson foi convidada a ir à Casa Branca para se reunir com o Presidente Johnson, que pediu desculpas e concordou em pagar à família 750.000 dólares como compensação - com a condição de que eles parassem com todas as investigações suplementares e nunca mais tentassem determinar mais factos sobre a morte de Olson.

Mas a família não interrompeu a investigação e, finalmente, conseguiu a exumação e o exame do corpo de Olson. O patologista forense determinou que Olson tinha sofrido um forte golpe na cabeça antes de cair da janela. Muitas das discrepâncias em torno da sua morte foram divulgadas e, finalmente, foi revelado que Olson tinha sido morto pelo Director da CIA, Allen Dulles, e que tinha sido executada por Gottlieb e Lashbrook, que a morte não foi um acidente como reivindicado pela primeira vez, nem um suicídio como na história posterior, mas um assassinato deliberado para impedir que o cientista revelasse os segredos dos crimes da CIA à comunicação mediática. E o governo dos EUA temia, especialmente, que o uso de armas biológicas na Coreia do Norte se tornasse de conhecimento público. Somente em 2012 todas as investigações foram concluídas e a família entrou com um processo maciço contra a CIA e contra o governo dos EUA pelo assassinato de Olson. Transcrições posteriores revelaram que a família foi convidada a  reunir-se com o Presidente Johnson, numa tentativa de evitar "um problema devastador de relações públicas" e o dinheiro pago à família destinava-se, apenas, a comprar o seu silêncio. Mas o filho de Olson nunca ficou satisfeito com a explicação oficial e passou duas décadas a pesquisar os acontecimentos da morte do seu pai. Curiosamente, as duas pessoas que foram as principais responsáveis ​​pelo encobrimento da verdade da morte de Olson foram Dick Cheney e Donald Rumsfeld, que mais tarde se tornariam, respectivamente, Vice-Presidente de George Bush e o seu Secretário da Defesa.

William Colby.jpg

William Colby

  Aos olhos da CIA, a morte de Olson foi um "assassinato perfeito" cujo método foi descrito em pormenor no Manual de Assassinato secreto, que mais tarde foi tornado público, e o Mossad de Israel usou o caso de estudo de Olson no treino da sua unidade de assassinatos como sendo um exemplo perfeito do “assassinato negável”. Mas a história de Olson é mais complicada do que a sua morte. Durante as décadas de investigação, o antigo Director da CIA, William Colby, tinha oferecido à família de Olson algumas verdades detalhadas sobre a morte, mas um dia antes de uma reunião com os Olson, Colby foi encontrado morto no lago perto da sua casa. Ao que tudo indica, tinha sido interrompido enquanto jantava sozinho, ficando a refeição a meio e um copo de vinho ainda sobre a mesa  e desapareceu no lago. A decisão oficial foi a morte por afogamento, embora nenhuma explicação tenha sido feita sobre como ou por que motivo poderia ter acontecido.

As experiências biológicas da CIA incluíram não só as suas instalações em Camp Detrick, que era a principal instalação americana de guerra química e biológica, mas um trabalho considerável no Reino Unido numa instalação de armas biológicas semelhante em Porton Down, um local que continha segredos sombrios envolvendo agentes de espionagem de ambas as nações. O Reino Unido recrutou um Dr. Basson da África do Sul e Vladimir Pasechnik, que chefiou o programa soviético de armas biológicas na Rússia, assim como o cientista britânico Dr. Larry Ford. Estes homens, em conjunto com a CIA, estavam a desenvolver doenças geneticamente modificadas que afectariam apenas grupos com características similares de DNA, as pesquisas de armas biológicas, incluiam a Peste Bubónica, antrax e outros patógenos fatais. Outro cientista envolvido foi o médico da Universidade de Harvard, Don Wiley, que foi um dos pesquisadores mais importantes da América, do virus HIV e que só então tinha identificado as propriedades do vírus que o tornam infeccioso e como evitar a destruição pelos antígenos no sistema imunológico humano. Wiley ficou perturbado com o seu êxito, porque, como observou, o lado sombrio da descoberta era que as mesmas informações poderiam ser usadas para transformar vírus relativamente benignos em assassinos em massa.

Pouco depois de todos estes acontecimentos, todos os homens envolvidos estavam mortos. Olson tinha sido morto antes. Dr. Ford foi morto por uma explosão de espingarda que foi considerada suicídio. Pasechnik morreu de um acidente vascular cerebral aparente, e o Dr. Wiley morreu em 2001 de uma queda aparentemente acidental de uma ponte sobre um rio. Outros cientistas foram encontrados mortos, todos em circunstâncias suspeitas que pareciam envolver encobrimentos  a nível do governo, e foram todos considerados como mortes ou acontecimentos naturais. Em todos estes casos, à medida que o tempo passa e os documentos se tornam não classificados e se tornam disponíveis, cada morte, por sua vez, prova, muitas vezes, ter sido um assassinato deliberado da CIA e do MI6 de pessoas que sabiam demais e em quem não se podia confiar que permanecesse em silêncio.

• Projecto MK-DELTA da CIA

O MK-ULTRA também tinha um componente estrangeiro sob o cognome de MK-DELTA, que era um programa semelhante elaborado com uma intenção semelhante, mas com os traumas horríveis infligidos clandestinamente a cidadãos de outros países, que não tinham conhecimento dos mesmos. Frequentemente, um agente da CIA iniciava uma conversa com um estranho num café, em algum lugar da Europa, oferecia-se para pagar uma bebida à pessoa que a consumia com uma enorme dose de LSD como prática para destruir diplomatas estrangeiros ou chefes de Estado, em futuras operações clandestinas. Muitas vidas foram arruinadas desta maneira e muitas delas, pessoalmente, por Gottlieb. E não eram só indivíduos; Gottlieb e os militares dos EUA também estavam interessados ​​na aplicação maciça de drogas e nas loucuras que as acompanham. Eis duas histórias,  entre muitas:

•Stanley Glickman

Um jovem artista americano chamado Stanley Glickman estava sentado num café na calçada de Paris, em 1952, quando outro americano afável iniciou uma conversa e trouxe a Glickman uma bebida com muito LSD. A overdose foi demais e desencadeou um episódio psicótico assustador. Glickman entrou em convulsões, sofreu alucinações selvagens e teve de ser hospitalizado. Mas o sucedido deve ter sido parte do plano, porque foi levado para um hospital local, onde médicos americanos, ao que tudo indica, aguardavam a sua chegada e onde ele alegou ter sofrido um abuso físico, mental e sexual substancial, que incluía novas injecções de LSD. Alegou que após o colapso no café, uma das primeiras acções dos médicos americanos foi inserir um cateter de metal no pênis e administrar electro-choques violentos no local, além de injectar, repetidamente, drogas alucinogénicas adicionais. Quando foi libertado do hospital, Glickman tinha sofrido um colapso mental do qual nunca se recuperou. Nunca mais pintou e a sua vida foi reduzida a ruínas.

Mas quando começaram a surgir as notícias sobre o programa MK-ULTRA da CIA e surgiram   detalhes das audiências no Congresso, Glickman percebeu que tinha sido uma das vítimas e, talvez o mais importante, é que conseguiu identificar, conclusivamente, Gottlieb como o homem que adicionou a droga na sua bebida e que supervisionara a tortura do 'controlo da mente' no hospital de Paris. Entrou com uma acção em tribunal, que a CIA e o governo dos EUA obstruíram e atrasaram durante 16 anos, até Glickman morrer. Mas a sua irmã continuou a acção e, finalmente, chegou aos tribunais. Por sorte, Gottlieb estava nos EUA na época, tendo regressado da sua casa na Índia para os EUA, a fim de ser submetido a tratamento médico. No entanto, imediatamente antes de ter de testemunhar no tribunal, Gottlieb morreu repentinamente no hospital, com o New York Times afirmando de forma criptográfica que a sua família "se recusa a divulgar a causa da sua morte". Ao que tudo indica, Gottlieb estava a ser tratado de uma pneumonia ligeira quando "de repente, entrou em coma", do qual nunca se recuperou. O leitor pode imaginar o divertimento que os teóricos da conspiração tiveram com esta notícia.

E a situação torna-se melhor. O julgamento prosseguiu sem Gottlieb, mas, de repente, o juiz - que era claramente anti-CIA e estava nitidamente a desenvolver um julgamento substancial contra o governo e contra os bens de Gottlieb - morreu repentinamente de um alegado 'ataque cardíaco' num ginásio perto do tribunal, um dia antes de emitir o seu julgamento. O governo dos EUA reivindicou, imediatamente, autoridade para nomear um novo juiz para o caso, e fê-lo com  este novo juiz, que curiosamente, era o mesmo juiz que havia rejeitado o mesmo caso dois anos antes, alegando que não fazia sentido. Deu uma sentença, naturalmente, contra Glickman. Caso encerrado. Mas houve algo que surgiu mais tarde, com os registos hospitalares de Glickman que provavam que dois dos médicos de Paris que o atenderam (juntamente com Gottlieb) estavam há algum tempo envolvidos nas experiências de LSD de Gottlieb em indivíduos. Talvez haja outra oportunidade para Glickman receber algum encerramento póstumo. Enquanto isso, talvez nos possamos contentar com a deliciosa perspectiva de que foi a própria CIA que silenciou os lábios de Gottlieb para sempre.

• A grande experiência do pão francês

Finalmente, foi resolvido através de jornalistas investigadores,  um mistério que durou  65 anos. Em 1951, quase toda a população da cidade de Pont-Saint-Esprit, no sul da França, foi levada à histeria e à insanidade em massa, a alucinações e ao suicídio. Muita gente morreu e dezenas de pessoas foram colocadas em coletes de forças e enviadas para asilos mentais, um dos mistérios mais bizarros do mundo. Muitas pessoas tentaram voar pelas janelas ou pelos telhados dos edifícios. Um homem gritou "sou um avião" antes de pular de uma janela do segundo andar e quebrar as pernas. Um homem tentou afogar-se, gritando que a sua barriga estava a ser devorada por cobras. Um garoto de 11 anos tentou estrangular a avó. Outro viu o seu coração escapar pelos pés e implorou a um médico que o colocasse de volta ao seu lugar. A revista Time escreveu na época: "Entre os feridos, o delírio aumentou: os pacientes debatiam-se violentamente nas camas, gritando que estavam a desabrochar flores vermelhas dos seus corpos, que as suas cabeças se tinham  transformado em chumbo derretido". No fim, quase todo mundo morreu ou foi internado numa instituição mental. Durante décadas, assumiu-se que o pão local tinha sido envenenado involuntariamente com um composto psicadélico, especulando que o maior padeiro local tinha contaminado a farinha, sem querer, com ergot, um bolor alucinogénico que às vezes infecta os grãos de centeio. Mas um jornalista descobriu provas de que o trágico evento resultou de uma experiência secreta da CIA e da divisão de operações especiais ultra secretas do Exército dos EUA, em que os agentes da CIA condimentaram a comida local com grandes quantidades de LSD, o que fazia parte de uma experiência de controlo da mente.

Como escrevi anteriormente, em 1950 as forças armadas dos EUA e a CIA já tinham elaborado planos bem desenvolvidos para "terceirizar" os testes de campo de vários agentes patogénicos para outras nações, amigas e inimigas, com grande parte dos testes clandestinos de LSD e outros alucinógenos realizados na Europa e na Ásia sob as designações de "Project Third Chance" e "Project Derby Hat". Para Pont St. Esprit, a CIA enviou cientistas da Sandoz, o fornecedor do LSD, para inventar uma história plausível sobre a causa. A CIA inventou e executou muitos desses planos para infectar muitos locais nos EUA e em países estrangeiros com uma ampla variedade de agentes patogénicos. O jornalista mencionado acima estava a investigar a morte de Frank Olson, o bioquímico da CIA que já conhecemos, e descobriu transcrições de uma conversa entre um agente da CIA e um funcionário farmacêutico da Sandoz que mencionou o "segredo de Pont-Saint-Esprit", explicando que não foi causado pelo bolor, mas por LSD. Dois colegas de Olson confirmaram ainda que o incidente de Pont-Saint-Esprit fazia parte de uma experiência de controlo da mente, conduzida pelo exército da CIA e dos EUA, depois de pulverizar LSD no ar por toda a cidade, além de contaminar o pão local e outros produtos alimentares. A prova final estava num documento da Casa Branca enviado aos membros da Comissão Rockefeller durante a investigação dos abusos da CIA. O documento continha os nomes daqueles que foram empregados pela CIA para levar a cabo este trabalho e fazia referência directa ao "incidente em Pont St. Esprit", e o culpado não era senão Gottlieb.


• Os Americanos enfrentam, mais uma vez, os seus crimes

Um dos mitos de propaganda mais duradouros sobre a América, que envolve virtualmente a consciência nacional e deixa todo cidadão tão orgulhoso em ser americano, é sobre como “Não somos perfeitos e há algumas manchas sombrias no nosso passado, o que nos torna especiais é que reconhecemos esses males, enfrentamo-los e corrigimo-los." É claro que essa determinação feroz é auxiliada imensamente por uma imprensa livre que expõe pecados sem medo ou favor, para que tudo seja revelado, debatido e dissecado, deixando toda a população totalmente informada. A descoberta do Projecto MK-ULTRA da CIA não foi diferente em nenhum aspecto. Os americanos realmente foram expostos na comunicação mediática – o que revelou talvez e principalmente, algumas centenas de pequenas ilegalidades, no meio de várias centenas de milhares de horrores que, realmente, aconteceram.

Former CIA Director George Tenet

·         O Director da CIA, George Tenet

 De facto, houve audiências no Congresso, antes das quais, quase todos os documentos acusadores já tinham sido destruídos e nas quais todos mentiram. Havia a admissão quase obrigatória de que "pelo menos uma pessoa morreu" durante essas transgressões, mas com a prova de que, provavelmente, faleceu não devido aos programas, mas "devido a causas médicas relacionadas". Então, como acontece quando uma epidemia de gripe chega ao fim, um dia, este assunto, simplesmente, desapareceu de vista. A nação, tendo alcançado a catarse e a absolvição de toda a comunicação mediática, agora podia envolver-se novamente no orgulho nacional, segura de que a sua auréola ainda estava intacta e de que os americanos ainda eram superiores a todos os outros seres. Obviamente, um elemento desse trágico escândalo - como em todos os outros anteriores - foi de que, na realidade, nada aconteceu. Nada mudou e ninguém foi punido. Todos os culpados, os assassinos, os torturadores, os monstros desumanos que planearam e perpetraram esta série de horrores de décadas em centenas de milhares de pessoas inocentes, simplesmente saíram em liberdade. Gottlieb aposentou-se da CIA com uma medalha e uma enorme pensão de reforma e todos os outros participantes obtiveram compensações  semelhantes. E foi o desfecho final. Os incontáveis ​​milhares de indivíduos, cujas vidas foram destruídas, foram simplesmente abandonados ao seu destino. Caso encerrado. Não há nada  mais para ver sobre este assunto. Chegou a hora de seguir em frente. Penso que vale a pena mencionar que, em 2001, ao testemunhar perante o Congresso dos EUA, o Director da CIA, George Tenet, disse: "Gostaria que desviássemos o olhar do passado. Francamente, é perigoso ter de pensar na possibilidade de que algo mau nos vai acontecer”. E eu pergunto por que razão.

Stephen Kinzer - Wikipedia

Boston Globe publicou um artigo de Stephen Kinzer , que referia em parte: "A divulgação do relatório do Senado dos EUA sobre os abusos da CIA deve deixar os americanos orgulhosos...", afirmando que é "razoável" que os americanos tenham orgulho ao lê-lo, visto que outros países abusam das pessoas e mentem sobre esse assunto, mas só a América é que publica as denúncias dos seus crimes." E quando os pormenores dos abusos são publicados, é difícil negar. Este temperamento defeituoso diz-nos que o relatório do Senado irá servir de exemplo para outros países que lutam com os desafios de enfrentar o passado "e admitir os seus erros"é sinal de força e maturidade". Diz também: "É melhor ficar esclarecido do que deixar questões de responsabilidade pendentes para sempre". Como veremos com frequência, só os americanos, na sua vasta ilusão de 'bondade', são capazes de converter um vício em virtude; vergonha e repugnância transformam-se, repentinamente, em racionalização e auto-adoração. “Sim, éramos maus, mas porque admitimos que éramos maus, isso torna-nos bons novamente. E, principalmente, torna-nos ainda melhores e moralmente superiores a outras nações que não admitem que eram desumanas. E essa superioridade moral absolve-nos de todos os nossos pecados e o nosso Deus sorri para nós mais uma vez." Não parece ter ocorrido ao nosso Sr. Kinzer que ele talvez devesse esquecer colocar-se como exemplo para outros países, “lutando contra os desafios de enfrentar o passado” e  dedicar-se a enfrentar o passado da sua nação.

 Outro facto que não é bem conhecido é que, em 1950, as equipas da CIA estavam a realizar ensaios químicos secretos, incluindo o uso de LSD, em prisioneiros de guerra norte-coreanos na esperança de alcançar o controlo da mente, amnésia, ou ambos, e todos com a cooperação activa do "padrão ouro" da FDA(Food and Drug Administration). Com a promoção activa do LSD entre estudantes universitários e outros, uma enorme tempestade de protestos públicos forçou a Sandoz a recolher todo o LSD que tinha enviado para os EUA, mas "a FDA não desistiu do seu envolvimento na pesquisa do LSD e cooperação com o programa MK-ULTRA. Em vez disso, diligenciou criar um órgão conjunto FDA-NIMH conhecido como Comissão Consultiva Psicomimética e colocou, pelo menos, uma das raposas beneficiárias da CIA no comando do galinheiro quando nomeou Harris Isbell para a nova comissão."

•Sidney Gottlieb

Scientist Sidney Gottlieb (left), supervisor of CIA experiments during Cold War that included use of LSD and other mind-altering drugs, during a Select Committee on US Intelligence to explain some of his research in 1977.

Sidney Gottlieb era um químico judeu-americano que ingressou na CIA aos 30 anos e, em dois anos, foi nomeado por Allen Dulles, o arquitecto e chefe do vasto e secreto programa MK-ULTRA da agência, que foi iniciado para explorar o controlo da mente, programação humana, assassinato e muito mais. Gottlieb era especialista em venenos, especialmente aqueles com efeitos psicoactivos e ficou, rapidamente,conhecido como "O Feiticeiro Negro" e "O Malandro Sujo". Foi Gottlieb, com um financiamento praticamente ilimitado da CIA, que iniciou um programa verdadeiramente maciço, envolvendo drogas psicoativas, direcção psíquica, as porções mais  nefastas da psiquiatria e da psicologia e muitos venenos letais, para pesquisar e desenvolver "técnicas que esmagariam a psique humana a ponto de admitir qualquer coisa". Fazia parte do programa MK-ULTRA sob a orientação de Gottlieb, a tortura, "interrogatórios terminais" e uma variedade doentia de imposições desumanas.

Não só criou, administrou e dirigiu essa abominação humana durante décadas, mas teve um papel activo nas suas actividades. Foi Gottlieb quem deu uma overdose pessoal de LSD a Frank Olson no LSD e foi o braço direito de Gottlieb que deixou Olson inconsciente e o lançou pela janela do 13º andar do quarto do hotel, para livrar a CIA de um potencial delator. Foi Gottlieb que organizou a cooperação com os animais igualmente pervertidos em Porton Down, no Reino Unido, onde executaram 'interrogatórios terminais' em segurança, longe do solo americano, e onde Frank Olson testemunhou tantos horrores que planeava deixar a CIA e tornar público tudo aquilo que sabia.

Larry Devlin - Alchetron, The Free Social Encyclopedia  

Foi Gottlieb, a pessoa que viajou para o Congo com pasta de dentes envenenada que entregou pessoalmente ao chefe do departamento da CIA, para administrar ao Primeiro Ministro Patrice Lumumba, embora Devlin tenha conseguido matá-lo por outros meios. Foi Gottlieb, actuando através de Allen Dulles, sob as ordens do Presidente Eisenhower dos EUA de "eliminar" Lumumba e, assim, abrir o país aos negócios americanos. Foi Gottlieb quem traçou as centenas de planos para assassinar Fidel Castro em Cuba, especialmente incluindo todas as tentativas relacionadas com venenos, como charutos, roupas de mergulho e canetas-tinteiro. Foi Gottlieb quem providenciou que o lenço do general Abdul Karim Qassim, do Iraque, fosse contaminado com botulínico em mais uma tentativa de assassinato. Criou cigarros envenenados destinados a Jamal abd an-Nasir do Egito. Viajava regularmente com a sua bolsa diplomática contendo bio-toxinas desenvolvidas pela CIA, projectadas para reproduzir uma doença endémica nesta área, ou com vírus letais de cultura específica. 

The Duplessis Orphans - CBC Archives

Foi Gottlieb que planeou e financiou as actividades do dr. Ewen Cameron no Canadá nas suas experiências de direcção psíquica que destruíram totalmente a vida de tantas pessoas e, no fim, custaram ao governo canadiano dezenas de milhões de dólares em compensações fianceiras. Foi Gottlieb que foi responsável por milhares de crianças Duplessis que foram torturadas e mortas, e que financiou o Dr. Harris Isbell nas suas experiências de pesquisa de programação psiquiátrica humana. Isbell é mais conhecido por dar doses enormes de LSD a um grupo de homens, durante 77 dias seguidos e por "testar" mais de 800 compostos químicos tóxicos em vítimas em cativeiro, às ordens de Gottlieb. Foi Gottlieb, trabalhando com o Secretário de Defesa Robert Mcnamara, que ajudou a conceber e executar o enorme programa de tortura e experimentação humana no Vietname, conhecido como Programa Phoenix, com equipas de agentes da CIA a efectuar uma enorme variedade de torturas de Gottlieb e outras experiências seguidas de execuções. Gottlieb também planeou e financiou grande parte da experimentação humana de Lauretta BenderAlbert KligmanEugene Saenger e Chester Southam, e sem dúvida muito mais.

Foi Gottlieb, fascinado pelos potenciais compostos psicotrópicos e alucinógenos do controlo da mente, que foi responsável pela contaminação dos alimentos e pela pulverização em aerossol de um composto LSD letalmente potente, na vila de Pont-Saint-Esprit, em França, em Agosto de 1951, que causou uma poderosa psicose em massa que deixou quase toda a população da aldeia morta ou confinada, permanentemente, em instituições mentais. Gottlieb ficou tão encantado com as perspectivas de alucinógenos que organizou com a empresa farmacêutica Eli Lilly a produção de uma remessa de mais de cem milhões de doses de LSD.

Gottlieb projectou e aprovou os programas da CIA, relacionados com a sexualidade, como a Operação Midnight Climax e muitos outros, muitos dos quais envolviam a captura efectiva de crianças do sexo feminino ou mulheres jovens, submetendo-as a anos de abuso físico, sexual e psicológico, e depois soltando-as como ferramentas robóticas. Gottlieb organizou muitas “casas seguras”, onde as mulheres programadas atrairiam as vítimas para serem alimentadas sem saber,  com grandes doses de LSD e que se envolveriam em todo tipo de actividade desumana além da prática do sexo. Houve histórias recorrentes, aparentemente documentadas com credibilidade, das paredes dessas casas estarem cobertas com fotos de mulheres nuas e algemadas a ser açoitadas e torturadas. Gottlieb era um dos piores tipos de predador desumano. Ele procurou deliberadamente e seleccionou tipicamente, milhares de indivíduos e vítimas para serem testadas - crianças, prisioneiros, pessoas pobres, criminosos de delitos comuns e doentes mentais - uma vez que eram "os menos propensos a serem levados a sério se tivessem a ousadia de reclamar" para serem drogados, abusados e torturados pelos funcionários do governo dos EUA.

Foi Gottlieb, ou o seu grupo, os responsáveis por grande parte da programação de pessoas como Sirhan Sirhan e Ted Kaczynski. É provável que o grupo de Gottlieb também tenha sido responsável pela concepção e programação dos "assassinatos Zebra" que resultaram numa onda repentina de quase 100 assassinatos aleatórios, sem sentido e sem nenhuma motivação, que varreram a Califórnia no final da década de 1960 e no início da década de 1970. Essas e muitas das séries de assassinatos em série que atormentaram a Califórnia durante quase uma década, tinham todos padrões muito semelhantes para serem coincidência e estavam todos ligadas a muitas das mesmas pessoas e instituições, para que fossem considerados acontecimentos aleatórios.

Embora envolvido no projecto e na execução de algumas das missões mais secretas e mortais da CIA - obscenamente desumanas - Gottlieb não parecia nem um pouco preocupado com as dimensões imorais do seu trabalho. Testemunhou numa Comissão do Senado que, embora as suas actividades relacionadas com o Projecto MK-ULTRA possam "parecer duras em retrospectiva" e que alguns possam designá-las como assassinatos, elas foram justificadas como  sendo questões de segurança nacional.

Tim Wiener ao escrever o seu obituário no New York Times (10 de Março de 1999), identifica Gottlieb simplesmente como "o homem que trouxe o LSD para a CIA", dizendo que ele era "um génio" que estava apenas "a tentar explorar as fronteiras da mente humana para o seu país", ao mesmo tempo em que "procurava o significado religioso e espiritual na sua vida". Segundo Wiener, Gottlieb "passou os seus últimos anos a cuidar de doentes moribundos",numa bonita vila no sopé das montanhas Blue Ridge, observando que a CIA concedeu ao Sr. Gottlieb a Medalha de Distinção da Inteligência/Serviços Secretos. Também John Marks, depois de escrever um livro sobre o assunto, afirmou, estupidamente, que Gottlieb era "inquestionavelmente um patriota, um homem de grande criatividade", que nunca efectuou as suas acções "por razões desumanas", mas sim que "pensou que estava a fazer exactamente o que devia ser feito.  E no contexto da época, quem iria argumentar? Por isso, foi apenas  "um servidor leal do governo americano". Wiener salientou que, com as suas experiências em indivíduos que não tinham sido informados sobre as consequências das mesmas, Gottlieb violou os padrões de Nuremberg, segundo os quais os mesmos americanos executaram médicos nazis por crimes contra a Humanidade, mas não referiu que Gottlieb era, de facto, muito mais monstruoso do que os nazis, que os seus crimes também eram contra a Humanidade e eram mais abrangentes em extensão, duração e grau do que qualquer coisa feita na Alemanha. No entanto, em vez de ser processado e executado, Gottlieb foi recompensado com elogios e medalhas. Tal é a hipocrisia da América. E dos colunistas do New York Times.

Não pude pesquisar um aspecto desta situação que me satisfizesse totalmente, mas os resultados são suficientes para afirmar que o Projecto MK-ULTRA parece ter sido quase na totalidade um programa judaico. Gottlieb era judeu, assim como a maioria das pessoas que pude identificar como pertencendo às chefias e sub-chefias dos projectos, pessoas como o Dr. John Gittinger, Harris Isbell, James Keehner, Lauretta Bender, Albert Kligman, Eugene Saenger, Chester Southam e muitos outros. Igualmente, muitos dos indivíduos que levaram a cabo estas'experiências' humanas  nas principais faculdades e universidades americanas, hospitais, bases de pesquisa e instituições mentais eram praticamente todos judeus, assim como quase todos os médicos e psiquiatras que pude identificar.


Gostaria de acrescentar algo mais.  A criação do MK-ULTRA coincidiu com a importação de 500.000 prisioneiros de guerra alemães, trazidos da Alemanha para os Estados Unidos. O leitor pode ter ou não ter conhecimento dos 'Campos de Morte' de Eisenhower, onde agora está comprovado (graças às 'Other Losses/'Outras perdas' de ***James Bacque) que os militares americanos, cumprindo ordens das cúpulas da NWO (Nova Ordem Mundial), mataram de 10 a 14 milhões de alemães nos campos de concentração dos EUA, na Alemanha - nos anos que se seguiram ao término da guerra, entre 1944 e 1948. Cerca de um milhão foram mortos a tiro e os que restaram,  trabalharam e morreram à fome. As fotos que muitos de nós já vimos de enormes pilhas de cadáveres terrivelmente emagrecidos e supostamente referidos como judeus mortos pelos alemães eram, na verdade, alemães mortos pelos americanos, e quase certamente sob ordens de um grupo de judeus europeus. Eisenhower emitiu ordens para que todos os civis alemães que tentassem levar comida para esses prisioneiros fossem mortos a tiro, e muitos foram. Foi durante este período que os 500.000 prisioneiros de guerra alemães foram transferidos desses campos na Alemanha, para os Estados Unidos, com o pretexto de "poder alimentá-los melhor". Apesar de ter aplicado os  meus melhores esforços ao longo dos anos, não consegui localizar nenhuma documentação confiável desses prisioneiros que deixaram os EUA. O governo americano alega que todos foram enviados de volta para a Alemanha em 1948, mas não há provas a apoiar esta afirmação e nem a Cruz Vermelha Internacional, que estava encarregada de toda esta movimentação, nem os registos militares dos EUA, nem ninguém tem qualquer registo de alemães a regressar para qualquer local da Europa, a partir dos Estados Unidos.

***Other Losses/James Bacque - Other Losses é um livro de 1989 do escritor canadiano James Bacque, alegando que o General Dwight D. Eisenhower provocou, intencionalmente,devido à fome ou à falta de abrigos adequados, as mortes de cerca de um milhão de prisioneiros de guerra alemães mantidos nos campos de concentração construídos pelas forças armadas ocidentais após a Segunda Guerra Mundial, 

O livro afirma que existiu um "método de genocídio" na eliminação dos inspectores da Cruz Vermelha, na devolução da ajuda alimentar, na política de racionamento dos soldados e na política de construção de abrigos.

Esta situação coincide com a transferência para os EUA de toda a equipa da Unidade 731 de Shiro Ishii, encarregada de experiências semelhantes e relacionadas com o Projecto MK-ULTRA, e também com a criação do CDC dos EUA que, desconhecido para a maioria dos americanos, foi (e eu acredito que ainda é) uma unidade das forças armadas dos EUA e não uma organização civil de saúde. De facto, o CDC funciona entre outras coisas, como o distribuidor militar norte-americano de patógenos biológicos e muitos dos funcionários de Ishii foram destacados para integrar o CDC durante a  sua formação. Todos estes factos levam à conclusão de que os prisioneiros de guerra alemães nos EUA foram usados ​​em algum lugar, como 'material experimental', em conformidade com o Projecto  MK-ULTRA e que todos morreram.

Escrevi um artigo separado sobre esse último tópico, cuja leitura recomendo. Está intimamente ligado ao tópico deste ensaio.

https://www.unz.com/lromanoff/prisoner-of-war-camps-in-america/

 

Larry Romanoff, consultor de administração e empresário aposentado. Ocupou cargos executivos especializados em empresas de consultoria internacionais e possuía uma empresa internacional de importação e exportação. Professor Visitante da Universidade Fudan de Shangai, apresenta estudos de casos em assuntos internacionais a executivos especializados. Romanoff reside em Shanghai e, actualmente, está a escrever uma série de dez livros, relacionados, de um modo geral, com a China e com o Ocidente. Pode ser contactado através do email: 2186604556@qq.com.

A fonte original deste artigo é Moon of Shanghai

Copyright © Larry Romanoff, Moon of Shanghai, 2020


Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

Website: Moon of Shanghai

Larry Romanoff,

contributing author

to Cynthia McKinney's new COVID-19 anthology

'When China Sneezes'

When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis